O que é o grenal?

Não há nada mais gaúcho que grenal, dizem. Mas o que é o grenal?

O grenal é mais do que vencer, é derrotar o inimigo, é vê-lo destruído, mesmo que uma eventual vitória do outro não te atingisse (tu nem estás jogando aquele campeonato). Muitas vezes eu ouço ou leio que não somos inimigos, somos adversários. Discordo! O grenal nos tornou inimigos, nos tornou monstros incapazes de compreender o que é união, do que é ser vencedor por si só. Não conseguimos.O grenal nos torna sórdidos!

Não existe a ideia “a grandeza de um faz a grandeza do outro”. A competição faz crescer? Evidente, mas não se trata de competição, se trata de uma espécie de guerra e essa guerra vai muito além do campo. Ela toma a sociedade, a política, ela destrói nossos jovens que vivem mais para apedrejar uns aos outros pela grandeza do seu time que para estudar. Afinal, parece feio estudar em tempos que um governo doa terreno para clube de futebol e não consegue pagar os professores em dia. Nunca vi nada de bom que viesse do grenal. A grandeza do grenal é uma mentira repetida a exaustão. O reflexo social desse comportamento é tão forte e enraizado que a maioria nem percebe. Olhem os debates políticos e governos que se seguem, vivem mais de destruir o que faz o outro do que fazer algo de fato. É um eterno desmanche! O grenal é a causa e a consequência da nossa absoluta falta de bom senso, da falta de percepção com o outro, da nossa falta de educação.

É cansativo demais ouvir e ler sobre o nosso futebol gaúcho, é uma eterna derrota social ver pessoas que não sabem fazer uma calçada e não souberam administrar um aeroporto tentando falar e impor seriedade sobre um jogo. Futebol não é mais que um jogo, ele é só um jogo e se você discorda disso, te falta leitura e, principalmente, noção mínima de educação.

Vamos para grenais na Libertadores, o Rio Grande vai parar, dizem, e acho que isso diz muito sobre o Rio Grande. Sei lá…

Anderson Kegler

Participe da discussão

1 comentário

  1. Sempre pensei nisso… No lado do futebol, Grêmio e Inter sempre querendo afundar um ou outro enquanto Corinthians, Flamego e outros times Rio-São Paulo ganham todo o protagonismo no país e no mundo, incluindo aí melhores jogadores e dinheiro no geral.

    Acaba que ambos da dupla trabalham numa camada inferior, tendo que contar com jogadores que não foram aproveitados pela camada superior ou raros que se apegam emocionalmente ao clube e deixam de lado propostas melhores. Ainda assim, a dupla tem um histórico impressionante de conquistas, mas imagino como seria se ao invés de querer se afundar os dois clubes se ajudassem mais.

    No lado social, já me perguntaram em entrevista de emprego se eu era gremista ou colorado e dei sorte de quem perguntou também ser gremista, imagino que teria perdido a vaga caso contrário. Muitos achando que corneta é saudável, quando na verdade é uma violência e, como qualquer violência, gera muita consequência ruim.

    Faz tempo que isso perdeu a graça pra mim. Antes, ficava feliz de ver o Inter perder e fazia graça com amigos e familiares colorados até que um dia me caiu a ficha do quão idiota e não empático essa atitude é: Rir de amigos e familiares amados enquanto eles estão tristes, sendo que sei muito bem o quanto a tristeza de ver teu time perdendo dói. Qual a graça nisso?

    Infelizmente, isso ainda é a regra e no geral as pessoas ainda preferem viver focadas nesse tipo de babaquice, se degladiando numa guerra sem motivo, sem vitoriosos, sem nexo, enquanto, como tu bem falou no texto, governantes seguem fazendo o que bem entendem.

    Panis et circenses…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.