Consoante este humilde blogueiro havia previsto em post pretérito, case o Imortal Tricolor apresentou dificuldades para “dar as cartas”, para propor o jogo ante o Santos/SP no jogo de volta da Copa do Brasil. É inegável que o esquema de Portaluppi é excelente, tendo conseguido êxito na tarefa, deveras cruel, de acomodar os atletas gremistas que vivem melhor momento, contudo, parece bastante óbvio também que falta “o enganche”, a figura do meia com características mais ofensivas, o qual se destaca mais pelos passes precisos aos atacantes do que pela força combativa de defender.

Em que pesem os vários erros de passe no início, Maxi “El Boemio” Rodriguez teve papel fundamental na classificação gremista desta última quarta-feira. Ramiro é um ótimo jogador, promissor, com um forte arremate de longa distância e muita movimentação, porém, peca no momento de efetuar o último passe. Isso não é culpa dele, pois ele não é meia armador. Maxi precisou acertar apenas um passe, mas arquitetado de maneira magistral, ao passo que matou a marcação de quatro defensores santistas, deixando Pará livre, leve e solto para executar um cruzamento de linha de fundo pela direita, traduzindo de maneira sublime a conceituação do festejado “overlaping”, tão esquecido pelo meio futebolístico. Eram quatro jogadores gremistas SOZINHOS em frente ao arqueiro Aranha em condições de jogo para marcar o gol da classificação tricolor. Mas isso tudo, porque havia Maxi Rodriguez, um meia articulador.

Pelo fio do exposto, eu digo e afirmo aos quatro ventos: Zé Roberto tem lugar nesse time. É notório que as saídas de Adriano, Elano, “Turboman” Vargas e do próprio Zé Roberto ajeitaram o esquadrão gremista, entretanto, Zé não tem como ficar de fora, porquanto se trata de um “extra-classe”, um jogador diferenciado, com velocidade, experiência, passe e características de armador. Eu deixaria Ramiro no banco. Gosto muito da raça, da gana e do poder de indignação do paraguaio Riveros. A tendência é vencer com facilidades a Ponte Preta/SP hoje à tarde na Arena. Zé e Vargas retornam no banco. Portaluppi está correto e tem o time na mão. SIGAMOS, IMORTAIS!!

Tchüss, fusballteigers!!

Participe da discussão

2 comentários

    1. Fica tranquilo, Leonardo!

      “El Boemio” é apenas o apelido que ele trouxe dos tempos em que atuava no Montevideo Wanderers/URU. Segundo a imprensa local, a alcunha não é fruto da fama noturna do atleta.

      Abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.