Feitoria amigos tricolores.

173 (1)

Podcast do MBG de volta na edição 173. Podcast depois da decepção que foi o GREnal 408, click com Fane Webber, Anderson Kegler e Rodrigo de Azevedo.

Comentamos sobre o jogo, o que achamos de errado e de bom(?), um pouco sobre o que sabemos que aconteceu com a torcida do Grêmio no deslocamento e cagamos teses juntos com a leitura de alguns comentários.

 

Ouça e espalhe a palavra do Mesa de Bar do Grêmio!!

Se quiser, faça o download do programa clicando aqui com o botão direito e escolhendo salvar como.

Participe da discussão

10 comentários

  1. Mimimi tem viagens mto longas, mimimi tem o River no caminho, mimimi a Copa do Brasil é mais fácil… Final da Sula é Santa Fé x Huracan, e o Grêmio de novo desprezou essa competição.

  2. Se o Grêmio tivesse jogado a sula teria sido desclassificado, targa, tu sabe disso.

    A turma do monza 95, do centroavante aipim, de jogar por uma bolinha e por uma metida do maestro pifador ia prevalecer de novo e iríamos cair sem dar um chute a gol, igual a CB de 2013.

  3. Concordo que se o New Grêmio Generation tivesse escolhido a Sulamiranda também teria sido desclassificado. Enquanto não for mudado o estigma de covardia da instituição será assim ad eternum.

  4. O futebol de hoje em dia, de velocidade e movimentação constante, exige atacantes ágeis e versáteis. Na Europa, temos os exemplos dos grandalhões Ibraimovich e Levandowski, que se movimentam a todo instante e que estão presentes nas duas áreas.
    As equipes que ainda se utilizam do centroavante fixo, o chamado “aipim”, principalmente quando o jogador carece de habilidade, e se submete à marcação dos zagueiros, tendem a comprometer todo o seu esquema de jogo, facilitando a ação do sistema defensivo adversário. O Grêmio tem poucos jogadores acima da média: Grohe, Geromel e Luan e, talvez, também Wallace. Os demais são medianos e tem como característica alternar bons e maus momentos na mesma partida. Eventualmente fazem uma grande jogada o que lhes garante a permanência na titularidade. Em suma, não conseguem manter uma regularidade aceitável.
    No Grêmio, é visível e compreensível a sinuosidade das atuações da equipe. Numa equipe de onze, é impossível que quatro “andorinhas” façam verão. Não temos estruturada, na equipe, a chamada “espinha dorsal” ou, se quiserem, o “esqueleto”. Temos necessidade de mais um zagueiro, um meia de ligação moderno (enganche) e um atacante de movimentação com faro de gol, para se juntar ao Luan, enquanto ele ainda estiver no clube. Laterais promissores temos na base, basta dar chance aos mesmos.
    Concordo com o João Luis: a turma do Monza 95 não desapega do centroavante estático/paradão, haja vista a contratação do Bryan e do Bobô, da mesma forma que continua vendo no Douglas, que consideram um “falso-lento”, a referência de seu meio de campo ideal. Pedro Rocha e Everton tem muito a evoluir ainda. Por serem jovens, ainda sentem as dificuldades naturais de adaptação às exigências do profissionalismo, principalmente, vencer a inibição e encarar com mais energia as oportunidades.

    1. Prezado Darcilio
      Acrescentaria Maicon a está sua tríplice indicação de grohe,geromel e luan.
      E quanto ao Pedro Rocha, depois de assistir alguns garotos da idade dele ( Gabriel, Gabriel Jesus, Marquinhos Gabriel, Kelvin,Nicao, Neilton, enfimn para ficar com alguns apenas ) diria que será uma eterna promessa e acabara num time de várzea. Pode desistir que deste mato não sai coelho..

  5. Talvez tivesse sido desclassificado na Sula, pode ser, concordo que a visão interna de futebol precisa mudar para que possamos voltar a fazer grandes decisões.
    Só não me conformo em preferir a Copa do Brasil a jogar partidas contra times estrangeiros, tendo o mesmo acesso à Libertadores, além da Recopa e outras duas Copas internacionais.
    É uma visão muito curta.

  6. Targa!

    Se não me engano, já fomos desclassificados pelo Santa Fé. Ontem, assisti a vitória contra o River e a consequente classificação do Huracán na Sula.
    Olha, não é um time desprezível. O futebol argentino tem uma vibração a mais, principalmente quando joga contra os brasileiros.
    Não sei se a Sula seria tão “barbada” como pensam alguns.
    Fatal, foi a desclassificação, em casa, para um Fluminense caindo pelas tabelas, quando tínhamos tudo para seguir adiante. Aconteceu o que tem acontecido ultimamente nos momentos decisivos, na hora “H”: o Grêmio se entregou!
    Conclusão: não existe competição fácil!
    O que existe – uma vez que o futebol está nivelado na América – é a falta de tesão!!!

  7. Organizadas do Grêmio punidas por 90 dias por causa de uma janela de ônibus quebrada na armadilha montada pela BM.
    O que é mais grave, uma janela quebrada ou 100 torcedores sufocando dentro do ônibus fornecido pela BM?

    No gauchão já haviam sido punidas após gre-nal no aterro.
    Agora é assim, BM arma a situação e a torcida toda é punida por tempo que eles acharem melhor.

    É isso que virou nosso futebol, nosso clube. Respeito pelo Grêmio não existe mais, qualquer um faz/fala o que quer e o clube não reage. Ou melhor, larga uma notinha oficial, onde mais se afasta da torcida do que tenta ajudá-la.

    Vamos pra mais uma Libertadores sem torcida organizada no estádio, como em 2013, quando a BM tentou de tudo pra interditar a Arena…

  8. Libertadores chegando e mais uma vez sem a torcida. Estranho, muito estranho essas coincidências.

    O grêmio é igual a cachorro morto, qualquer cu cagado chuta.

    O clube dos bons moços não reage. Grêmio o clube letárgico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.