Por um Grêmio com menos VEJA BEM

Direto do Blog do Mosqueteiro. – http://blogdomosqueteiro.blogspot.com.br/

Saudações Tricolores.

Nesta semana acompanhamos o lançamento da candidatura do conselheiro Homero Bellini ao cargo de Presidente do clube, decease em pleito a ser disputado ao final deste ano.

Em que pese as suas qualidades, as quais reconheço, preocupa-me algumas inconsistências entre suas declarações. E eu lanço um olhar sobre elas.

No dia 25 de julho, portanto há apenas pouco mais de um mês, logo após o anúncio da parceria firmada entre o Grêmio e a SAP em 17 de julho, cuja forma e conteúdo estão aqui apresentadas, o candidato Homero minimizou o fato em um artigo publicado em Zero Hora na coluna “De Fora da Área”. Homero afirma ao final que ” Um chip na caneleira, ou um sistema de informática, não resolve o problema do futebol”.

Hoje, 27 de agosto, já como candidato oficial, Homero Bellini volta a brindar os leitores com novotexto em Zero Hora, porém com outro viés. Ainda que considere que “os abnegados devem existir”, diz Homero que “quem executa são os executivos. Esses serão profissionais de grande qualificação, bem remunerados e cobrados pelo atingimento de metas, como em qualquer grande empresa. O Grêmio é uma grande empresa”.

Ora, candidato Homero, uma grande empresa não pode prescindir das melhores ferramentas de gestão. Ainda mais se esta pretende contar com grandes executivos.

Ademais, Homero Bellini representa o Movimento Grêmio Independente, cuja bio do Twiiter informa: O MGI defende a profissionalização, modernização e democratização do clube.

Espero que o candidato não tente montar uma equipe profissional com lápis e papel como instrumentos de gestão. E que – caso eleito – dê seguimento a esta importante conquista da atual gestão, a utilização de um software de primeira linha da SAP.

Há muito me incomoda a postura do VEJA BEM, venha ela de onde vier e de quem vier.

No momento em que um projeto de modernização é levado adiante pela atual gestão, o que “importa é só o futebol”, mas como promessa de campanha, aí sim, valerá modernizar o Grêmio e tratá-lo como grande empresa.

Sobre Luis Felipe Scolari, o canditado Homero Bellini também fez valer a tática do veja bem.

No dia 29 de julho, quando da oficialização da contratação do novo técnico, Homero Bellini concedeu uma entrevista ao Nando Gross na Rádio Guaíba, criticando a contratação do técnico. Revelou ser grato ao Luis Felipe, porém acreditava que não era o momento para ele vir para o Grêmio. Confesso que tenho imensa curiosidade em saber qual seria o treinador da sua predileção.

Pois no dia 25 de agosto, data do lançamento da candidatura, o candidato Homero afirma com todas as letras à imprensa em coletiva: “O Felipão é um grande treinador, está nos fazendo decorar uma escalação novamente e fazendo um grande trabalho”.

Certamente o candidato Homero vai ocupar mais espaços e utilizar seus apoiadores para explicar-nos que tudo não passou de mal-entendidos ou então que mudar de opinião é algo salutar – em que pese a velocidade com que isso ocorre.

Já havia me manifestado que estamos novamente na época da RECICLAGEM dos panfletos de campanha antigos, com uso extensivo do CTRL-C e CTRL-V vestidos com novos slogans e frases de efeito. E digo isso no sentido geral pois é mesmo prática recorrente.

Tenho amigos que militam no projeto @GremioPorTodos.

Espero sinceramente, ao apontar estas incoerências, que eu não seja taxado de raivoso e sim que eles as analisem e influenciem suas lideranças para comportamentos e declarações coerentes, independentemente do desejo legítimo de qualquer gremista em candidatar-se à Presidência.

Digo não ao vale-tudo pelo poder e tenho certeza de que eles também.

Antonio Dutra Junior
Conselheiro do Grêmio.

A Gerência
Sempre Imortal, o blog da torcida GREMISTA!

Participe da discussão

13 comentários

  1. Referente ao programa SAP, na minha opinião, serve como sistema de avaliação. Os alemães qualificaram o trabalho de base. E esse trabalho já é antigo. Ora, por que a gestão Koff não falou alguma coisa na campanha eleitoral contra Odone e Bellini?

    Então, não adianta ter um programa que diz que o jogador “x” erra 30 passes em média por jogo, se não há trabalhos específicos para fazer o jogador errar menos.

    O clube está colocando muita grana num programa que registra dados.

    Quem assumir o Grêmio terá que trabalhar com o programa, caso contrário o clube colocou dinheiro fora e as pessoas deveriam ser responsabilizadas.

    Pouco importa o que dirão os candidatos a respeito do programa.

    Vou aguardar as propostas dos candidatos. E se o departamento de futebol não for previamente anunciado, nem comparecerei para votar.

    A gestão Koff fracassou no futebol.

  2. eu achei muito bom o texto, em época de campanha só faltou o autor citar o “esqueçam o que eu disse”… é bem assim mesmo, uma coisa é o discurso, outra a retórica.
    Mas com relação à ferramenta SAP, na ocasião dei inteira razão a ele, Belini, pois não adianta botar chip em perna de pau. SAP também não resolve se o cara que vai ler o relatório dos dados entende pouco de futebol.

    Mas isso não significa que ele tenha dito que não se devam utilizar ferramentas e o que for para profissionalizar o departamento de futebol.

    O resto, é mais do mesmo… os candidatos se repetem e, como dizia Lavoisier, na natureza nada se cria, tudo se transforma.

    Uma pergunta: o autor é conselheiro eleito por qual grupo?
    Outra: o que é o projeto @gremioportodos?

  3. Mal a candidatura Bellini foi anunciada e começou o bombardeio. Mas, como dizia o hilário presidente do Corinthians, Vicente Matheus: “quem está na chuva é para se queimar!”. Não sei ainda em quem votar pois, até agora, só há uma candidatura na rua. Outras virão. Quem sabe, para tentar a remissão por incoerências passadas ou para tentar nos convencer, mais uma vez, que incoerência é sinônimo de “convicção”.
    É tempo de eleição e nessa hora vale tudo para amealhar o poder. Até iludir – com a maior cara-de-pau – a boa fé do eleitorado. Assim tem sido nos discursos e nas promessas de campanha. Nós, somos o alvo, os “bode expiatórios” das incoerências que tradicionalmente assolam o Grêmio no dia-a-dia de cada mandato. Infelizmente esta tem sido a prática corrente no clube e tudo em nome do poder. E o futebol? Bem, isso é assunto para depois da eleição, né?…

  4. A BRINCADEIRA IRA COMECAR e ira ” CONTINUAR ” OK ! E NO GREMIO , NADA e 1 GRUPO POLITICO novo E QUALIFICADO empresarialmente = ( VISAO ) . para colocar o GREMIO nos TRILHOS neeeeeeeeeeeeeeee !

  5. O problema não é a formatação do projeto, mas executá-lo.

    Em relação ao texto, eu gostei.

    Todos os candidatos usarão a expressão “Veja bem”.

    Todos direção que possuem um projeto inovador.

    Todos farão referência ao Barcelona e a Alemanha.

    Todos dirão que o Grêmio precisa de união.

    Todos dirão que precisamos de títulos.

    Todos pretender profissionalizar o clube. E por aí vai.

    Eu percebo que entre a entrega de bastões, as figurinhas que cercam o futebol são as mesmas (Meira, Pelaipe, Krieger, AVM, Rui Costa). Não coloquei o Chitolina ou o Salomão porque eles são novos.

    Os resultados são sempre os mesmos, pois as figuras são as mesmas.

    Durante essas gestões o Grêmio não ganhou grandes títulos e fracassou em todas as competições mais importantes do que o ruralito.

    Estamos num círculo vicioso de nomes. Se a turma do Odone vencer, volta Pelaipe. Se a turma do Koff vencer, continua Rui Costa. E por aí vamos.

    Não existe técnico que salve ou mude a situação. O Grêmio poderá queimar mais um ídolo, Felipão. Então, é preciso colocar um vice-de-futebol que tenha um perfil forte e que entenda de futebol.

  6. Time vagabundo esses macacos. So o gremio para perder para esses merdas e valoriza esse time deles de merda. Até quando vamos nos acadelar para eles?

    1. Bueno, vamos continuar acadelado enquanto um dirigente como Rui Costa ficar num canto tremendo por causa do Grenal. Isso foi o que a imprensa relatou. Que antes do último Grenal, ele tremia.

      Então, a falta de coragem é passada para os jogadores.

  7. Sonho com um clube com profissionalismo, competência e consistência. Que mantenha a dívida baixa, que monte elencos fortes, que consiga fazer caixa, que ganhe títulos importantes com frequência, que valorize o torcedor. Não peço nada impossível.
    Chega de demagogia, chega de falar da grandeza do Grêmio só pra inflamar o ânimo e o orgulho da massa torcedora, chega de um time que possui apenas picos passageiros de ascensão a cada década. O Grêmio pode mais. Pode resgatar sua identidade e pode aprender a ser vencedor de outras formas também. Pode aprender com seus erros, pode aprender com os erros dos outros, com os acertos dos outros e pode também inovar com seus próprios acertos.
    Não entendo bulhufas da politicagem do clube, mas isso me cansou. Nosso pior período foi-se há quase uma década. Voltamos, ameaçamos dar a volta por cima, tropeçamos em alguma pedra no caminho do topo e estagnamos. Meio que esquecemos que não ganhamos nada para mostrar que voltamos e nos contentamos em zanzar na elite, em ser uma poderosa ameaça de vaga na Libertadores. Em relembrar as glórias do passado, em sermos para sempre saudosos, como se não pudéssemos repetir nem superar. E assim nos conformamos. Voltamos à mesmice, estamos confortáveis com ela.
    Esquecemos as lições que o futebol tem nos ensinado na última década. Gerenciamos problemas ao invés de procurarmos soluções. O fato novo (que instiga atitudes, soluções, mudanças) que foi a série B para nós já se tornou, novamente, fato antigo. Parece que perdemos a oportunidade de mudar, até que outro fato novo apareça. Não o acho necessário para que possamos injetar novo ânimo no clube, porém o ser humano é falho, dependente, esperançoso e acomodado. E nós, há mais de uma década, temos sido, mais do que ninguém, humanos.

    1. Concordo. O único adendo que faço é na questão das dívidas financeiras baixas. Sonho com um Grêmio forte e sempre com superávit. Um Grêmio equilibrado financeiramente com poder de investimento patrimonial, além do futebol.

  8. Impzone!

    Destaco, em especial, esta frase do teu comentário: “gerenciamos problemas ao invés de procurarmos soluções”. É isso aí. O Grêmio perdeu a ousadia. Hoje, se contenta com a mesmice. Nada de novo no horizonte tricolor. Vivemos empurrando com a barriga problemas que se arrastam gestão após gestão, numa evidente falta de disposição e criatividade para resolvê-los. Como bem dizes, o torcedor vive na expectativa de um fato novo que tire o clube da comoda rotina de “zanzar na elite” e, acrescento, “morrer na praia”. Muito bom o teu texto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.