Que Fim Levou O Telão?

Em 17 de outubro de 2009 efetuamos um post apresentando em primeira mão o novo equipamento instalado no Estádio Olímpico Monumental, order O  TELÃO.

O equipamento moderno, there contando com tecnologia de LEDS foi instalado e permaneceu no Estádio Olímpico por apenas 03 jogos, sendo que no último os torcedores que lá estiveram puderam acompanhar a transmissão de diversos momentos do jogo de forma simultânea.

Mas o telão durou pouco.

Temos certeza de que a reinstalação do equipamento ou mesmo de outro do mesmo porte irá suprir essa lacuna hoje existente em termos tecnológicos no Estádio Olímpico.

Leia o post em: http://sempreimortal.wordpress.com/2009/10/17/telao-placar-onde-no-olimpico-monumental/

Participe da discussão

53 comentários

  1. Depois de muito ter assistido a shows de rock e de acompanhar pela TV telões nos estádios de Inglaterra, Alemanha, Portugal, Espanha e outros países do Primeiro Mundo econômico da bola, concluí que:

    1) Muitos esqueceram de que aquele telão do Olímpico foi oferecido apenas para um curto período de testes. O Kiko Balestrin estava trabalhando junto à empresa do telão naquele período. A informação vinda direta dele deve responder a essa questão;

    2) Como o Olímpico possui uma marquise muito estreita e o pé direito do estádio é muito baixo, achei que aquele telão distraía muito mais do que informava. O ideal seria que fosse como no Maracanã, onde há dois placares luminosos estreitos, bem no meio do campo, um de frente para o outro;

    CONCLUSÃO: Publicidade animada em grandes dimensões e mal posicionada nos estádios é altamente intrusiva (quem não quer é obrigado a assisti-la de qualquer forma) e distrai. Não é uma forma positiva de faturamento.

    []’s,
    Hélio

  2. Muita coisa foi prometida e poucas foram realizadas, exemplos: Os sócios, a partir de agosto do ano passado, iriam receber uma revista mensal. A fachada externa das sociais seria revitalizada e pintada(em alguns pontos o tijolo está a mostra).
    Tá difícil….

  3. André, sem Peixoto,
    tú é o mesmo do Al Disney ? Se és então toma o rumo do Julio Trindade, do Tequila ! A propósito, aquele amigo do Guerrero que apareceu por aqui, um tal de Berwanger, era do MGI, que fim deu ? Entrou com uma tesão imensa, fez uma auto promoção, elogiou o Guerrero e sumiu. Aonde anda ? Por sinal o André Al Disney já deixou em diversas linhas claro que gostava do Guerrero ou pelo menos se inclinou a defendê-lo aqui.
    E a minha querida amiga Karen, amiga mesmo, encheu de ouvir algumas bobagens dos Julios da vida, que parece agora deixou o André Burrinho de substituto e largou o jogo. Volta Karen era uma das poucas mulheres daqui, como a Karla que também não veio mais.
    Aonde está o telão ? Na casa do André Al Disney vendo, como o João falou no outro post, A BRANCA EVA E OS SETE ANÃO.

  4. Segundo o ANDRÉ BURRINHO,
    não seria A VÁ TAR ?
    Sacanagem com o cara, ele quis fazer uma homenagem ao mundo oriental, e emprestou o AL ao Grande Disney. No dicionário dele tem:
    AL BERTO
    AL MERINDO
    AL MIR
    AL FREDO.
    Sacaram ? Vcs são muito maldosos !

  5. mas o que ele disse, se é verdade que prometeram mesmo, é sério. eu não lembro dessas promessas, mas se prometeram deviam dar satisfações de porque não cumpriram. mas o andré deveria lembrar, também, todas as promessas feitas pelas outras direções que ficaram só no papo. seria mais juntos, não acham?

    e, desculpem falar, sei que esse andre foi ofensivo, mas descer ao nível dele não acho legal. deixa ele falar bobagens, uma hora cansa, mas não precisamos ficar baixando o nível junto com ele, c AL ma gurizada!

  6. Me pergunto seguidamente que tipo de caráter tem o sujeito que entra ofendendo os outros.

    Não diverge de idéias. Entra ofendendo.

    O pior é que ofenda pessoas de reconhecida dedicação e o ofensor ninguém sabe quem é.

    Caraterzinho, hem!!!!!!!!!!!!!!Ou total falta de…

  7. aquele telão foi pirotecnia para mostrar um serviço que não existe de um marketink inoperante. como uma semana depois todo mundo esquece das coisas recolheram o telão, pois ja tinha aparecido na midia a ação. ou ja recolheram, pois vão demolir o olimpico e se deixarem o telão ali ele vai ser detonado junto.

  8. Quanta crítica pela crítica.
    Quanta disputa de beleza.
    Quanta tentativa de consagração com a idéia alheia.
    Quanto espírito destrutivo.
    Quantas nulidades e inutilidades invejosas.
    Quantos ciumentos e ressentidos.

    E, também, quantos dedicados, inteligentes, cultos, interessados, profissionais abnegados ou abnegados profissionais, reconhecedores dos méritos alheios.

    Assim segue a caravana. E também a Comédia Humana.

  9. E quanta abobrinha.
    Perda de tempo com assuntos secundários e desprezíveis.

    Aos vários comentaristas de qualidade, com abordagem profunda dos temas de interesse, MEUS RESPEITOS! MINHA ADMIRAÇÃO!

    AOS DEMAIS, com todo respeito, reciclem-se e se espelhem nos comentaristas de qualidade. Ou então façam voto de silêncio.

  10. Diego, desculpe me meter onde não sou chamado. Se aqui só tem gente desse naipe, pq tu ainda segue lendo e postando?
    Abraçoss

  11. ANDRÉ PEIXOTO.
    Não leste direito. Reproduzo

    E, também, quantos dedicados, inteligentes, cultos, interessados, profissionais abnegados ou abnegados profissionais, reconhecedores dos méritos alheios.

    Diego Disse:
    06/02/2010 às 10:46
    00AVALIE

    Aos vários comentaristas de qualidade, com abordagem profunda dos temas de interesse, MEUS RESPEITOS! MINHA ADMIRAÇÃO!

    AOS DEMAIS, com todo respeito, reciclem-se e se espelhem nos comentaristas de qualidade. Ou então façam voto de silêncio.

    ESTOU FAZENDO HOMENAGEM AOS COMENTARISTAS DE QUALIDADE. ACHO QUE NÃO TE INCLUIS ENTRE OS CRITICADOS (crítica de comportamento e nunca pessoal)

  12. De qualquer forma, antes de outro berro, se não ficou claro no comentário fique, então, agora.

    Considero a maioria, aqui, entre os de qualidade. Não se sintam, pois, atingidos.

    Alguns poucos, mas com enorme espírito destrutivo (quanta! quanto!) tem o comportamento criticado pelos meus comentários.

    Tomei como fato concreto as críticas despropositadas ao ilustre Carlos Josias e ao não menos ilustre Hélio Paz. As críticas pessoais preconceituosas contra o Presidente (não que não possa ser criticado, pode e deve, mas sempre com o respeito à figura institucional do Presidente) e assim por diante.

    Sem prejuízo de crítica ao contrário. Com argumentos que nos permitam refletir, aprender e nos aperfeiçoar. Que não existem, com certeza, na cabeça dos ofensores e destruidores.

  13. Raul
    Um tema simples, corriqueiro: a colocação de um telão demonstrativo, experimental, gratuito.

    Aí, esgotado o prazo, coisa normalíssima em qualquer administração, vem uns malintencionados transformar em críticas pessoais a A ou B. Como se fosse um crime e náo uma ação experimental, provisória, positiva. Será que precisa explicar os motivos? Me constrangeria.

  14. O Diego tem razão: tem muitos (ou alguns) muito burros e malintecionados.

    Não se dão conta do ridículo ao qual de expõem. Não importa que sejam fakes. Pelo menos pros que têm alguma consciëncia.

    Não estão contaminados pelo vórus da marginalidade.

  15. Amigos tricolores,

    Creio que a ideia do post tenha sido a de – mais uma vez – questionar ações incompletas, insuficientes ou mal feitas do marketing. Sei que a empresa de publicidade animada proprietária do telão possui alguma relação com o Kiko Balestrin, filho de um ilustre conselheiro e também gerente do Museu do Esporte no Shopping Total. Todas as informações que obtive davam conta de que o telão teria sido cedido sem custo e apenas em caráter experimental para os três últimos jogos do Grêmio em casa pelo Brasileirão 2009.

    O telão esteve lá por dois e não três jogos.

    Percebi um péssimo uso do switch das câmeras da TV Grêmio para os telões. Também houve falhas, pois a imagem parece que era gerada por computador e o sinal caía, mostrando a tela azul do Windows assim como ocorre também com quaisquer projetores e telões superaquecidos ou mal configurados.

    A publicidade era intrusiva. O número de anunciantes era pequeno. Então, as imagens eram demasiadamente repetitivas. Como já citei em um comentário anterior, o tamanho e o posicionamento daquele telão no estádio ofereciam uma atração intrusiva e amadoresca.

    Funcionando ou não, o uso daquele equipamento foi muito amador. Faltou dedicação.

    No mais, talvez o calor esteja afetando o cérebro de alguns, tornando-os irritadiços. Chuveiro, piscina e mar para todos! ;)

    []’s,
    Hélio

  16. acho que nós estamos aqui nesse blog com um potencial muito grande, uma riqueza de ideias e por falta de fluxo das mesmas para a prática acabamos ensebando com discussões entre nós mesmos.

    John Lennon já escreveu ( já q temos um Ringo poraquí )referindo-se ao nowhere man ou zé-povo nesse caso o torcedor-comum:
    ” the world is at your command ”

    podemos estabelecer uma agenda de produção de ideias e soluções e apresentar a direção. acho que o item Marketing seria o primeiro.

    cbimbi

  17. ANDERSON: concordo plenamente!

    CESAR: nosso diretor de marketing não dá bola. Em uma reunião do Exército Gremista e em um Encontro com o Torcedor, fiz algumas sugestões. Boas ou não, com ou sem impedimentos legais (que eu desconhecia e, portanto, precisava mesmo conhecer para poder polir as propostas), ele disse algo que considero preocupante:

    – Se tu soubesses o que a gente recebe de ideias…

    Enfim… Parece que não leem os e-mails. Aí, ficam só contabilizando o faturamento de produtos licenciados c/trocentos tons de azul diferentes e acham que uma réplica do Olímpico invertida é “apenas uma representação”.

    Mas a culpa disso é a negligência do investimento e da dedicação correta que a pasta merece.

    Vem de cima.

    []’s,
    Hélio

  18. NO ANO DA GRAÇA DE 2003 foi trazido talvez o maior guru de BRANDING do Brasil para uma palestra no Grêmio. Vou descobrir o nome.

    GRATUITAMENTE pois ele era contratado de uma empresa… vinculada a um dirigente (aliás essa empresa ascendeu fantasticamente em branding e posicionamento e resultados comerciais e market share e …)

    Foram convidados Diretores, Empregados, Conselheiros.

    Sabem quantos apareceram?

    Eu não sei, mas sei que foi gente infinitamente inferior â importância do evento.

    Resultados: aqueles olhares atravessados, sorrisos de Mona Lisa, irônicos de quem não entendeu nada.

    Pelo que me contaram, vãrias das maiores empresas brasileiras ( das maiores mesmo) deram saltos fantásticos com a assessoria dessa consultoria de BRANDING.

    Parece que o único que sabe o que é branding, aqui, é o Hélio. Será que alguém lá do Grêmio sabe?

    Bem, até pouco tempo a maioria dos altos dirigentes confundiam marketing com publicidade. Outros com vendas.
    Daí elegeram um publicitário dizendo que seria o grande guru e alavancador do marketing.

    Segundo esse meu amigo – que entende – não funcionou.

  19. Além do telão que desapareceu sem dizer a que veio, por onde anda o Bernardon?
    Alguém sabe, alguém viu? Será que desapareceu no meio desse calor infernal?

  20. Helio!
    Essa mesma frase ( se tu soubesse o que chega de idéias … ) eu já ouvi lá no Costela e me decepcionei muito. Revela um amadorismo fora de epoca…

  21. Estou começando a suspeitar que ninguém sabe mesmo o que é “branding’.

    Isso aí aconteceu no Grêmio, gente. Há 7 anos. Estamos na 4a. gestão e nada andou.

    Alguém teria como me explicar?

    Uma palestra, no Grêmio, sobre BRANDING, há 7 anos, com um renomado especialista? Me belisca.

    Alguém me soprou a que a iniciativa não foi do D. Kroeff (então vice-de marketing, pacheco Diretor), mas ele se interessou. Chegou a pedir e a receber da Top Brands uma proposta de trabalho.

    Teria faltado verba considerado miserê?

    O assunto morreu.

    Já imaginaram o Grêmio com um trabalho cumulativo de 7 anos com especialista reconhecido de branding? Já pensaram o estágio ao qual teríamos chegado?

    Mesmo que tivesse começado com uma “verbazinha” e aumentando aos pouquinhos…

  22. Se aparecer um “pai da criança” que não despertar nem ciúmes nem invejas a coisa anda.

    Superada a ignorância específica (tomem, por favor, como falta de conhecimento da especialidade) que não é vergonha para ninguém. Só é vergonha bloquear por não conhecer.

  23. Aliás, depois de toda essa minha pesquisa, não vou perder o resultado.
    Vou procurar algum dos blogs gremistas para publicar essa história com começo, meio e fim e dando nome aos bois.

    Que tempo vai levar? Não sei. Mas espero encontrar alguém (algum) com visão suficiente para perceber que estamos tratando de um tema vital.

    Meu “Deep Throat”me passou informações do arco…

  24. Uma coisa que aprendi cedo (graças ao bom Deus):

    Os sábios e cultos hesitam em ensinar aos outros por humildade diante do famosos pensamento grego: a única coisa que sei é que não sei nada.

    Já os grossos, ignorantes, medíocres estão sempre querendo ensinar tudo (principalmente o que não sabem) pra todo o Mundo (principalmente pros que sabem mais do que eles os pretensiosos ensinadores).

    :D

  25. José,

    Concordo contigo em relação à necessidade imediata de obter-se uma parceria em branding. No entanto, é um trabalho que toma muito tempo, envolve muita gente e custa muito, muito caro. Nesse sentido, dentro da equipe que ofereceu um planejamento de marketing DE GRAÇA para o clube a partir de um trabalho de três meses cujo valor poderia ser medido em ouro me parece ter faltado alguém de branding diretamente envolvido com o projeto.

    Eis uma explicação simples de branding: http://webinsider.uol.com.br/2008/07/15/mas-o-que-e-branding-afinal/

    []’s,
    Hélio

  26. O Grêmio já partiria com uma extraordinária vantagem (vale em geral para os Clubes) que as outras marcas buscam afanosamente: a fidelização do cliente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.