A semana passada foi muito boa para o tricolor, ambulance depois da vitória avassaladora tocando cinco gols no tradicional rival e depois mostrando o que é capaz contra o Galo no Mineirão o Grêmio recebeu o – em teoria – fraco Joinville.

A equipe teve uma modificação muito importante nesse jogo, buy Luan tomou o terceiro amarelo contra o Atlético-MG e não jogou contra o Joinville. Essa ausência obrigou o técnico Roger a modificar a equipe e escalar Bobô. Modificando inclusive a formação normal que o Grêmio vinha jogando. Tudo para tentar minimizar a ausência de Luan na equipe e na forma como ela joga em campo.

O Grêmio tomou um gol logo no começo do jogo, ampoule escanteio na área e o zagueiro do time catarinense levou a melhor, Bruno Aguiar marcou o gol e obrigou o Grêmio a pensar o jogo de outra forma. O problema foi que a pressão não parou por aí e durou todo o primeiro tempo. O Grêmio teve dificuldade para manter a bola no pé e levar para o ataque.

O segundo tempo se desenhou completamente diferente. Fernandinho entrou no lugar do jovem Pedro Rocha e deu mais movimentação para o tricolor. Conseguindo manter a posse de bola o Grêmio foi ensaiando a virada, Galhardo cobrou uma boa falta aos seis minutos do segundo tempo, mas parou no goleiro Agenor.

Outro lance importante foi uma bola para Bobô que escorregou e furou. Bobô que fez um primeiro tempo ruim, mas a parceria com Fernandinho melhorou muito a atuação do jogador, dou um desconto para a furada por dois motivos: Vitória do Grêmio no resultado final e o jogador está ganhando ritmo.

A vitória tricolor começou aos 15 do segundo tempo, escanteio para o Grêmio e Erazo mandou a bola para o fundo das redes empatando o jogo que o Grêmio já dominava quase completamente.

(Foto: Lucas Uebel/Grêmio, Divulgação)
(Foto: Lucas Uebel/Grêmio, Divulgação)

Dos 15 minutos até os 38 do segundo tempo o jogo foi o drama do Grêmio procurando virar a partida e não perder dois pontos para um adversário que está muito em baixo na tabela. Galhardo que já tinha ensaiado a cobrança de falta não deu chance para Agenor defender dessa vez, mandando a bola no ângulo da goleira sem chance de defesa, um golaço do lateral direito que colocou o Grêmio na frente do marcador e garantiu os 3 pontos.

O Grêmio ainda teve algumas oportunidades de ampliar o placar, mas não conseguiu. De qualquer forma, a terceira vitória seguido do Grêmio chegou e com a derrota do Atlético Mineiro para a Chapecoense o tricolor encostou nos mineiros em número de pontos.

tb2015

 

@faneinbox

Publicado por Fane Webber

Minhas redes sociais. @faneinbox no Twitter. /faneinbox no Facebook. faneinbox@gmail.com é o e-mail de contato.

Participe da discussão

23 comentários

  1. Mais que disputar, que vença! O time continua a evoluir.

    Roger transformou algumas características que nossos jogadores não tinham (como a finalização) num ponto forte. Qualquer outro técnico diria que não temos peças suficientes. E nós concordaríamos.

    Na transmissão do jogo contra o Atlético-MG na Rádio Grêmio Umbro, Cristiano Oliveski falou ao Carlos Miguel que haverá um evento dia 30 de agosto. Será o anúncio da compra da Arena?

  2. O evento é 01/09 no salão do conselho, limitado a 400 pessoas. Foi organizado pelos grupos políticos que dão sustentação a gestão e os convites só podem ser adquiridos juntos aos grupos.

  3. Eu considero que o Grêmio é vice lider da competição. Se o Grêmio chegar no final do campeonato com o mesmo número de pontos com outra equipe, mas perder no saldo de gol, eu vou festejar igual. Tem que mandar fazer uma réplica da taça e colocar no museu.

  4. Agora, o bola da vez é o Pedro Rocha. Já que com o Luan não dá mais para encher o saco vaiando. Pedro Rocha será o próximo cristo.

  5. Não sei se vocês estão falando de outra coisa, mas o que eu sei é de um evento no dia 01/09 chamado:
    Grêmio Gestão em Campo, evento de integração à governança do Grêmio Foot Ball Porto Alegrense
    Palestrantes:

    Gustavo Zanchi – CEO
    Antonio Dutra – Vice Presidente
    Cesar Pacheco – Futebol
    Beto Carvalho – Marketing
    Romildo Bolzan – Presidente

  6. eu defendo o Pedro Rocha, como defendo sempre a gurizada antes dos medalhões, mas é inegável que o momento é do Fernandinho. Pedro Rocha teve um momento bom há uns 5 jogos e passou a errar demais na finalização e na criação. Já o Fernandinho cresceu, parece que pegou ritmo, acho que merece jogar mais. Dá pra discutir ainda a posição do Luan, quando estiver fora.
    Bobo mostrou muito pouco pro estilo de jogo que o time adquiriu, teria que se movimentar muito mais pra ser titular.

  7. Quem escala é o treinador e não a torcida. Se ele tem sacado o Pedro Rocha é porque o jogador não está rendendo o esperado. Sua substituição, no intervalo da partida, denota a preocupação do treinador em preservá-lo. Se antes não fazia a substituição, é porque não tinha uma opção de velocidade. Hoje, tem Fernandinho. Roger conhece as virtudes e os defeitos do seu elenco e sabe o momento certo de fazer as mudanças. Com coerência, fez o melhor para o Grêmio. Sua liderança no comando da equipe é responsável pela recuperação animica dos atletas, pela auto-estima do torcedor e se configura como a causa maior pelo bom momento porque passa o futebol do clube. No embalo da orientação de vestiário no intervalo da partida e na entrada de Fernandinho, veio a reação no segundo tempo. A virada fez-se inevitável. Prevaleceu o esforço e a dedicação dos jogadores e o apoio incondicional da torcida. Venceu o Grêmio de Roger e de todos os gremistas. “É fácil comandar homens livres, basta mostrar-lhes o caminho do dever!” (General Osório)

  8. Ontem, o time não jogou bem. Isso refletiu em algumas individualidades.

    Em relação a Pedro Rocha, ainda, ele é irregular numa partida. Alterna bons momentos e momentos ruins. E, por ter se destacado em algumas partidas, ficou mais visado. É normal o jogador sentir dificuldades.

  9. Cristiano!
    Quer dizer que Roger errou tirando o Pedro Rocha? Se errou, quem deveria sacar? Ou deveria continuar com a mesma formação?
    As mudanças de Roger foram, no meu entender, cirurgicas e o treinador se mostrou um excelente cirurgião. Parte da torcida, quando o jogador não está bem, tem a mania de vaiar e não vaia só os jogadores da base. Douglas, “veteraníssimo” é vaiado seguidamente e também é sacado. Concordo que Pedro Rocha é jovem e oscila pela inexperiência, mas, temos que convir que não estava bem na partida e o treinador optou por uma alternativa que, felizmente, deu certo. Acertou o treinador, assim como tem acertado em mantê-lo na titularidade, mesmo com altos e baixos. Não sei se foi apenas impressão de minha parte, mas notei o jogador meio desanimado por não ter conseguido finalizar nenhuma das boas chances criadas ou por estar incomodado com as vaias. Fernandinho ganhou créditos junto ao treinador por sua disposição no Grenal e, era, no banco, a única opção de ataque capaz de ensaiar uma “correria” e tirar o adversário de sua zona de conforto. O jogo virou com a mudança, para nossa sorte. Quem não notou a diferença, viu outro jogo. Dizem que uma boa “sombra” é salutar numa disputa por posição.

  10. Darcílio,
    Não comentei sobre as mudanças do Róger.

    Róger faz as mesmas mudanças praticamente.

    Pedro Rocha não fez um bom primeiro tempo. E como eu já referi, tem sido irregular. Tal fato ocorre com jogadores jovens que buscam afirmação. Ocorreu com o Luan ano passado.

    Róger substituiu bem em relação ao Fernandinho. Deu resultado e conseguiu virar o jogo. O time se ajustou melhor.

    Em relação ao Bryan Rodrigues, é insistir no erro. Ele entra e pouco contribui. Se deixar ele livre com a goleira, não duvido que seja capaz de errar.

    Em relação ao Maxi Rodrigues, entrou um pouco afoito. Errou alguns passes no início. Vale dizer que o Douglas também erra muitos passes, então, não mudou muita coisa, exceto que o Maxi é jovem e corre mais.

    A única substituição que ajudou o time realmente, foi a entrada de Fernandinho no lugar do Pedro Rocha. Entrou para fazer o que sabe de melhor, a jogada de lado. Não entrou para fazer gols porque não é sua característica.

    A única coisa que o Bryan Rodrigues sabe fazer é se atrapalhar com a bola e atrapalhar um pouco os zagueiros. Está na hora do treinador ir testando nos treinamentos outras alternativas.

    A política, segundo a direção é apostar na base, então, é lá que o treinador tem que ficar observando. Agora, ficar dependente de um centroavante que faz um gol a cada 50 jogos, é de doer.

  11. Levando em consideração que o Cristiano Oliveski e o Carlos Miguel disseram que estariam lá, achei que o evento fosse algo especial

  12. O pé de rato do Geferson com G foi vendido por 5,5 mil de euros!!!!

    Das duas uma: Ou é mentira esse valor, ou o Grêmio que não sabe vender seu jogadores. Eu fico na segunda hipótese.

  13. Se o Geferson foi vendido por esse valor, então, Luan tem que ser vendido por no mínimo 50 milhões de euros. Vale 10x mais do que esse Gérverson.

    Quando se ventilou uma oferta de 10 milhões de euros pelo Luan eles já estavam pronto para assinar.

    E pelo que dizem, o Grêmio teria uns 40% dos direitos federativos do Luan, porque teria vendido a grande parte que tinha para um investidor.

  14. Eu fico com a terceira opção: aquela convocação do Géfferson foi arranjada. Por mais que o Grêmio não saiba vender, não dá pra competir com uma convocação feita nesses moldes.

  15. Luan não viaja, dizem estar com amigdalite. Resta saber se é isso mesmo ou é migué pra tentar sua desconvocação.

  16. O Luan não foi vendido no início do ano, quando o Grêmio estava estrangulado e vendendo até a mãe, porque não teve proposta. Agora quem quiser levar o garoto vai ter que botar muita grana na parada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.