Participe da discussão

34 comentários

  1. o legado de um mês de intervalo da Copa foi a descoberta do Saimon como solução pra lateral esquerda. Querem me enlouquecer!

  2. Eu acho que o Marcelo está certo. Para anunciar que jogaria com três zagueiros ele teria que tirar alguém do meio ou do ataque. Assim, espertamente ele tira o Breno do time, que é um garoto e não vai chiar e coloca o Saimon na lateral, que obviamente vai ser o terceiro zagueiro. Fecha a defesa, arma um ferrolho, com um volante fechando pela esquerda e não perde, mas também não ganha e assim ele garante o emprego por mais algum tempo. O Renato jogava com três volantes e um deles era quase um terceiro zagueiro e tinha a sorte de fazer um golzinho no contra ataque. Pode ser que em alguns jogos, principalmente fora de casa, com jogadores velozes pelos flancos, que de resultado, sem o Barcos é claro.

  3. Com relação aos legados da copa, eu não vi muita coisa em Porto Alegre, mas temos que admitir que o viaduto e as avenidas que passam em frente e por trás do Beira Rio ficaram excelentes, assim como o prolongamento da Av. Beira Rio, passando pela nova ponte da Ipiranga e saindo na Manoelito de Ornelas junto ao Foro. Ficou muito bom. Eu ainda não passei pelo viaduto da Julio de Castilhos, mas acho que também ficou legal, acabando com aquela sinaleira na Rodoviária. As demais obras ficaram inacabadas.

  4. O alargamento da Freeway, da ponte até a Arena também ficou bom, assim como a recapagem da Castelo Branco. Mas alguma coisa?

  5. O maior legado é a confirmação de que nosso futebol está decadente técnica e taticamente e que tem que se reciclar com urgência.
    Com a Copa, os clubes tiveram a prova definitiva de que o discurso ufanista – engana bobo – dos dirigentes, não leva a nada.
    Acho que o que restou de bom da Copa, foram as performances das equipes da Costa Rica e da Colombia, que deram uma inequívoca demonstração de que também se pode jogar um bom futebol, quando a força da ação coletiva se sobrepões ao individualismo inconsequente. Também, o comportamento do povo brasileiro na recepção aos visitantes, foi uma das notas positivas do evento, do norte ao sul do país
    .

  6. A Copa foi ótima. Muitos gols, times competitivos e, no final, a vitória do merecimento.
    A Alemanha mostrou para quem quisesse aprender que para vencer tem que ter projeto e organização. E de quebra, como legado, ainda deu ao Brasil um presente inestimável: uma derrota inédita, humilhante e educadora, que deixa de saia justa os cartolas (ir)responsáveis pelo futebol daqui.
    Não ligo para seleção brasileira, o que espero mesmo é que esse seja um marco que dê origem a um futebol doméstico mais organizado e que o modelo de planejamento e investimento na base seja adotado por nossos clubes, em especial o Grêmio. Não que eu acredite que vá acontecer de verdade uma revolução, mas se não for esse o gatilho, não sei o que seria capaz de incentivar essa mudança que há muito era necessária.

  7. Então quer dizer que a entrada do Saimon é pra liberar o Pará.
    Liberá-lo pra quê???
    Pra errar passes e cruzamentos?
    Boa piada essa!

  8. Não gosto do design dos produtos da Umbro.
    Parecem cópias mal feitas das grandes marcas.
    Foi comprada em 2007 pela Nike. Aqui no Brasil, compete com a concorrência por uma fatia maior do mercado, atendendo a um consumidor de poder aquisitivo mais baixo.
    No exterior, entre outros, atende alguns dos clubes ingleses. Aqui no Brasil, só clubes médios.
    Tem que ser um contrato muito bom mesmo para o Grêmio, que compense a aposta do clube numa marca cujo prestígio não é mais o mesmo.

  9. Não são 3 zagueiros, senão um treinador de verdade teria trocado tb o Pará por uma ala e na esquerda teria colocado o Zé Roberto ou até mesmo o Dudu.
    Saimon vai jogar como lateral mesmo, acreditem se quiserem!
    Seguimos no famigerado 4-2-3-1, sem um meia de verdade e agora com dois laterais que não sabem chegar no ataque.
    Não é por acaso que esse time tem que parir uma bigorna pra fazer um gol

  10. Pois é, eu já dava a Umbro como morta depois da desistência do negócio pela Nike.
    A Topper se mostrou uma ótima parceira nos últimos anos, nos modelos corretos das camisas, nas ações de divulgação e na liberdade que dá ao Grêmio para ter linhas de roupas secundárias, algo que o inter não tem tão forte com a Nike.
    Não sei como fica agora essa questão e se o valor compensa.
    Não vejo a Umbro mais como marca forte, depois que a Nike a matou, e duvido que possam ser tão parceiros como a Topper, apesar de estarem recomeçando a operação.
    Só sei que o inter já fatura 15 milhões/ano no atual contrato e fala em aumento para 18 milhões.
    Por quanto o Grêmio vai aceitar esse negócio?

  11. Boatos foram feitos para se espalhar. Então vamos a ele. Felipão será o homem forte do futebol. Um gerentão, supervisor, ou coisa parecida, e mais, é ele que vai comprar a Arena. Dá para acreditar neste boato?

  12. Vou apimentar o debate aqui no blog.

    Durante muito tempo os desafetos do gremista Paulo Odone criticaram – e com razão – a duplicidade de sua atuação: por um lado, político-partidária e, por outra, no exercício da presidência do Grêmio, o que no seu entendimento – à exemplo da história do cobertor curto – era prejudicial à boa administração do clube. Não se deve misturar política com o futebol, diziam.
    Hoje, se anuncia como possível candidato da situação o ex-deputado, presidente partidário e também gremista, Romildo Bolzan Júnior.
    Nada contra a escolha, que não é o motivo deste comentário. Acredito que seus pares devem ter motivos de sobra para indicá-lo como candidato.
    O que me surpreende é que o que antes era tido como um fator impeditivo para uma boa administração do clube, hoje é aceito com a maior naturalidade pelos mesmos que ontem viam esta prática como prejudicial.
    Antes que me acusem de “Odonista” ou “Anti-Koff”, deixo a questão para a reflexão de todos os gremistas que devem estar, assim como eu, sem compreender muito bem o porque desta aceitação unilateral.
    Quando se fala na “politicagem” que existe no clube, alguns torcem o nariz como se fosse intriga de alguém identificado com a oposição. Não é o meu caso.
    O que era condenável, hoje, parece não sê-lo. São os “casuísmos” da vida que volta e meia nos atormentam e que, infelizmente, já fazem parte da cultura clube. E durma-se com um barulho destes.

  13. O fato é que tanto a atual situação como a atual oposição são iguais. Só estão separadas por casuísmos.
    Mas as ideias são as mesmas, os fracassos são os mesmos, as más gestões se repetem.

  14. Eu falei que o pará não ia sair do time. Mas nunca espetava ver o saimon na esquerda. Esse enderson é uma anta.

    Mais um ano na fila se avizinha…

  15. Calma gente, não critiquem muito as coisas do Grêmio, senão vão ser chamados de secadores ou de que não são os verdadeiros gremistas.

  16. Obtive acesso sobre o que planeja a atual direção para as eleições:

    1) projeto de aquisição da Arena;
    2)projeto científico Alemão-Russo de formação de jogadores, com o aperfeiçoamento do projeto de captação e lapidar, onde a filosofia é formar homens e não ganhar títulos;;
    3)novo patrocinador da camisa: a empresa só acerta com a atual direção e o valor é inédito;
    4)novo grupo de investidores que injetará uma quantia inimaginável no futebol;
    5) investidor exclusivo para o CT de Eldorado;
    6) três jogadores no cofre;
    7) manutenção do executivo Rui Costa por todos os títulos que ele conquistou até o momento;
    8) modelo de reforma estatutária e de profissionalização, onde o Presidente passará a ser remunerado mensalmente;
    9) novo projeto para aumentar o quadro social;
    10) aperfeiçoamento do projeto que atualmente encanta os jogadores.

  17. Amanhã vou lá na Arena ver como ficou o “novo” Grêmio. Oxalá sejamos, todos nós gremistas, brindados com uma atuação convincente e alentadora. Mas, não basta somente a inclusão dos jogadores recém contratados. Espero que os ensinamentos da Copa tenham sido assimilados pelo nosso treinador e que finalmente, a equipe se apresente com dignidade, depois de um longo período de treinos e de preparação.
    Que o fiasco da seleção sirva como exemplo do que não deve ser feito. O futebol que esperamos deve ser um somatório de seriedade. jogo coletivo, competitividade e ambição. O jogo é na nossa casa e isso deve ser levado em conta, principalmente, porque em tese temos uma equipe mais qualificada.
    Gostaria de ver o treinador gesticulando e participando mais ativamente da partida. A sua imagem, de braços cruzados ao lado da linha lateral do gramado, foi uma das coisas mais “brochantes” que assisti na Libertadores e na primeira etapa do campeonato brasileiro.
    Enfim, vou esperançoso torcer mais uma vez pelo Grêmio, como faço “desde criancinha”. Afinal, a esperança – de gremista – é a última que morre.

  18. Caro Darcílio,
    A minha principal crítica ao deputado Paulo Odone era o exercício do mandato de presidente do clube com o de deputado estadual.
    Pelo que eu tenho conhecimento Romildo não concorre a cargos eletivos nessas eleições. Em princípio, penso que essa é a grande diferença. Se for candidato e eleito será apenas presidente do Grêmio.

  19. e o Bundiador meteu um gol de penalti, pra enganar outra torcida.
    Um coisa é certa, será campeão pelo Vasco, afinal, todos que saem daqui viram campeões.

    Mas hoje é dia de Grêmio, pra cima deles!

  20. A entrevista do Enderson ontem foi lamentável. Fica claro que o pensamento é manter no time os principais furos.
    Citou inclusive que Pará, quando não jogar na direita, será deslocado para a esquerda, pois é “fundamental ao grupo”.
    É o predomínio da mediocridade!!
    Ele não consegue enxergar uma opção mais equilibrada, um volante como Ramiro ou Biteco fazendo a ala, já que vai colocar o Saimon na esquerda pra fechar.
    Ou o contrário, Saimon na direita e um ala na esquerda, seja Zé, Biteco, Dudu.
    Não vou nem citar o tal Matias Rodriguez, que veio fazer turismo no Brasil e será reserva até seu contrato acabar.

    Enderson não sai da mesmice, diz que a Copa do Mundo trouxe mudanças significativas, mas continua pensando como um burocrata, repetindo os problemas do time.
    Monta um time que tem dificuldade visível de sair jogando, com jogadores que mais destroem do que constroem. Não é por acaso que não fizemos gols nos últimos 3 jogos.

  21. O Gremio acaba de adquirir um software, que é utilizado pela seleção alemã. Agora vai. Parece que este softwarer é tão bão, mas tão bão, que é só ligar que o Barcos começa a meter gol e as categorias de base então nem se fala, parece que os guris vão ganhar todos os grenais. A grana, então vai rolar e não precisa mais nem inventar aquela história do Kofre. O software resolve tudo.

  22. bom, eu não vou cornetear software.
    É uma ferramenta e, como qualquer outra, pode auxiliar no trabalho, desde que bem utilizada.
    Faz bem o clube ao abrir a mente para o que há de inovação no futebol, mas precisa mais do que nunca capacitar cada vez mais os funcionários do clube e profissionalizar a gestão.
    Isso dá resultado sim!

    Porém, mais do que software, o Grêmio precisa investir em uma cultura de futebol, resgatar a sua cultura de formar jogadores e montar times competitivos.

  23. Sera que foi o tal software da empresa alemã SAP que indicou a manutenção do Pará e a improvisação do Saimon nas laterais…kkkkk.. Falando sério não sei porque a necessidade de apresentar o tal software com toda a pompa..se é tão revolucionário assim porque o gremio não o utiliza em segredo e aproveita este diferencial competitivo??? Com a divulgação outras equipes tambem se utilizarão desta ferramenta e ficará tudo nivelado.

  24. Meu caro Arthur!

    – Falei na generalidade, sem citar nomes, porque respeito as opiniões e as preferências de cada um.
    Romildo Bolzan Junior é presidente do PDT gaúcho e até prova em contrário, como líder maior da agremiação trabalhista, participa ativamente da vida política de seu partido, do estado e do país, embora não ocupe cargo eletivo o que, para mim, não altera em nada o que penso a respeito do assunto.

    – O Grêmio está dividido por questões pequenas no meu modo de ver. A “briga” pelo comando do clube tem colocado em posição antagônica gremistas históricos, o que tem contribuído, de forma contundente, para a criação de um clima de hostilidade, que gera um somatório de conflitos que só servem para desqualificar a disputa e comprometer a imagem da instituição.
    A cada eleição, mais os ânimos se exaltam, a ponto de questões de real interesse do clube darem lugar aos ataques pessoais.
    Procurei, no post anterior, relembrar um dos tantos “casuísmos” recorrentes no clube, uma vez que o motivo do meu comentário foi chamar a atenção para a repetição do fato, desta feita, pelos que condenaram a sua prática.
    Ser abnegado, equânime e honesto no trato das coisas do clube não são virtudes, são obrigações dos dirigentes.
    O Grêmio que todos nós almejamos tem que mostrar bons resultados dentro e fora do campo.
    Para isso, é preciso haver união, planejamento, competência e muito trabalho. E, para voltar a ser top de linha e multi-campeão, é preciso ter “ESTRELA”. Este é o “plus” que faz a diferença.
    Posso ser uma opinião isolada, mas, não vejo no cenário atual da disputa, um candidato com a real condição de promover uma mudança radical no “meismo” que tomou conta da instituição e que não nos estimula a encarar com mais otimismo o que vem pela frente.
    Mas, fazer o que? Sou gremista e, nos bons e maus momentos, isso me basta.

  25. Achei que fosse uma brincadeira.

    Mas o GRANDE evento irá se resumir a um software.

    Eu achei que eles iriam importar equipamento para treinar a ruindade dos fundamentos de alguns atletas.

    A Globo apresenta os dados de graça.

    O Pará será sempre titular segundo os critérios do software.

    Todo planejamento passará pelo software.

    Agora, as invenções do Enderson e dos demais treinadores terão uma justificativa lógica.

    É normal o treinador chegar para a imprensa e dizer:

    “-vocês não conhecem os números”.

    Com o software, o discurso será:

    “- Vocês não conhecem os dados enviados pelo software. Os jogadores estão jogando por critérios científicos enviados pelo software”.

    O repórter questionará:

    “- O jogador “x” vem arrebentando em todos os treinos. Por que ele não vem sendo escalado, nem no banco fica?

    Treinador e o seu software:

    – “O jogador ”x’ não apresenta o padrão de exigência do software. Ele está muito aquém daquilo que o software recomenda para um atleta. Se vocês da imprensa, que nos usam, soubessem dos dados, dariam-nos razão”.

    Eu queria saber quem é o gênio que está dizendo que isso revolucionará o futebol do Grêmio.

    Se for o Presidente, é caso de internação com camisa de força. O Presidente só pode estar senil.

    Esqueceu que o Grêmio não precisou de software para vencer duas Libertadores, um Mundial e todos os outros grandes títulos da sua história.

    Jogador que vem para o Grêmio e é direcionado à base, ele evolui fisicamente, mas tecnicamente não.

    E é essa preocupação que o dirigente tem que ter.

    O jogador jovem precisa vir e se desenvolver tecnicamente também.

    Eles ficarão preocupados a manter o software atualizados.

  26. Se o SOFTWARE pega um vírus, o que será do futebol do Grêmio??

    Beira ao ridículo tal divulgação. E os caras sentem-se orgulhosos por isso.

    quando perderem um campeonato, dirão que a culpa é do sistema.

  27. Por que o Grêmio pagará um software por um valor de R$ 3,5 milhões se seria mais barato pagar um hacker e “craquear” o programa ?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.