Hoje, treatment quando os olhos do Brasil estiverem voltados para Minas Gerais, pharmacy por conta do 1º jogo da decisão da Copa do Brasil, medical algumas dúvidas pairarão sobre as cabeças das pessoas, principalmente aqui, no RS.

Quando observamos o sucesso dos dois clubes mineiros nos últimos tempos, inevitavelmente traçamos paralelo com os dois clubes do nosso estado. O que difere? Qual é o ponto nevrálgico de tão destoante momento? Nós estamos atrasados ou estamos apenas vivendo um mau momento? São dúvidas que assolam a mente de todo aquele que pensa na estrutura do futebol como um todo, além das quatro linhas.

Se sairmos do mundo do futebol e analisarmos o próprio estado de Minas Gerais e seu povo verificamos que existe uma diferença gritante entre nós, gaúchos, e eles, mineiros. A primeira coisa que grita aos olhos é que o Rio Grande do Sul desaprendeu a cooperar, ou nunca soube. Aqui, percebemos que mais do que obter o sucesso desejamos o absoluto fracasso do outro. Não nos basta, de maneira geral, estar bem, precisamos chacotear ao adversário, desmerecê-lo ao máximo. Na Província de São Pedro vemos que as pessoas são capazes de causar o próprio mal se isso prejudicar o outro.

De maneira geral é possível perceber que aqui, nos pampas, o sistema Grenalizador que adotamos não dá certo. Afundamos o estado e agora estamos afundando os clubes. É fácil perceber que a imprensa, o estado, a polícia e, pasmem, o Ministério Público (MP) resolveram vestir as cores de um clube só, os exemplos não são poucos e muito menos, pequenos.

Vamos analisar as questões de maneira pontual, esperar respostas, mesmo sabendo que elas jamais virão.

Será que em Minas Gerais é como aqui?

Brigada Militar

– Será que em MG a Polícia Militar tem preferências clubísticas?
– Gostaríamos de saber se lá a PM permite que uma torcida faça festa no seu estádio, com todos os materiais, e a do outro clube não.
– Trapos, papeis picados, bumbos e barras: será que lá eles proíbem pra um – com a desculpa de que é para evitar tráfico de drogas (são 2 anos de Arena do Grêmio sem barras e NENHUM TRAFICANTE FOI PRESO ATÉ HOJE) – e liberam pro outro?
– E a escolta/chegada de torcida do visitante no clássico, como será que é em Minas? Será que lá uma torcida chega de ônibus na porta do estádio e a outra tem que se deslocar da porta de um shopping, atravessando no meio da outra torcida, até chegar ao seu portão de entrada no local da partida?
– E o uso de balas de borracha em meio a uma multidão de torcedores nas ruas do bairro onde fica localizado o estádio de um dos clubes, será que é usual por lá? Será que já deixaram cego algum torcedor com este artifício?
– Será que lá SETE policiais arrastam um torcedor usuário de MULETAS para atrás de uma parede para bater nele covardemente longe das câmeras da tevê?

Ministério Público

– Será que o MP mineiro é fardado e clubístico?
– Nos perguntamos se alguma vez o MP-MG já liberou suas dependências pra um dos clubes fazer reuniões do conselho deliberativo, será que sim?
– Será que o MP de lá persegue a torcida de um dos clubes de BH e leva livra a outra?
– E se duas torcidas organizadas de um destes clubes quebrasse todo um posto de gasolina de BH, o MP ficaria em silêncio sobre o assunto? E quando tem briga na torcida do outro clube, será que o promotor passa o dia nas rádios dando discurso?
– Estruturas Temporárias do estádio da Copa: precisamos de explicações! Até onde sabemos o MP não é pago com o dinheiro dos impostos de todos para estar a serviço dos caprichos de alguns. O Ministério Público é o defensor da sociedade e não de uma associação. Será que o MP de Minas Gerais cobraria das empresas que doaram seu ICMS, ao invés de cobrar do clube que assinou termo junto à FIFA se responsabilizando pelas Estruturas Temporárias do estádio da Copa?

Governo do Estado

– Será que o governo de Minas Gerais doa terrenos em profusão para um dos clubes de BH em detrimento do outro?
– O governo mineiro costuma mandar para a Assembleia Legislativa leis que permitem tirar do erário público valores para bancar compromissos assumidos por clube particular?
– Como será que é a postura do governador do estado de MG? Ele vai pro twitter cornetear o clube rival do que ele torce?

Imprensa Esportiva

– A imprensa mineira também se esconde atrás de uma falsa isenção para trabalhar?
– Será que um dos clubes de lá tem agenda negativa enquanto o outro tem sempre agenda positiva?
– As editorias esportivas de Minas abafam crises de um clube e aumentam/distorcem as do outro?
– Será que tem repórter em MG na folha de pagamento de clube de futebol?
– Existe perseguição de um narrador ao técnico multicampeão de um dos clubes?
– Se um jogador de um dos clubes mineiros aluga um carro e sofre um acidente, será que a imprensa mineira procura o dono da locadora para que ele dê entrevistas cobrando do clube deste jogador?
– E se um jogador do outro clube de MG se envolve num acidente de trânsito com feridos e foge do local sem prestar socorro, será que a imprensa de lá abafa o caso? E quando publica algo o faz um mês depois e em outra editoria que não a de esportes?
– Os repórteres de lá costumam desligar seus telefones após falarem com os dirigentes? Ou, ao final da conversa, ao notar que o presidente esqueceu de desligar o telefone e entrou numa reunião, será que este repórter grava tudo o que for tratado na reunião para colocar no ar depois?
– Se um jogador estrangeiro contratado como craque por um dos clubes de BH vive pelos cantos reclamando que não joga, será que a imprensa de lá dirá que não falam o que sabem EM RESPEITO A DIREÇÃO DO CLUBE?
– Será que, caso os dois clubes de BH resolvessem construir estádios, só teríamos discussões sobre o contrato de um deles? Só um dos contratos seria chamado de ruim, péssimo, porcaria e o outro seria louvado como um negócio da china, maior contrato da história?
– Se houvesse um contrato qualquer de um destes clubes em que os conselheiros só tivessem 5 minutos para ler, será que isso seria bem visto pela imprensa esportiva de BH?
– Será que lá acontece de ter comentarista extremamente identificado com um dos clubes e que é SISTEMATICAMENTE escalado para comentar jogos do outro?
– Será que já aconteceu de um renomado jornalista esportivo mineiro ENGRAVIDAR uma notícia – um problema de um jogador com o resto do grupo – e esperar ele ser negociado para então vazá-la?

Federação de Futebol

– O presidente da FMF foi conselheiro de algum dos clubes de BH por longa data?
– Será que a comissão de arbitragem escolhe a dedo os árbitros que apitam os clássicos, pendendo sempre para um dos clubes e prejudicando o outro?
– Lá em Minas, a Federação faz congresso técnico em cruzeiros pelo Caribe? Ou em Santigo do Chile? Será que FMF banca tudo para os dirigentes nestas viagens?

Ficam estas dúvidas no ar: lá em Minas Gerais as coisas funcionam assim também?

A triste história do ocaso do Rio Grande do Sul é paralela ao futebol de seus dois “gigantes” e seu entorno, deixaram de acontecer há muito tempo, mas nossa arrogância e notável desconhecimento de causa não nos permite ver. Mais do que errar, nós fazemos questão de não aprender.

Sempre Imortal: o blog oficial da torcida Gremista!

Participe da discussão

8 comentários

  1. Li na praça que o Grêmio teria goleado com 3 volantes mas há um equívoco nisso: a goleada NÃO foi com três mas com dois volantes.

    O Grêmio ganhava de 2 x 1 com os três volantes e o Inter ensaiava uma reação quando Felipão após a marcação do gol de Rafael Moura e pressão colorada colocou Alan Ruiz no lugar de Ramiro e Giuliano no de Luan.

    Ou seja, ao contrário do que fez em outras partidas onde substituía um volante por outro, chegando até a jogar com 4 volantes, tirando um meia, Felipão resolveu ousar ao invés de acadelar-se e partiu pra cima do Inter.
    Resultado 4 x1 com Alan Ruiz como destaque do jogo sendo decisivo.

    Somente depois dos 4 x 1 e por conta das brigas e provocações Felipão tirou Alan Ruiz voltando aos três volantes com Biteco.
    Ou seja, o Grêmio goleou pela primeira vez no campeonato com dois meias (Luan depois Giuliano e Alan Ruiz) e dois volantes (Wallace e Fellipe Bastos) e não com os três volantes.

    Ganhávamos o jogo com três volantes mas goleamos mesmo com dois, ou seja, dá pra ganhar de qualquer jeito, mas o que tornou a vitória elástica, histórica e eufórica pra torcida foi a atitude e determinação em ganhar a partida colocando o time pra frente ao invés de defender o placar mínimo (pela lamúria do treinador em supostamente não contar com meias de qualidade).

    Dá pra ganhar também tentando jogar futebol não só se retrancando com jogadores defensivos que a crítica que se tem feito ao treinador que reviu seus conceitos no Grenal e ganhou a partida também pela qualidade dos meias que tanto pega no pé como Luan e Alan Ruiz. Aliás, duvido que sem eles os três Pará tivessem decidido algo… teriam corrido muito, mas a jogada diferente quem faz?

    O que reivindico é que podemos ganhar sim dois volantes e dois meias jogando futebol se Felipão voltar a ousar (superando seu trauma de ter ido faceirinho contra a Alemanha) e escalá-los e der continuidade a eles.

  2. São questões que mereceriam um estudo sociológico e talvez até psicológico, tamanha é a demência como as coisas acontecem no RS. No entanto, infelizmente em todo lugar existe uma coisinha chata chamada política, pode acreditar que Minas não é uma exceção. E, sejam boas as intenções ou não, poder político só se consegue sabendo as artimanhas do jogo político, além de demandar união e organização por um objetivo maior. Por isso creio que o insucesso dos clubes do RS passa mais pela incompetência dos dirigentes.

    No Grêmio, já há algum tempo nossos dirigentes são raposas sagazes no que tange a lidar com seus adversários políticos de dentro do próprio clube, mas dóceis gatinhos frente aos adversários de fora. E o insucesso futebolístico absoluto do Grêmio dos últimos anos se comparados ao Inter nos tira o prestígio que restava pra manter alguma força política dentro do próprio estado do Rio Grande do Sul, que dirá ter alguma força no cenário nacional.

    Se o futebol de Minas está mudando, certamente algo certo foi feito por lá, mas eu não tenho tanta certeza se chega ao ponto de podermos afirmar que lá as coisas são infinitamente mais limpas que no RS. As fortes relações de figuras como Perrella e Aécio com o Cruzeiro (e com o Mineirão), ou a forma como Kalil trata as questões da dívida do clube, sem contar o recente incidente sobre os ingressos da final, não são condutas que eu classificaria como exemplares.

    No entanto, certas características da cultura futebolística mineira são eminentemente diferentes, o que não necessariamente significa que são boas. O entendimento médio do torcedor dos clubes mineiros é de que seus clubes são historicamente prejudicados politicamente no cenário nacional em prol de interesses de clubes do RJ e SP. Questões de arbitragem especialmente são sempre lembradas, seja por torcedores, seja pela imprensa, seja pelas próprias instituições dos dois clubes mais proeminentes do estado, que frequentemente tratam do assunto de forma até exagerada. Por isso, não raro um torcedor mineiro torce pelo clube rival em alguma competição nacional, pelo simples fato de ser preferível para eles ver um mineiro alcançar sucesso a ver um clube do eixo RJ-SP consegui-lo.

  3. Não sou especialista nem a pessoa mais bem informada no assunto, mas o que falei anteriormente não significa que não haja uma rivalidade ferrenha entre os torcedores dos clubes de Minas. Pelo que fiquei sabendo, as torcidas de ambos os times até estavam proibidas de frequentar o estádio ao mesmo tempo por causa das brigas, havendo sempre clássicos com torcida única, e isso era recente, só não sei se ainda é assim.
    Enfim, de todo jeito, não sou simpatizante do jeito como as torcidas de Cruzeiro e Atlético tratam o assunto da arbitragem nem sua “rivalidade” com o eixo RJ-SP. Acho até que essa atitude tem sua parcela de responsabilidade pela demora do sucesso de ambos os clubes.

  4. Grande partida do Grêmio após o Grenal que esperava-se podia dar moral ao time e foi o que aconteceu, atuação sóbria, taticamente perfeita mesmo que tenha sido contra o virtual rebaixado e lanterna Criciúma. O time parece ter encaixado nessa formação e até o tão reclamado gol de bola parada aconteceu – assim como no Grenal – só que agora de escanteio,
    com Barcos de boa atuação cabeceando numa que jogada que não é bem o seu forte.

    Luan teve excelente atuação e Dudu – numa atuação de luxo – foi o melhor da partida, se atuasse mais vezes assim valeria o investimento do mesmo modo que Alan Ruiz no Grenal, são jogadores novos, podem crescer, grande defeito de Dudu vinha sendo a afobação na hora de concluir as jogadas seja para finalizar ou dar o último passe e a confiança e insistência do treinador com ele parece estar surtindo efeito, cresceu muito nos últimos dois jogos, se continuar assim, vou dizer que vale os milhões de euros – agora é hora de jogar bem contra Cruzeiro e Corinthians, dois jogaços.

    Time encaixou muito tb pela presença da dupla de volantes Wallace e Felipe Bastos que Felipão havia tirado inexplicavelmente do time, estes jogadores dão solidez defensiva, são nossos melhores marcadores e tem bom passe. Ramiro fez mais gol e está chegando bem como elemento surpresa, no entanto, não gostei de sua atuação, o próprio Felipão chamou muito atenção dele durante a partida pelos erros de posicionamento, mas como o time tá encaixado com ele e é bruxinho do treinador, então segue o baile, só acho que se quisermos ser campeões jogadores como ele e Pará são insuficientes, é preciso mais qualidade.

    Zé continua bem, nos dá saída de bola pelo lado do campo e a zaga está sólida com o Geromel que começou vacilante, perdeu posição pro Werley com Felipão e depois que voltou se consolidou como o parceiro ideal de Rhodolfo, com antecipações, pois não é um zagueiro de imposição e compensa com bom posicionamento e saída de bola, lembrando muito o futebol do Mauro Galvão.

    O problema é que quatro afirmações do atual elenco Dudu, Geromel, Bastos e Ruiz não nos pertencem e se continuarem jogando bem vão tornar difícil o trabalho de aquisição e renovação deles com a direção. Até Dudu que não me empolgava se continuar assim começa a valer o seu preço e de repente os próprios investidores se animam a colocar grana nele.

    Agora é contra o Cruzeiro sem Fellipe Bastos, será que Felipão vai manter os três volantes (seja Riveros ou Biteco, nenhum recompõe o setor a altura pois não tem a mesma qualidade e personalidade) ou não seria a hora de jogar com Alan Ruiz como no segundo tempo do Grenal?

    Jogão, temos chances, mas tá tudo embolado, serão duas decisões contra times de cima e depois Bahia (lutando contra rebaixamento) e Flamengo (em tese de sangue doce). Mas o que dá mais confiança é o time finalmente estar jogando futebol no fim do ano e campeonato com a moral de ter socado os morangos e dependendo só de si para o G4.

  5. UMA PENA QUE = ACORDARAM TARDE DEMAIS ne , denovo ! DUDU NAO VALE OS 6 M. DE EUROS . ( WELITON NEM ex FLU ) mesmo ESTILO dudu = SO QUE COM MUITO MAISSSSSSSS QUALIDADE em GOLSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS ok . AI SE O FELIPAO NAO FOSSE TAO TEIMOSO , E TIVESSE ” OUVIDO MAIS ” A TORCIDA ne , QUE QUERIA O TIME +++++ OFENSIVO NOS JOGOS hein . HOJE ESTARIAMOS perto do TRI br , ne !

  6. Felipão encontrou o sistema de jogo ideal para o elenco que tem nas mãos. Enfim, temos um jogo coletivo de muito boa qualidade. A equipe evoluiu muito nos dois últimos jogos e a tendência é melhorar ainda mais daqui para a frente se for mantida a pegada e a disposição dos atletas. Só depende de nós. Agora é o Cruzeiro na Arena. Mesmo reconhecendo a capacidade do adversário, vamos com tudo. Com o apoio da torcida durante toda a partida e a garra e a vontade de vencer dos jogadores na ponta das chuteiras, vamos superar mais este obstáculo.

  7. Nos últimos brasileiros o Grêmio resolveu se “encontrar” no final do campeonato. O ano que deveríamos ter mostrado mais força e não conseguimos foi o ano que perdemos o título (2008). Sempre no final, damos uma reagida e ficamos com gosto que poderíamos mais..

    Como é fácil ganhar o brasileiro, basta o clube se organizar dentro e fora de campo. Que venha 2015… (me Deus já é quase 2015 e não ganhamos nada de novo !!!)

Deixe um comentário

Deixe uma resposta para Targa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.