Bueno, buy Portaluppi retomou o esquema vencedor com três zagueiros e três volantes. No primeiro tempo, o Imortal Tricolor teve as melhores chances de gol, tendo, inclusive, um gol legítimo anulado: um belíssimo passe de Barcos para a infiltração de Kleber às costas da zaga baiana, o qual rolou para Alex Telles fazer o gol livre, leve e solto. Foi uma pena. Não havia como errar aquele impedimento. A visão do bandeirinha era ótima e os uniformes dos times bem distintos para facilitar a marcação. Lamentável. A formatação do 3-5-2 trouxe de volta a “teoria do chutão”. Com a entrada de Saimon na zaga, substituindo a Gabriel (o qual substituía Werley), o sistema com 3 zagueiros foi mantido. Ramiro em lugar de Zé Roberto qualificou a marcação, deu mais posse de bola ao time, porém perdemos em qualidade técnica. Creio que Portaluppi acertou. Zé tem sido pouco efetivo, destacando-se mais pelos “toque de efeito” do que pelos gols ou passes precisos para os atacantes.

Grêmio e Vitória poderia ter sido o jogo “da nova arrancada gremista rumo ao título”, até porque, os resultados foram bons na rodada: empate entre Cruzeiro e Corinthians (tiraríamos 2 pontos do Cruzeiro e 2 pontos do Corinthians, mas ficamos na mesma), derrota dos cocolorados para a fraquíssima Portuguesa de Desportos (tiraríamos 3 pontos, mas tiramos apenas 1), derrota do Botafogo para o Bahia em casa (tiraríamos 3 pontos, mas tiramos apenas 1). Ficou aquele gosto amargo no peito de que poderíamos ter ido melhor. Merecíamos um resultado mais JUSTO.

O negócio é focar na Copa do Brasil. Esse é o nosso torneio. Essa é a competição em que somos os líderes do ranking. Esse é o nosso campeonato! Copa do Brasil é Grêmio, é a cara do Imortal Tricolor. Não tenho dúvida alguma de que, caso passemos pelo Corinthians Paulista nas quartas-de-final, seremos campeões. Precisamos aproveitar a fase de instabilidade do time de Adenor Leonardo Bacchi. Alguns torcedores já querem a saída de Tite. O clima por lá não é bom.

Agora, se não passarmos pelo Corinthians Paulista na Copa BR, tendo Vargas, Elano e Zé Roberto no banco, indubitavelmente o vestiário tricolor entrará em ebulição – se é que já não está. Eu testaria Vargas e Kleber, porém só no jogo de domingo ante o instável São Paulo, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Barcos é líder de vestiário, tem voz no grupo, entretanto, talvez alguns jogos no banco de reservas lhe fizesse bem. Avante, GRÊMIO!!! E não tá morto quem peleia!!

Tchüss, fussballteigers!!!

Participe da discussão

4 comentários

    1. Oi, Daniel! Estas equivocado, amigo. Acabei de rever o lance no site do GloboEsporte.com e ratifiquei a informação. Pará cruza da direita com o pé esquerdo, Alex Telles escora de cabeça para a intermediária, o Barcos domina e, mesmo desequilibrado pelo defensor do Vitória, faz o passe em profundidade para o Kleber às costas da zaga baiana. Confere o vídeo lá. Obrigado pelo comentário.

      Abraço.

  1. O problema é saber se a Copa do Brasil já não está acertada pro ‘Curíntia’, já que no Brasileiro eles estão muito além até de tentar vaga na Libertadores. Aí, não tem jeito, vai ser gol legítimo do Grêmio anulado e pênalti pro Curíntia!

    1. Pois é, Nikolof. Espero que possamos impor nosso futebol em campo e “passar por cima” de arbitragem e adversário, tal como fizemos na Copa do Brasil de 2001 e em tantos outros campeonatos que vencemos. Pode parecer meio “saudosista”, mas não podemos nos entregar agora. A HORA É ESSA! Direção, jogadores e torcida precisam estar unidos. Só assim alcançaremos o doce sabor das glórias novamente. Abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.