Marlos, um ‘gladiador’ gremista

Marlos é um gaúcho daqueles fervorosos. Nascido na capital do Rio Grande do Sul, site faz questão de cantar o hino do Estado sempre que tem a oportunidade. Já teve seus tempos de boemia como todo homem solteiro – era um assíduo consumidor tanto da Cidade Baixa, price quanto da “Calçada da Fama”, e tinha arrebatada preferência pelo mulherio loiro nos eventos noturnos -, porém, depois de tanto tentar encontrar aquela que seria a eleita para subir consigo no altar, Marlos “sossegou o facho” quando menos esperava.

Há que se enaltecer uma peculiaridade nessa estória. Ele nunca teve aqueles problemas usuais com as mulheres que se envolvera (distanciamento dos lares, antipatia do sogro “mão-de-vaca”, antipatia da sogra superprotetora, falta de dinheiro pra pagar ao menos a passagem de ônibus, ciúmes doentio despertado pelas amigas do Orkut ou do Facebook). O grande problema de Marlos com as pessoas do sexo oposto é (e sempre fora) a sua paixão clubística desenfreada pelo GRÊMIO. Quando começavam a conhecê-lo à guisa mais profunda, percebiam que aquelas 2h, nas quais o Tricolor Gaúcho entrava em campo para enfrentar seus adversários, eram sagradas. Tchê, disputar espaço com outra mulher era concebível, mas que tal batalhar contra uma entidade futebolística?

Se alguém quisesse mexer com os brios desse gaudério gremista, bastava fazer piadas ou tirar sarro com seu clube imortal. Jamais fugiu de uma “briga de foice” na base do verbo com o colorado que fosse. Podia levar desaforo pra casa no trabalho, mas de torcedores do clube adversário nunca.

Contudo, atualmente, Marlos anda cabisbaixo. Faz tanto tempo que o Grêmio não levanta uma taça de importância (a última foi a Copa do Brasil de 2001) que os amigos vermelhos dele nem têm mais tanto prazer em mexer com ele. Como todo bom gremista, emocionou-se na “Batalha dos Aflitos”, bebemorou os Campeonatos Gaúchos vencidos sobre o Time da Beira do Lago Guaíba, mas está saturado disso tudo. Quer esquecer essa fase de ócio que o clube passa. Quer voltar a vibrar com jogadores de relevância, que vestem o manto sagrado gremista e fazem valer cada centavo do seu salário.

A desilusão de Marlos em 2011 reflete o sentimento da maior torcida do Estado do Rio Grande do Sul. Há esperanças que em 2012, a partir da contratação de Kléber Gladiador, o Imortal Tricolor possa contratar outros bons jogadores e voltar a ser vencedor no ano de estreia da Arena Grêmio. Ocorre que neste domingo, esse gremista foi tomado pela ansiedade. Após o fiasco deflagrado em pleno Estádio Olímpico Monumental no dia de ontem (3 a 1 para o Ceará), mesmo com essa campanha fraquíssima no Campeonato Brasileiro, com todos os defeitos apresentados pelo trabalho de Celso Juarez Roth, a imprensa gaúcha informa que o atual treinador do Grêmio deve permanecer no cargo para o ano de 2012. Marlos não foi ao campo neste sábado ante o Ceará, sequer assistiu na internet ao jogo. Limitou-se a sofrer via rádio. E, ao que tudo indica, irá sofrer ainda mais em 2012.

Adílson Batista, o lendário “Capitão América” do Grêmio no bicampeonato da América, asseverou uma vez que Deus é gremista. Será mesmo? Então Celso Juarez Roth é Pôncio Pilatus…

 

Tchüss, fusballteigers!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.