Relato da GERAL pós GREnal

Relato extraído do https://www.facebook.com/Geral.do.Gremio/photos/a.192256077469085.58350.166393190055374/1145371048824245/?type=3&theater
A Gerência
Sempre Imortal, hospital o blog da torcida GREMISTA!

 

Nota oficial sobre os acontecimentos do Gre-Nal

A concentração da torcida no entorno da Arena e a ida de trem rumo à Secretaria de Estadual de Segurança Pública aconteceram com naturalidade. Cerca de mil gremistas fizeram o trajeto sem o registro de nenhum incidente. Por mais que tivéssemos discordado acerca do ponto de saída para o clássico, stomach respeitamos o acordo e chegamos à sede da SSP no horário combinado. Foi neste momento que começamos a ser submetidos a um tratamento desumano.

1) O local de concentração e embarque nos ônibus não tinha a estrutura prometida pelo MP e direção. Três banheiros químicos para mil torcedores e nada de água em um calor muito forte, order além da truculência desmedida de alguns brigadianos.

2) A previsão de ficar horas dentro do ônibus se confirmou. Duas horas dentro de ônibus superlotados, debaixo de sol, esperando o comboio sair. Torcedores passaram mal, alguns chegaram até a desmaiar, enfim, condições desumanas.

3) Muitos torcedores não conseguiram embarcar pois, mesmo com a capacidade dos ônibus sendo utilizada muito acima da capacidade, não tinha mais lugar. Estes tiveram que dar um jeito por conta própria de chegar ao estádio.

4) Chegando ao Beira Rio, longa fila para entrar no estádio, calor cada vez mais forte, e nenhuma água sendo vendida. Torcedores passando mal.

5) Então a BM anuncia que os materiais da Geral estão vetados porque janelas dos ônibus foram quebradas, sendo que não foi por integrantes da torcida.

6) Duas torcidas do Internacional brigaram entre si antes do clássico e, mesmo assim, entraram com todos os materiais. Os nossos foram vetados. Precisamos desenhar a diferença de tratamento?

7) Na volta depois do clássico, gás de pimenta sendo jogado dentro de alguns ônibus, obrigando os torcedores a saírem e acabarem o trajeto a pé. Torcedores passando mal mais uma vez.

8) O circo foi armado com a intenção de prejudicar a torcida, como é feito faz muitos anos nos clássicos do Beira Rio. O triste é que isso tudo contou com a anuência da direção do Grêmio.

A direção não tem o interesse de termos uma torcida forte nos clássicos disputados na casa do maior rival? No momento em que tu não dá bola para as condições que o teu torcedor terá para apoiar o time, tu estás praticamente descartando os três pontos. É preciso rever urgentemente a logística para a nossa torcida nos clássicos no Beira Rio. O desrespeito ao sócio gremista passou de todos os limites. A direção do Inter sempre agiu de má fé com a nossa torcida. Está na hora da diretoria gremista defender o seu torcedor.

Se a intenção das autoridades é acabar com a torcida visitante nos clássicos, que o façam e não coloquem em nós esta culpa. Somos torcedores, tratados como bichos, bandidos, acatamos tudo o que foi proposto e não adiantou nada. O promotor do MP, o secretário de segurança, os responsáveis pela concepção desta logística não estavam presentes no local do deslocamento para saber se de fato deu certo tudo aquilo que propuseram.

E os meios de comunicação contribuem para que estes absurdos se perpetuem quando só passam ao público parte da verdade. Matéria sobre duas cadeiras quebradas tem, mas relatos sobre as condições desumanas com que foram tratados os torcedores do Grêmio não viram pauta. Nenhum repórter é colocado para cobrir os deslocamentos e fazer reportagem sobre o que a torcida passa. Existe na imprensa uma forte campanha contra a Geral e isso é visto claramente quando duas cadeiras quebradas são colocadas no mesmo patamar que uma briga violenta entre duas torcidas do rival.

Estamos ansiosos para que o Departamento de Torcida saia do papel, algo vital para a resolução deste problema e de outros anseios dos gremistas, como o fortalecimento da festa na Arena, para que ela finalmente se transforme no caldeirão que era o Olímpico, o que foi endossado pelo presidente Romildo Bolzan em recente entrevista.

A Geral do Grêmio já passou por inúmeras dificuldades e desafios em sua longa trajetória e em todos estes momentos saiu fortalecida. Não aceitaremos mais tratamento como esse do Gre-Nal e esperamos que o presidente Romildo Bolzan assuma a responsabilidade e defenda o maior patrimônio do clube, que são os torcedores. Não aceitamos mais VP, aspones, só a figura do presidente pode resolver estas questões e basta usar o bom senso, que vem caracterizando a sua gestão como um todo, menos na relação com as torcidas.

Convidamos desde já alguma autoridade do MP, algum dirigente do Grêmio, para que acompanhem a torcida no próximo clássico disputado no Beira Rio e vivenciem na pele o que passamos para apoiar o Tricolor. Esperamos que não seja necessário e que até lá esta logística seja revista, mas fica o convite.

Pedimos aos torcedores que foram ao Gre-Nal que nos enviem fotos, vídeos, relatos, enfim, registros de todos os problemas que passaram na SSP, trajeto e Beira Rio. Nos mandem via mensagem inbox para a página oficial da Geral no Facebook ou por DM no nosso perfil oficial no twitter.

Geral do Grêmio.

Participe da discussão

12 comentários

  1. Todo o GREnada é a mesma ladainha. Esculacho da BM, cavalos em cima da torcida, bala de borracha, spray de pimenta. O descaso dos órgãos públicos para com a torcida do Grêmio. Todo GREnada essa ladainha se repete. A culpa disso é de quem? DAS DIREÇÕES GREMISTAS! Eles não estão nem ai para quem vai assistir aos jogos no Remendão, até por que os dirigentes não sofrem as barbaridades.

    O GFBPA, como instituição, perdeu o respeito há anos. Qualquer um faz o que bem entende e nenhuma direção sai em defesa do clube.

  2. pois é, supostamente o ano era pra enxugar despesas, mas enxugaram tanto que as receitas despencaram!
    Queria ver no Grêmio um discurso de aumento de receitas, novos projetos, amistosos, excursões…

    O grupo Koff/Romildo é responsável pelo maior aumento da dívida da história do Grêmio!
    Não há nada político aqui, apenas uma constatação, deixaram o Grêmio a beira da falância novamente, como Obino e Guerreiro já haviam feito.

    Engraçado que no início do ano era o Santos quebrado, mandou embora Damião, Robinho e outros medalhões, enxugou de verdade, apostou na base (pra variar) e trouxe o Ricardo Oliveira pelo preço do Braian Rodriguez. Ganhou o Paulista e está encaminhado pra ganhar a Copa do Brasil. Revelou a gurizada, tem um cheque em branco no Lucas Lima e venceu em campo.

  3. Cristiano! Em respeito a tua preocupação – que deveria ser de todo gremista, principalmente dos dirigentes – com relação a transparência das contas do clube, me reservo o cuidado de buscar informações complementares, para não fazer um juízo precipitado. Os resultados apresentados no “Balanço da Bola”, em tese, são um indicativo de que a alardeada “austeridade” não passa de uma peça de ficção. Como gremista, fiquei incomodado ao tomar conhecimento deste comparativo entre as realidades financeiras do nosso Grêmio e do TA. Acho que o clube deveria esclarecer, ao sócio-torcedor, as verdadeiras causas dessa disparidade entre as duas contas, se é que existem. Por outro lado, gostaria de ouvir a opinião de um especialista em finanças, porque, à grosso modo, os números apresentados na planilha estão na contramão do discurso oficial e não podemos nos sjeitar a apenas uma opinião. Muitas vezes, nos deparamos com estudos e estatísticas tendenciosas que carecem de credibilidade. São como balões de ensaio de tiro curto, com a finalidade de criar um fato novo, na falta de algo melhor. Luis Zini Pires é especialista nessa questão e a rivalidade entre os nossos dois grandes clubes muito se presta para isso. Por essa razão, ao longo do tempo, nos deparamos com uma série de comparações superficiais.
    Todos sabemos da grave crise financeira que quase levou o clube à insolvência. Não cabe aqui procurar culpados, por que não é esta a finalidade do meu comentário. Para mim, a pesquisa é inconsistente, porque, a frieza dos números, nem sempre reflete a realidade dos fatos. A dinâmica financeira dos clubes se movimenta em cenários distintos e isso deve ser levado em consideração. Mas, independentemente deste meu olhar com um pé atrás, fico na expectativa de um estudo mais acurado sobre a pauta. Tenho minhas desconfianças quanto aos número apresentados, mas, como já disse, não é minha área de atuação.
    Fica a pergunta: o estudo é confiável? Perguntar não ofende e quem sabe os responsáveis pelas finanças do Grêmio possam esclarecer o assunto.

  4. Infelizmente hoje a impressão que tenho (time ruim, contas negativas – suplementação -, promessas não cumpridas, descaso para com a torcida, sócios despencando,…..) é que estamos diante de um “novo” Odone!!
    Pobre Grêmio!

  5. o estudo é confiável, os dados são oficiais, publicados. Esse site faz análises de clubes de todo o Brasil.
    Realmente a situação é ruim e talvez a torcida não tenha noção devido ao amplo discurso de redução de despesas que foi feito em 2015.
    Mas não funcionou!

    Em relação a set/14:
    Custos futebol profissional aumentaram 6,39%, Prêmios/luvas aumentaram incríveis 447% (16,7 milhões gastos em 2015), Custos Administrativos Futebol +12,7%, Custos futebol +12,3%.
    Únicos custos que caíram foram Administrativos (-14,7%) e Infraestrutura (-18%)
    Como é possível terem gastado mais mesmo com tudo o que supostamente foi cortado?

    Pior de tudo é a receita despencando, quadro social e royalties de produtos faturando menos do que em 2012!!! Publicidade com mesmos valores de 2012.
    Vivemos ainda pelo contrato de TV da Globo, pois já assinaram por vários campeonatos futuros pra adiantar receita.

    As despesas financeiras dizem muito o que nos espera no futuro próximo, já acumulam custos de 24 milhões em 2015

  6. Targa!

    Ainda assim, se levarmos ao “pé da letra” somente o enxugamento da folha do futebol – que, segundo os dirigentes é ao redor de R$ 2.000,000,00 mensais – em dez meses economizamos R$ 20 milhões. Isso, realmente, é quase nada (10% da receita geral)) que, somado à receita com a venda de jogadores (que atualmente não temos) e com o que arrecadamos na Grêmio Mania (7%) e com as licenças de nossa marca (8%), representam muito pouco na composição do “bolo” final.
    Não temos as receitas de bilheteria dos jogos nem dos eventos e a grana da TV, que é o que realmente faz a diferença (40%), foi antecipada e muito mal utilizada por maus gestores.
    Agora, mesmo que a gestão da Arena estivesse nas mãos do clube, não se pode dar como certo que seria a solução, haja vista que são tantos os descontos que incidem sobre a mesma, que sobra muito pouco. Em suma, tudo depende de uma boa administração para por a casa em ordem, algo que há muito tempo é raridade no clube. O que resta, é a expectativa da venda de jovens jogadores para clubes do exterior, o que faria entrar no caixa uma considerável soma. Diz o ditado: dinheiro que entra fácil, não dura muito na mão de quem não sabe administrá-lo. Assim tem sido o Grêmio que elegeu a “barriga” como a derradeira solução para seus problemas. Na falta de uma resposta inteligente, é só dar um “empurrãozinho” nela que a coisa vai. E assim vamos vivendo. O que me espanta, é o silêncio!…

  7. Eu acho que não estamos diante de um novo Odone. A situação é ainda pior.

    Não podemos esquecer que o Grêmio pagará um valor milionário ao Kléber Gladiador, resultante de um acordo judicial, algo que foi provocado pelo próprio clube.

    O Grêmio paga salário para um Executivo que esteve presente em todos os fracassos da atual gestão. No entanto, sempre tem alguém para defendê-lo.

    Ainda, tem a questão da compra da gestão da Arena. Se o clube tivesse efetivado toda a operação, o caos financeiro seria ainda pior.

  8. http://www.gremio.net/news/view.aspx?id=19040&language=0&news_type_id=1

    Nota oficial do grêmio.

    Notinha cagada que não peita os órgãos públicos. Notinha de uma direção fraca e morna. Notinha, que ao invés de defender o seu torcedor que foi maltratado (mais uma vez) enaltece que não houve cadeiras quebradas e prejuízos ao clube.

    Isso é que se tornou a instituição Grêmio FBPA, um clube molenga, cu cagado, que só se importa com a mensalidade paga pelos torcedores otários. De resto, o torcedor gremista pode ser maltratado que está tudo bem.

    Se em campo o time não ganha nada e é cagalhao na hora das decisões, um dos problemas é isso aí, ou seja, a instituição não se impõe a ninguém.

    O que os torcedores deveriam fazer e nunca mais irem a jogos no Remendão.

  9. Custei a acreditar, mas, caí na real. O “buraco” nas finanças do Grêmio aumentou consideravelmente. Mais uma vez eu e milhões de gremistas fomos “engambelados” pelo discurso oficial. Agradeço a colaboração dos meus companheiros de blog, que me abriram os olhos para a realidade dos fatos. A atual política financeira do clube se mostra contraditória na sua formalização e na eficácia.
    É como a abertura de um buraco: quanto mais terra se tira dele, mais amplo e profundo fica.
    Confesso que não consigo entender essa matemática.
    Não há planejamento, por mais otimista que seja, que venha a reverter o quadro nem a médio nem a longo prazos. O ceticismo se espraia à galope e não há a perspectiva de uma luz no fim do túnel. Em contrapartida, há um silêncio corporativo que assusta, como se a instituição Grêmio se limitasse ao recinto da administração.
    Os que estão ao largo do âmbito do poder acostumaram-se a “chupar bala”, gestão após gestão. Alguém tem que explicar o que está acontecendo.
    Esperar dos dirigentes algo mais consistente do que promessas, é dar um atestado de ingenuidade.
    Ficamos, no fim das contas, com a impressão de que fomos, mais uma vez, “enrolados” e que não foi por falta de aviso.
    Muitas são as explicações: falta de grana, alta do dólar, contrato com a OAS, Odone, etc. Só faltou fazer o “mea culpa”. Também, aí é pedir demais…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.