Analisar o jogo contra o Huachipato é fácil, for sale porém duro.
O Grêmio jogou muito menos do que jogou contra a LDU no primeiro jogo lá em Quito e muito mais como no segundo jogo, somando dois problemas: Zagueiros não indo bem e meio de campo sem o brilho.

jogo1_3
Foto tirada de espn.com.br – Não possui créditos ao fotografo.

Não concordo com quem acha que o problema passa pelo Adriano, não acho que o Fernando fez a falta que dizem tanto por aí, mas também é claro que dos estreantes, ele foi o pior a iniciar o jogo.

Faltou atenção dos zagueiros nos dois gols em que tomaram, não excluindo outros lances que a sorte e o goleiro nos salvaram.

Andre Santos fez grandes jogadas ofensivas e deixou aquele buraco na marcação que era previsto, por isso que não acho que Adriano foi tão mal, no segundo tempo ele cansou.
Pará se mostrou muito bem na marcação(muito bem mesmo!), mas peca tentando cruzar da metade do campo e não indo ao fundo nunca.

Nosso meio criativo, Elano e Zé Roberto,  tentou ser criativo demais. Ambos apostaram na genialidade e na sorte, tentando todas as jogadas de efeito de seu repertório, passe fácil somente para trás e para o lado. As vezes falta isso, uma jogada simples, uma bola não segurada até o último momento e um passe que não seja um foguete desesperado ao ataque. Elano tentou aquele chute poderoso, poderia ter arriscado mais e tentado menos gol olímpico quando se tem  um atacante cabeceador-foda (Barcos) e um zagueiro alto (Cris).

No nosso ataque, Barcos foi muito bem, tentou, brigou e tudo mais, conseguiu um pênalti e guardou, quase marcou o empate nos acréscimos (de cabeça, em um escanteio). Vargas foi bem, mas foi individualista demais em algumas bolas, outras não tinha um companheiro no mesmo pique.

 

Nosso adversário fez o básico e ganhou, retrancou o time e saiu no contra-ataque. O Grêmio parece que nunca vai se curar dessa doença de não saber jogar contra equipes armadas desse modo. Não é um problema de técnico, ou ao menos não é exclusivo de Luxa, porque os 3 anteriores não souberam lidar com equipes assim.

 

O que ficou da entrevista final de Luxa foi a reclamação com o Gramado, mesmo gramado que Zidane gastou a bola. Mas entendo, nem todos são zidanes e a jogada do gol do francês na Arena foi um chute de primeira em uma bola que veio aérea, nada tem o gramado com isso.

Outra coisa que ficou, mas parece que a imprensa ignorou, foi que Luxemburgo reclamou do time que não entrou jogando libertadores. Começou o primeiro tempo mole, chutando com displicência. Achou que iria vencer naturalmente. O técnico também alertou, Libertadores é diferente.

Ok, na entrevista ele foi bem. Agora que repasse tudo isso para os seus comandados.

 

Concordam ou discordam? Deixe nos comentários a sua opinião!

 

Publicado por Fane Webber

Minhas redes sociais. @faneinbox no Twitter. /faneinbox no Facebook. faneinbox@gmail.com é o e-mail de contato.

Participe da discussão

5 comentários

    1. Conte as letras do seu nome e sobrenome, some dez e repasse para esse número de pessoas, senão essa será a quantidade de meses sem sexo.

      Brincadeira.

      Obrigado e volte sempre!

  1. Nobre colega, concordo em boa parte, exceto:

    – Luxa errou sim em escalar o Adriano. Por quê? Simplesmente porque já tínhamos muitas caras novas no Grêmio que se apresentou ontem, e tínhamos que segurar o meio, a resposta estava toda ali para vencer o jogo, e todo o desentrosamento começou ali: CAGADA. Simplifica e coloca o Fernando.

    – Luxemburgo errou na entrevista ao colocar TODO O HOLOFOTE no gramado da Arena, vai catar coquinho, né? Assume a bronca, porra! Daí, ao ser perguntado sobre qual era o seu percentual de culpa na derrota: – 70% blablabla : Diz porque dos 70%! Errou sim, ponto.

    Mas venho ao nobre post do colega expor duas indignações:

    1) Não posso admitir que, com uma Arena com apenas 50% da capacidades de lotação, possa haver pessoas FORA DA REALIDADE, achando que os novos atletas vão entrar e sair jogando normalmente, com entrosamento. Cara, pelo amor de Deus, dá tempo pros caras! 20 minutos de jogo já tinha nego vaiando. PUTA QUE PARIU!

    2) Cara, as pessoas tem que se adequar à Arena, se a Geral foi fechada temporariamente, e todos vão nas cadeiras, que achem os seus lugares e se sentem! Eu não consegui ver metade do campo devido a uns infelizes de pé na minha frente. ALOUUUUU???? ARENA, nova casa, novos costumes, certo?

    Bjos a todos, desculpem pelo desabafo.

    1. Apenas discordo em uma coisa, Luxemburgo falou de outras coisas além do gramado na entrevista. Mas o foco que deram nos meios de comunicações foi esse, portanto parece que ele colocou tudo no estádio.

      Obrigado pelo comentário, Dieny!

  2. Fane, foste muito feliz nos teus apontamentos. Concordo plenamente. Só acho que o Vanderlei Luxemburgo deveria assumir mais as responsabilidades, tendo em vista o cargo que ostenta de “manager” no GRÊMIO. Sim, “manager”. Tal como Alex Ferguson no Manchester United/ING. Luxemburgo não é apenas um treinador, mas um agenciador de atletas, um terceiro vice de futebol. Gosto do Luxa, porém ele dar provimento a três questões: 1) Responsabilizar-se TAMBÉM pela derrota (o que ele só fez, após um repórter muito atento ter indagado nosso treinador qual o percentual de culpa dele pelo insucesso de ontem à noite); 2) Dar padrão tático ao time, fixar 11 titulares e ensaiar jogadas, “sem balão” ou ligações diretas da defesa para o ataque; 3) Simplificar (entenda-se, manter Fernando como titular).

    Grande abraço, Fane!
    Prometo retornar às colunas de análise futebolística após “as águas de fevereiro”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.