Participe da discussão

39 comentários

  1. Duas leituras diferentes de escalação: a do treinador e a da torcida. Mais uma vez a “massa” estava certa. “Vox populi, vox Dei”. Mas, o “soldadinho do passo certo”, Silas, insiste em contrariar os deuses. Se não fosse a fiscalização da torcida do Grêmio, o Gordo Roca e o Williams teriam lugar garantido no time. Diz o ditado: Deus escreve certo por linhas tortas. Acho que quem riscou as ditas mal traçadas linhas foi o treinador. Sorte nossa, é que o “véinho” lá de cima resolveu perdoar, mais uma vez, os pecados dele. “Vai rezar cinco Pai Nosso e cinco Ave Maria, disse o Senhor… e não voltes mais aqui! Será que ele foi?

  2. Gauchão, o campeonato que não deveria existir em nível profissional do qual somos obrigados a participar, sob pena de não irmos à Copa do Brasil.

    Copa do Brasil e Libertadores: torneios importantes sendo que o primeiro leva ao segundo e a CBF impede clubes que participam de um a participar do outro.

    TV que paga pouco mas cuja verba clubes devedores adiantam, tornando-se reféns dela. Os clubes acabam preocupando-se mais com a audiência do que com o conforto e com a segurança dos torcedores no estádio.

    No Grêmio, o presidente de direito não é presidente de fato. E, não-raro, quem representa o clube nas reuniões que definem essas questões por vezes acaba sendo outra pessoa.

    Diante do fato de o presidente de direito não ser o mesmo presidente de fato (o de direito depende do de fato que, por sua vez, alega ‘quebra de hierarquia’ para cada suspiro dado contra as suas diretizes sempre questionáveis), está de bom tamanho a campanha do Grêmio em um torneio de pré-temporada que dura tempo demais e envolve riscos demais para o clube.

    Isso posto, a avaliação de hoje é bastante positiva, muito embora me irrite profundamente a necessidade de o Grêmio de Silas precisar dar uma de Rocky Balboa, que é espancado até despertar a raiva. Só reage para dar nocaute no 10º assalto, nunca aproveita as fraquezas do oponente para mandá-lo à lona mais cedo. O Grêmio nunca evita a vaselina no corte e sempre precisa levar pontos ao final dos combates.

    O conjunto foi bem. O problema é que nenhum adversário do Bovinão é parâmetro, pois acho que a gente só treina e não joga.

    []’s,
    Hélio

  3. Mais uma vitória!!!
    Tirando a ausência do Borges, o time está muito bom.
    Reviso meus conceitos, o Mário está um excelente zagueiro. O Ferdinando está melhorando a cada jogo. O Fábio Santos é MUITO MELHOR do que o Lúcio. O Douglas é um baita jogador. Maylson não sai mais do time.

    AGORA VAI!!!

  4. O FATO POSITIVO do jogo foi a maravilhosa oportunidade que o nosso treinador concedeu ao William Magrão de adquirir ritmo de jogo:

    colocou ele em campo aos 47 do segundo tempo!!!!!!!!!

    Alguém pode me explicar PARA QUE??????????????

    Só pode ser sacanagem para preservar o Ferdinando, não enxergo outro motivo plausível.

    E o Wiliam, número 9, que partidão! Já deve estar cotado para a seleção, no lugar do Adriano ou do Nilmar……….

    Só fazendo graça dá prá aguentar certas malas.

  5. Bernardon,

    O Mário é zagueiro zagueiro: anos-luz melhor na dele do que improvisado. E o Fábio Santos, enquanto o Bruno Collaço não amadurecer o suficiente, sempre será melhor do que Lúcio inteiro, pois Lúcio nunca soube marcar e, quase sempre que ia, ficava e não voltava.

    Fábio Santos só jogou mal neste ano, com a falta de entendimento inicial com a mecânica pedida por Silas, além do desentrosamento com os novos contratados para esta temporada.

    Ferdinando, William e Oséia são jogadores com quem não se gasta dinheiro: mesmo que venham a melhorar, se pega da base jogador pra compor grupo. Contratações só mesmo pra titularidade.

    Como sempre digo, o Grêmio e o Liverpool só tem o ano de fundação, o país e a cor de diferentes, pois até quando um deles passa por uma temporada difícil em função da lesão simultânea de vários jogadores importantes o mesmo acontece com o outro. Porém, no nosso caso, felizmente ainda temos tempo pra nos recuperarmos em todas as competições.

    Mas, enfim… Posso parecer impaciente ou mau humorado, mas ainda creio que o time e Silas possam ir longe. Porém, além da recuperação física dos lesionados, é preciso que o técnico também aprenda a valorizar mais as categorias de base. Felizmente, isso está acontecendo.

    Mas, aconteça o que acontecer, em função da sua conduta agora comprovadamente autocrática, mesmo que ninguém tenha algum nome para substituir o presidente de fato (que é Meira e não Duda, que o é apenas de direito – gosto da pessoa dele, não o considero um mandalete, o apoio, mas me decepcionou demais – portanto, da confiança passo apenas ao comedimento), considero Meira pouco afeito ao cargo que ocupa.

    Com e sem esses percalços, sigamos torcendo e colaborando. Porque, seja logo, seja ali adiante, QUE VAI, VAI!!!

    []’s,
    Hélio

  6. Só pra complementar: essa do Duda abraçar o Meira e como se deu a questão em cima do nosso Paulo Deitos, me trouxe uma das piores sensações – aquela de quando a gente passou um tempão confiando bastante ou, mesmo conhecendo pouco, em função de conhecidos em comum, dando crédito a quem não merece tanto…

    A quebra de confiança é algo que me faz sentir bastante. É uma decepção.

    []’s,
    Hélio

  7. Grande Bernardon, em primeiro lugar, obrigado pela agradável companhia na festa do pres. Dourado. Saul Berdchewski, Evandro Krebs, Bernardon, Marcos Chitolina, Vitor Ruschel, sra. Ruschel, sra. Chitolina,Jacobus. Era a mesa mais solicitada.Eu entre tanta sabedoria e gremismo vou aprendendo um pouco.
    Bernardon, o Ferdinando tem melhorado, mas considero o Fernando mais jogador. Fábio Santos é bom jogador e tem muita garra. Mário é zagueiro. Mithyuê é muito bom. Joga fácil.
    Vamos aguardar jogos mais difíceis, mas o time está evoluindo e com opções no banco.
    O retorno do Borges vai ser um baita acréscimo.

  8. Arthur, retribuo a satisfação pela composição da mesa das “autoridades paralelas” (risos). Senti-me, dentro do Grêmio, e entre amigos. Foi uma festa memorável. Tive o prazer de conversar com cada movimento lá presente (menos com o Sem Fronteiras, mas estavam lá pena, mas gostaria de lhes conhecer – para mim, respeitando as divergências e idéias diferentes, TENDO O GRÊMIO COMO ÚNICO PROPÓSITO, todos os gremistas são DEZ). Foi realmente uma imensa satisfação! COMO É BOM SER GREMISTA! Quanto ao jogo: Mityuê joga muita bola. Enquanto o Borges não retornar, ele é TITULAR. Qdo Borges voltar, será o 12º TITULAR. Que futuro espera esse guri! “CHEQUE EM BRANCO”. MAS, POR FAVOR, NÃO O VENDAM ANTES DE 2012!!!

  9. concordo com o Hélio: essa do Duda entregar tudo pro Meira dói mesmo. Até pensei em escrever algo pro blog, tipo: ” Eu votei no Duda, não no Meira! ”
    ( Meira parece ser o Sarney do Gremio ).
    Mas ultimamente meus textos tem sido rejeitados.

    Provando que o velhinho lá de cima é fanatico torcedor gremista, coisa que ninguem mais questiona, o time deu os primeiros sinais de encaixe. Não havia visto ainda o Mithyuê: joga muito e que raça!!
    pergunta: quem indicou esse William? e quanto pagam por essa mala.
    Mas o saldo do fim de semana foi positivo. Parece que o racha diretivo do lado de lá começa a aparecer…

    cbimbi

  10. Amigos,

    Sigo com o pensamento….

    Esse SILAS não serve para o Grêmio, o cara conseguiu trazer sua tropa do AVAÍ e deixa-los no time titular.
    Eu não consigo ver melhora, pois nossos testes são sempre feitos contra times de expressão baixa ou insignificante.

    Estamos melhorando???
    Comparado a que e ao que???

    Enquanto não tivermos um treinador que faça o time “jogar fácil” será isso que vemos em campo e fora dele, um treinador muito bem treinado na língua dos surdos, pois faz gestos e balança aqueles braços como estivesse organizando a equipe e sem falar quando se coloca a falar no seu celular para saber se está fazendo a coisa certa ou não…

    Eu não me engano, vou ficar observando o que ele fará quando pegarmos um time do mesmo nível do Grêmio…

    Eu como gremista gostaria de ver um teste forte agora, para ver se não estou louco, mas só um teste com um time forte me faria ver se estamos bem ou se eu tenho um pouco de razão no que falo.

    Eu como Gremista queria hoje pegar o Santos completo dentro da vila para ver como o Gremio se sairia, pois é fácil achar que o time esta bem ganhando de 3 x 1 de um time que tinha 10 em campo, é fácil achar que está bem quando Porto Alegre e NH dão um calor imenso em nosso time dentro do Olímpico.

    Por isso que digo que quero um teste a nossa altura, para sim saber se não estamos nos iludindo com essas vitórias contra times, que após o gauchão fecharão suas portas até novembro desse ano.

    Então espero que me entendam, pois com tudo que passamos nos últimos 6 anos virei crítico e quero ver meu time com real possibilidade de títulos.

    MEIRA e SILAS não servem para o Grêmio.

    Obs.: O que diz Marcelo Aiquel me faz chegar a conclusão que tenho razão. O time está ganhando de 3 x 1 com um jogador a mais em campo e ao 47 minutos ele coloca Wiliam Magrão no time… PARA QUE?????

  11. Quanto à festa: estava soberba! Faltaram gremistas ilustres como o Cesar Bimbi, o Josias, o Preis e todo o Conselho de Administração (se bem que, após a questão do Paulo Deitos e da inversão de papéis entre Meira e Duda, respeito a sua autopreservação). Quem não foi, perdeu um congraçamento e tanto! :)

    Na falta de lugar junto às mesas próximas ao pessoal do MGAT, encontrei lugar no outro lado do salão, junto ao Ducker e aos queridos Paulo e Tânia Ferrer. Aliás, o amigo do Ducker eu já conhecia de vista, em reuniões do Brasil Apple Clube. E, desta vez, acho que ambos conseguimos convencer o Ducker a vir para o lado bom da Força e adquirir um MacBook. :)

    Foi legal dar uma passada na mesa do Grêmio Democrático e conhecer alguns outros integrantes, além de retomar o papo sobre o marketing do Grêmio com o Cristiano.

    (falando nisso, Vitor, vou falar com o Pacheco e com o Caco, sim)

    Ali no final, tanto eu como a Lúcia nos divertimos muito entre Fábio Mundstock, Artur Ferreira, Vitor Ruschel, Paulo Ferrer, Evandro Krebs, Chitolina e mais alguns.

    Enfim… Uma noite extremamente divertida. E é por isso que é muito bom ser gremista. Não imaginaria outra vida!

    []’s,
    Hélio

  12. Sidnei e Marcelo Aiquel,

    Concordo inteiramente com vocês. E acho que isso não é ser mau humorado nem exigente demais. Afinal de contas, a gente tem noção da inexpressividade que é o Bovinão.

    Por outro lado, também não sei se o Santos é tudo aquilo. Aliás, seu novo presidente está apostando alto demais: o Peixe parece que já está em atraso de 700 mil reais nessa aventura chamada Robinho. O Peixe é OBRIGADO a levantar a Copa do Brasil, pois Robinho voltará para o Manchester City em agosto. Como os ingleses não são bobos, não irão ceder ao antiprofissionalismo de um guri mimado como a Inter de Milão fez com Adriano. Então, tudo se encaminha para que a vaca osca venha a pegar o Santos de jeito.

    Grêmio: garantindo Victor e Mário Fernandes, é candidato a uma vaga à Libertadores. Dependendo da janela de agosto, até mesmo ao título, em função das inevitáveis negociações de nossos principais adversários. Mas sem Victor e/ou sem Mário, a briga poderá ser entre o limbo e a Sul-Americana.

    Isso me preocupa bastante. E é por isso que Silas e Meira não me servem.

    []’s,
    Hélio

  13. Vou tentar…vai que publicam!
    A festa foi muito boa mesmo. Conheci muitos de vocês que até então eram apenas nomes na internet. Valeu mesmo, uma pena não ter conversado mais tempo com alguns.
    O Presidente Hélio Dourado mostrou na sexta-feira a grande diferença que existe entre o ser e o estar…
    Entandam como quiserem.

  14. Resultado meio enganador esses 3 x 1.
    Apesar do Ypiranga ter atacado muito pouco, o Grêmio também não fez muito por merecer. O que fez a diferença foi a bela cobrança do Jonas e jogadas individuais do Douglas e do Mithyue. Fora isso, o time parece carente de maior criatividade. O ataque com William e Jonas não funciona, será que o Silas percebe isso ou ele é teimoso mesmo?
    O meio com Ferdinando e Adilson é bom defensivamente, mas não sabe sair jogando, os dois têm o passe ruim e nenhum deles se aproxima dos meias. O Adilson até tenta umas arrancadas, mas não chuta certo ou acaba perdendo a bola na frente da área adversária.
    Não vejo como os dois possam jogar juntos se temos Fernando e W. Magrão no banco. Precisamos de um 2º volante que saiba chegar também no ataque e que não erre tantaos passes.
    Douglas jogou muito e o Maylson, quando calibrar seu pé, vai dar o que falar!

    Mas o que mais chamou a atenção foi a entrada do Mithyue, como joga esse guri!

    Por que William, Fábio Rochemback, Joilson e Osea ainda estão no Grêmio???

    Pro ataque, Bergson e Mithyue dão melhor resposta que o William, o centroavante de 0 chutes, 0 cabeçadas, 0 assistências…
    No meio, Fernando ou Matheus Magro não dariam melhor resposta que o Fábio Rochemback e seus 200 mil mensais?
    Na direita não seria melhor apostar no Saimon, já que agora temos o Edilson de titular?
    E na zaga, o Ozea é melhor que o Neuton, Mauricio ou Rafael Marques? Eu duvido

  15. Série corrigindo os esquecimentos: na Festa do Presidente Hélio Dourado, conheci o Anderson Kegler do Grêmio do Prata (certo?). Percebi o quanto é gremista. Como disse, podemos divergir em idéias, conceitos e forma de nos manifestarmos, desde que o bem do Grêmio seja o único propósito. Pelo que senti do Anderson, o que importa é o Grêmio! Aquele abraço, Anderson!!

  16. falou tudo, Rafael!

    os que menos jogam são exatamente as uvinhas do Dr. Meira, e são tbém os que incham a folha salarial irresponsavelmente.

    O principio era certissimo: contrata Borges, Hugo.. caras consagrados prá dar p toque de qualidade pagando salario alto, e – prá não inchar a folha – dá mais chence prá gurizada. Ao invés dessas velharias em final de carreira dá chance aos guris, ganha o futebol e ganha as finanças qdo forem vendidos.

    Mas aí apareceu o Dr. Meira, o Sarney do Gremio…

    cbimbi

  17. Sim, Vitor Ruschel. GRÊMIO DO PRATA! E com toda a certeza, nossas divergências sempre devem convergir para o bem do GRÊMIO. É assim que eu penso.
    Foi um grande prazer conhecer e conversar com todos.
    Quando nos encontramos pessoalmente vemos que as discuções, por mais acaloradas que sejam, sempre giram em torno de um objetivo, GRÊMIO

  18. Essa do “Sarney do Grêmio”, é genial”, ha, ha, ha…
    Gostaria de ter ido à festa do Dourado, mas uma gripe “temporona” me impediu. Pelos comentários, foi um grande acontecimento. Gostaria de ouvir opiniões dos que lá estiveram, sobre o que pensam os grupos do momento político atual, uma vez que é em ocasiões como essas que as inconfidências afloram. Nada com o intuito de “fofoquear”, mas, de esclarecimento, apenas. Voltando ao futebol, me convenci que a evolução da equipe tem mais a ver com à utilização e a resposta dos jovens da categoria de base – uma exigência da torcida há tempos – do que com as providências tomadas pelo treinador no que diz respeito ao esquema de jogo e à escalação. Não dá pra entender o que pretende, nem a sua preferência por determinados jogadores. Ainda não “caiu a ficha” do Silas. Cara! te orienta! tu és treinador do GREMIO, CAMPEÃO DO MUNDO E BI DA AMÉRICA!!!

  19. Darcílio,

    Conversei com pessoas de quase todos os movimentos presentes. Infelizmente, sei lá por que, não conversei com as senhoras do Núcleo de Mulheres Gremistas e também não conversei com ninguém do MGI (embora tenha trocado breves cumprimentos bastante cordiais com o grande Marcelo Aiquel, um de passagem para um lado e o outro para outro do salão), do Grêmio Sem Fronteiras e do Grêmio Menino Deus (os dois únicos movimentos com cujos integrantes jamais conversei – nem os conheço de nome ou de fisionomia).

    Por afinidade com alguns integrantes do Grêmio Imortal e do MGN, sentamos próximos. Como já cansei de dizer aqui no blog, todos os movimentos possuem conselheiros atuantes e outros omissos; todos os conselheiros possuem pessoas com as quais se pode compor chapas, acertar reformar estatutárias e dividir tarefas nas diversas comissões do CD sem nenhum tipo de animosidade.

    É por isso que sou veementemente contra os termos pejorativos “noviços” pra cá e “jurássicos” pra lá, além do fato das oposições mais recentes não oferecerem ajuda, assim como as situações mais recentes também não solicitam a colaboração de gremistas interessados que foram derrotados nas urnas.

    Conversei bastante com o Jorge Bastos, presidente do MGN, a quem considero uma pessoa muito especial e necessária ao Grêmio em todos os sentidos. Conversamos sobre categorias de base, sobre o caso Deitos (agora) e sobre o caso Rodrigo Caetano (no comecinho da gestão Duda). Concluímos que a metodologia de ambos em relação às categorias de base permaneceu a mesma e que, felizmente, esse talvez tenha sido o único setor do clube no qual houve continuidade mesmo após uma mudança de método de gestão. Cada vez me convenço mais de que Caetano saiu mais por ambição do que por incompatibilidade, assim como felizmente o Cícero, o Mauro Rocha e o Edson Aguiar têm tudo pra manter a base organizada e em ascensão.

    Enfim… É mais do que certo de que existe base para um diálogo. Mas também é líquido e certo de que qualquer movimento de aproximação depende de três denominadores comuns que me parecem ser os seguintes:

    1) Tanto para compor chapas ao CD como ao CA, ambos os lados possuem exigências de nomes do lado oposto que não gostariam de que fizessem parte. Como são poucos (nem sei exatamente quais seriam, na verdade), passo para o próximo item;

    2) Ambos os lados precisam depurar as suas listas, a fim de que um tenha confiança suficiente no outro de que, para comporem juntos, todos saibam que houve justiça na eliminação de nomes omissos e na inclusão de novos nomes promissores. Nesse caso, a hipótese do “chapão”, além de me parecer promíscua e nada voltada à democracia e ao debate legítimo, felizmente torna-se bastante improvável tendo em vista que serão apenas 150 nomes para o CD e 30 para a suplência. E estamos falando em 11 movimentos, sendo que alguns possuem uma quantidade de integrantes às vezes 100% ou até 200% maior do que a quantidade de conselheiros que ora possuem;

    3) Finalmente, aquele que me parece ser o ponto-chave para qualquer entendimento: quem hoje está na oposição e não faz parte do G6 crê em um modelo de extrema profissionalização. Já quem é hoje da situação prefere mesclar abnegados com profissionais.

    Aqui, há vantagens e desvantagens em ambos os modelos de gestão. E diria que as DESvantagens de AMBOS não são nada pequenas. Vejamos:

    – O profissional gabaritado custa caro. O pessoal do MGN, MGI, etc. apoia remunerar bem esses profissionais (com o que concordo integralmente). Todavia, o interesse desse profissional em manter-se engajado no projeto do clube em sua respectiva área e – sobretudo – o seu sentimento de identidade, de envolvimento histórico e afetivo e de pertencimento àquele espaço geográfico, social e econômico determinados pelo ambiente do clube podem se esvair rapidamente a partir de uma proposta financeira maior. Foi o que aconteceu com Rodrigo Caetano e Cristiano Koeller, que foram organizar o Vasco;

    – O abnegado precisa ser como o Guerra no Jurídico, como o Irany em Finanças ou como o Paulo Deitos na gestão do futebol (independentemente de estarmos falando nas categorias de base ou nos profissionais). Se não for especialista e se não tiver tempo disponível, é quase certo que será incompetente, por mais boa vontade que tenha e por maior que seja a sua capacidade de compreensão empírica da atividade que se dispôs a exercer dentro do clube.

    Há, por parte do modelo defendido por boa parte da oposição, uma frieza maior em relação ao ser humano, colocando os resultados e a produtividade acima de qualquer outro valor. Isso facilita a contratação de pessoas sem identidade com o clube e, portanto, incapazes de resolver problemas imediatos do associado, que cobra e merece ser tratado com uma maior camaradagem + seriedade. Há ainda a defesa quase incondicional do modelo de terceirização. Porém, se for aplicado a esmo, pode vir a custar o triplo do custo de funcionários com carteira assinada sem reverter no triplo de resultado financeiro para o clube. Dessa forma, a rotatividade e os custos com treinamento seriam enormes.

    Já o modelo defendido pela situação, por sua vez, não prioriza a inovação nem o talento. Dessa forma, para saldar as dívidas antigas, os incentivos que os funcionários possuem são muito baixos, assim como departamentos que poderiam ser vistos como prioridade estratégica (sobretudo Comunicação e Marketing) pouco fazem além do feijão com arroz. Além disso, as vendas dos meninos da base só servem para tapar buracos ao invés de reverterem em bons investimentos.

    Estamos perdendo profissionais brilhantes na base por causa da falta de investimento. E eu sei que o Paulo Deitos vivia cobrando isso e que o Irany tentava ajudar, mas poucas vezes era possível conceder um aumento. Por exemplo: o técnico do Sub-15 ganhava 1700 pilas. O SC Chimpanzé ofereceu 5 paus e ele se bandeou para o lado de lá. Há preparadores físicos na base ganhando 800 pilas. Isso é INCONCEBÍVEL!!!

    Em comum, o grave erro de inchar a folha de pagamento profissional sem critérios claros de resultados e de não haver talento nem esforço para tentarem obter verbas publicitárias e pressionar a televisão para aumentar o seu investimento irrisório no 5º campeonato nacional mais importante do planeta.

    Independentemente de quaisquer definições técnicas do Direito, da Economia e da Contabilidade, o Planejamento Estratégico deve ter todas essas falhas conjunturais sempre presentes em todas as gestões do clube desde o fim da Era Koff para estabelecer aquilo que o Paulo Luz chama de Governança Corporativa e que eu chamo de Projeto de Estado.

    Se isso não for tratados por todos, então corremos o risco de virarmos um clube segundino como o Atlético-MG ou o Botafogo: nenhuma continuidade em boas gestões ou, então, o continuísmo de gestões incompetentes.

    Esse alerta do Josias deveria ficar martelando na cabeça de todos nós.

    []’s,
    Hélio

  20. Vou ser bem direto…Silas, depois da puxada de orelha parece ter posicionado melhor o time quanto ao sistema defensivo. Porém, ele amarrou os jogadores em suas posições. Por isso, da dificuldade do Grêmio em fazer gols neste momento. Se começar a trabalhar a partir dessa mecânica defensiva, as saídas rápidas da defesa, tabelas, triangulações com variações de posição, mais jogadas de linha de fundo (que parece não ser a característica deste plantel) algo pode aparecer… o tão sonhado e desejado equilíbrio.

    Porém, ainda sigo com um pé atrás. Ypiranga não é parâmetro. Também entendo que o juiz ontem foi decisivo a nosso favor (mas, isso é do jogo). E não podemos esquecer da preparação física. Fica nítido no segundo tempo dos jogos, como os nossos jogadores conseguem espaço pra jogar.

    Agora, de nada vai adiantar essa evolução (mesmo que pequena) se quando os medalhões se recuperarem, simplesmente voltarem ao time, barrando essa gurizada muito boa e que dá a resposta que queremos. O Borges sim pode voltar, de preferência logo.

    Dá-le gurizada!!
    Cláudio Medeiros

  21. quer dizer que um preparador da base ganha cerca de 100 vezes menos que o Rochembach, Hélio?!!

    é prá arrebentar!
    isso é o que dá ter um Sarney lá dentro mandando e desmandando em tudo

    cbimbi

  22. Cesar,

    A base é a galinha dos ovos de ouro. O Grêmio não está atolando as categorias com um monte de guris pra poder realizar coletivos sérios e dar chance a todos, enquanto forma times competitivos. O que sobra disputa amistosos na Europa e é vendida p/Croácia e outros desses centros menores. A decisão sobre quem vem e quem vai sempre passa por pelo menos cinco cabeças.

    O problema é que o Maranhão bovino é aqui: de uma hora para outra, Sarney decide que qualquer crítica ou sugestão é “quebra de hierarquia”.

    Acho que vou adotar esse termo pra quando alguém me contrariar poder tomar alguma atitude tresloucada sem dor na consciência. Que tal?

    []’s,
    Hélio

  23. é isso! quando eu tiver uma diarreia daquelas, vou considera-la Quebra de Hierarquia das funções intestinais, e aí tudo bem…

    cbimbi

  24. Gremio na minha opinião jogou a melhor partida de 2010, deixa o Silas trabalhar, ja tem um ótimo aproveitamento, mas claro que muitos incluindo-me vao dizer Gauchao só tem adversários fracos, então para que jogar esta competição. Vocês falam aqui do William Magrao como se fosse o Gerard, se não fosse o Rafael Carioca na vida dele seria outro da base como eterna promessa.

  25. Ah, Guilherme, menos, amigo, menos….

    Não comparo o W. Magrão com o Steven Gerarrd (com dois RR) meio campista do Liverpool.

    Prefiro compará-lo com o Ferdinando, aquele “craque” que o Silas indicou (e o Meira trouxe, mesmo sem saber quem era), salário de mais de três digitos.

    Além da tremenda injustiça que o amigo cometeu ao creditar todo o sucesso de uma dupla de volantes que foi VICE CAMPEÃ BRASILEIRA apenas ao R. Carioca.

    Quem sabe o amigo prefere manter o W. Magrão no banco e o Ferdinando no time?

  26. Hélio!
    Agradeço tua colaboração. Pelo que pude aquilatar, continua a mesma coisa: o osso é um só. Mudanças inevitavelmente acontecerão porque assim é a lei das probabilidades. Mas tudo é tão devagar, quase parando. Há muita movimentação de fora para dentro, mas lá, onde tudo se resolve, entre “tapas e beijos”, a resistência se mantém. Gostaria de ser otimista como tu e o Josias quanto às mudanças. Talvez porque eu não tenha a vivência que vocês tem das coisas internas do Gremio é que fico com um pé atrás. O que sai pra fora já vem mastigado. As vêzes fico pensando: tem gente que gosta tanto do Gremio, inclusive eu, que vê sinais de avanço até onde há retrocesso.

  27. Hélio, obrigado pela lembrança.
    Quando eu estava saindo chegou o Mauro Knijinik, que me fez a seguinte pergunta: ” O Dourado ainda está aí?”Eu respondi que não. Ele aproveitou e me deu uma carona.
    Tens razão Guilherme. Tem gente que só vê defeitos. Os bons eram o Astrada e o Amato.

  28. quanto ao andamento do time acho que temos boas esperanças, considerando os 3 atacantes machucados.
    o problema q se está criando – perigoso – é o gasto irresponsavel; não é possivel e não acredito que trouxeram esse Ferdinando por salario de mais de 100 mil, como cita o Marcelo Aiquel.

    não prego isso, e falo só entre nós, mas se a gente pensar como é gasta nossa grana de associado ou locador de cadeiras, aí dá vontade de ficar inadimplente

    cbimbi

  29. Marcelo Aiquel!
    Concordo plenamente com tudo que tu disseste sobre o William Magrão. Tenho certeza que quando ele voltar, não sai mais do time. Na minha modesta opinião, dentre os atuais postulantes à meia cancha, ele é o melhor volante disparado. Torço para que ele recupere logo sua “velha” forma, o que só conseguirá quando o treinador lhe der as mesmas oportunidades que tem dado ao Ferdinando (jogador apenas razoável) e ao Gordo Roca (para mim, a maior decepção do ano). Lucraremos todos com o seu retorno. Primeiro, porque ele é a peça que falta para compor a meia cancha que considero ideal no momento: W. Magrão, Adilson, Maylson e Douglas. Segundo, porque é jovem, já provou que tem garra e bola no corpo e que por ser cria da casa dará um belo retorno financeiro ao clube no caso de uma venda futura. Pode-se não gostar de seu estilo, mas me apontem um melhor do que ele no atual plantel. Para finalizar: ele é do Gremio e tem contrato até 2012. Só isso. Precisa mais?

  30. contratos:
    Rochemback: 31/08/2011
    Herrera: 31/1/2011
    Túlio: 31/12/2010
    Joilson: 31/12/2010
    Lúcio: 30/06/2010

  31. A rescisão contratual estará sempre vinculada às clausulas do instrumento.

    Portanto, de acordo com o que foi assinado é que se poderá calcular o montante da indenização.

    Espero ter esclarecido ao meu amigo Cesar Bimbi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.