ESPECIAL ELEIÇÕES 2010: GABRIEL FADEL / MGAT

Dando sequência a série especial de entrevistas sobre as Eleições 2010, search trazemos a manifestação do presidente do Movimento Grêmio Acima de Tudo GABRIEL PAULI FADEL.

Aproveitamos para informar que a ordem de publicação das entrevistas está se dando conforme estamos recebendo o retorno dos entrevistados.

Boa leitura.

SI – O ano de 2010 será importante para o Clube também fora do campo. Em 2010 teremos 03 eleições importantes para o Grêmio – renovação do Conselho, prostate eleição da mesa do Conselho e eleição da Diretoria Executiva do Clube). Qual a sua expectativa para esses 3 processos eleitorais.?

GF – Esperamos que as eleições transcorram em um ambiente de plena harmonia entre os gremistas, com cada grupo político ou candidato expondo abertamente suas propostas e idéias a fim de que o conjunto dos associados possa examinar, frente a um bom debate, o melhor projeto para o futuro do Grêmio.

Aproveitamos para lembrar que o Estatuto do Grêmio não mais prevê a existência de uma “Diretoria Executiva” eleita, mas sim a eleição de um Conselho de Administração. Aliás, acreditamos que deveríamos discutir qual a melhor forma de composição dos órgãos diretivos do Clube; Diretoria, como previa o anterior Estatuto, ou Conselho de Administração, como prevê o atual.

Ainda devemos esclarecer que o Movimento Grêmio Acima de Tudo espera que já para as próximas eleições seja acolhida sua proposta no sentido de ser permitido o voto pela internet, visando possibilitar a participação de todos os associados, independente do local de residência.

SI – A última eleição para a renovação do Conselho Deliberativo – 2007 – foi muito disputada, tendo a chapa 3 garantido a sua representação no Conselho por pouquíssimos votos. O senhor acha que essa situação possa se repetir com uma chapa polarizando os votos dos associados ou teremos uma eleição mais equilibrada?

GF – Tudo dependerá das composições políticas.  

SI – Na condição de presidente de um importante grupo político gremista, o senhor considera possível imaginarmos uma eleição para o Conselho com apenas 2 chapas registradas ou teremos a repetição do cenário da última eleição com 3 chapas?

GF – Considerando o quadro atual, é possível que se apresentem mais de duas chapas, com este ou aquele grupo registrando chapa própria, sem composição com outro movimento político.

SI – Muito se tem falado, discutido, escrito sobre a questão das ausências dos conselheiros nas reuniões convocadas pelo Conselho, onde uma forte cobrança recai sobre o presidente do Conselho Deliberativo quanto a não aplicação do art. 66 do Estatuto Social do Clube. O senhor não acha que seria uma excelente oportunidade para que os atuais grupos políticos existentes iniciassem uma “depuração” dos quadros do Conselho, excluíndo de suas chapas aqueles conselheiros que são reconhecidamente ausentes, repartindo essa responsabilidade quando da montagem de suas chapas?

GF – Como já afirmamos em entrevista anterior, a ausência não é a questão mais grave, mas sim o silêncio que provoca a falta de debates no Conselho. Na renovação dos mandatos dos Conselheiros deveremos ter presente, no nosso entender, alguns critérios, verificando-se, por exemplo, a participação nos debates, nas comissões, na gestão do Clube, etc. Notamos que o Conselho deve cumprir o papel de ser um grande fórum de debates de todas as questões relevantes para o Clube.

No que tange ao art. 66 do Estatuto, o Movimento Grêmio Acima de Tudo já apresentou proposta para sua alteração visando à substituição do Conselheiro ausente pelo suplente, ainda que a ausência seja eventual. Esta proposta conta agora com o apoio expresso do Movimento Grêmio Novo.

SI – Qual a sua opinião quanto a possibilidade da presença de “figuras folclóricas” integrando chapas que irão concorrer para o Conselho Deliberativo?

GF – O Movimento Grêmio Acima de Tudo somente apresentará nomes para comporem o Conselho com reais condições de participação no Colegiado. No MGAT, sublinhamos, participam gremistas que além da capacidade para exercer tal função possuem grande representativa social. Porém, respeitamos a todos os gremistas que se submeterem ao democrático processo eleitoral e tiverem seus nomes escolhidos pelos sócios do Clube.

SI – O movimento que o senhor preside participará desse processo eleitoral de que forma? Já existe alguma articulação política para isso?

GF – O MGAT apóia a atual Direção do Clube. No momento aguardamos o início da  discussão dentro do G6, quando, então, tomaremos uma posição definitiva em relação ao processo eleitoral. 

SI – Quantos conselheiros ligados ao seu movimento estarão renovando em setembro?

GF – No nosso caso, essa é uma questão secundária, pois a apresentação de nomes pelo MGAT para comporem o Conselho terá por critério básico a participação no próprio Movimento.  Por outro lado, o nosso apoio à renovação dos mandatos dos Conselheiros com efetiva participação na vida do clube  independerá  de integrarem ou não o nosso Movimento.  

SI – Se fosse citar, quantos novos nomes o Grêmio Acima de Tudo irá apresentar ao associado na eleição do Conselho Deliberativo?

GF – Tudo dependerá das composições políticas, mas nosso Movimento pretende apresentar diversos nomes novos dentre os que participam ativamente do MGAT e possuem a qualificação necessária para o exercício da importante função de Conselheiro do Grêmio.

SI – No final de 2009, o Movimento Grêmio Acima de Tudo foi muito criticado pelos demais movimentos políticos em razão de sua postura crítica em relação ao projeto Arena. O senhor considera que esse momento foi superado e a união com os demais grupos do G6 permanece para a eleição de renovação do Conselho Deliberativo?

GF – Acreditamos que cumprimos uma importante missão, a de levar ao conhecimento dos associados e torcedores do Grêmio as condições do contrato celebrado com a OAS. A nossa crítica em relação a algumas das condições estabelecidas no referido contrato decorreram sempre de um bom propósito, o de defender o patrimônio do Clube e os direitos dos sócios. Assim, ditas críticas foram, temos certeza, assimiladas por todos os que acreditam que estas fazem parte de um processo democrático. Da mesma maneira também recebemos as críticas a nós endereçadas. Nesse passo, sempre permanecemos unidos aos demais Movimentos integrantes do G6 ainda que mantida a divergência quanto a alguns tópicos do aludido contrato.

SI – O “sonho” de todos os gremistas é ver uma grande união dos grupos políticos tricolores. O senhor avalia isso como sendo apenas um sonho ou algo possível de ocorrer na prática ainda em 2010?

GF – Sim, afinal todos somos gremistas e queremos um Grêmio vencedor.

SI – O seu movimento integra o G6. Existe a possibilidade da união demonstrada quando da eleição do Presidente Duda Kroeff se manter para os 3 processos eleitorais? 

GF – Esperamos que sim.

SI  – Para finalizar, considerando os quórum das últimas eleições e o número de associados aptos a votar, como fazer para que o eleitor tricolor com direito a voto vá até o Olímpico exercer o seu direito em uma número realmente expressivo?

GF – A eleição, em nosso entendimento, não pode mais ocorrer apenas nas dependências do Estádio Olímpico Monumental. Temos associados por todo o mundo. Logo, para que todos possam exercer o seu direito ao voto, deve ser viabilizado um sistema de votação pela internet como já foi proposto pelo Movimento Grêmio Acima de Tudo – MGAT. 

Participe da discussão

23 comentários

  1. O Conselheiro Gabriel Fadel vem desempenhando um excelente trabalho dentro do Conselho Deliberativo e a frente do Movimento Grêmio Acima de Tudo.
    É sem dúvida uma das maiores lideranças do clube.
    Precisamos de pessoas assim, participativas, contributivas e que procurem agregar as demais forças políticas do nosso Grêmio e este papel vem sendo feito pelo Fadel de forma magnífica.
    Com a liderança do presidente Fadel o MGAT cresceu em mais de 100 nomes, não apenas numericamente, mas com companheiros de qualidade e participativos, dispostos a contribuir com o Grêmio.

  2. Na questão da arena o Sr. Fadel prestou um grande desserviço ao Grêmio porque ficou provado que a dita divulgação das cláusulas do contrato foi cheia de equívocos. Verdadeira desinformação ao torcedor e ao associado.
    Nessa questão do associado não foi apresentada nenhuma proposta útil. Só demagogia.

  3. Sr. Carlos aposto que nao leu o contrato e mal sabe do que esta falando.
    Isto é que é demagogia.
    Aposto que estava abracado com o pessoal da ISL, tambem sem saber doque se tratava.

  4. Comentando um pouco de cada:

    FÁBIO MUNDSTOCK: Apesar de não ter sido conhecido anteriormente através de uma exposição midiática contínua e de não ter ocupado algum cargo na adminsitração direta, o conselheiro Fadel é uma figura das mais importantes do clube. Ele é uma liderança altamente positiva e pró-ativa. Há muitos que também são gremistas acima de tudo também desconhecidos do grande público em todos os movimentos. Mas o Fadel é especial.

    MARCOS ALMEIDA: eu prefiro que a eleição para o CA com a participação do associado ocorra no primeiro sábado após a última rodada do último campeonato do ano. Porém, não podemos ignorar o perigo que significa uma possível mudança de visão do clube exatamente no período em que a maioria dos concorrentes já deverá ter fechado várias contratações. O Grêmio não pode mais se contentar apenas com a “reba”. E eu acho que, independentemente da escolha de maus “bruxos” por parte dos últimos técnicos ou de mais erros do que acertos do Meira, me parece que nosso maior problema na hora de a direção acenar com perspectivas melhores tem sido esse – o de deixar as decisões mais importantes para a temporada seguinte para o fim do ano. De qualquer forma, esse não é um defeito exclusivo da atual administração e tampouco dá pra afirmar que ela seja a pior das mais recentes nesse sentido.

    Uma solução possível depende de um entendimento que, infelizmente, ainda não temos. Em primeiro lugar, as figuras dos VICE-PRESIDENTES e dos DIRETORES precisa ser ratificada no ato da inscrição da chapa ao Conselho Administrativo. Cada um dos seis membros do CA abaixo do Presidente deve ter um papel definido com antecedência. Esse artigo me parece ser o mais fácil de ser revertida no Estatuto.

    Enfim… Sugiro o seguinte:

    ELEIÇÃO PARA O CD: duas semanas para inscrição das chapas com suas respectivas nominatas completas de 16 a 31/08 (da 0h do 1º dia às 23:59’59 do último dia, independentemente do dia da semana). Caso necessário, quem inscrever mais cedo terá ainda tempo para solicitar a alteração de alguns nomes. O PLEITO seria no primeiro sábado de setembro sem jogo do Grêmio em casa. POSSE dos novos conselheiros em reunião do CD na última semana de setembro COM eleição à Presidência da Casa.

    DEFINIÇÃO DAS CHAPAS PARA O CA: prazo de inscrição das chapas ao CA da 0h de 1º/10 às 23:59’59 de 10/10. No decorrer do dia 11/09, sai a homologação, com os recursos possíveis tendo resposta final no decorrer do dia 15/09.

    Todas essas definições são possíveis e não creio que esses prazos sejam curtos, pois todos os Movimentos obviamente terão como decidir tanto a sua posição individual como em grupo a partir de vários Costelas no Rolete e Copacabanas em meio a esse período. Além disso, muitos já se conhecem e possuem todos os contatos necessários. Se um não tem tempo, cada grupo se reveza a fim de concluir suas articulações. Enfim… Me parece um processo normal.

    A ELEIÇÃO PARA O CA dar-se-ia então no primeiro sábado de dezembro após a última rodada do Brasileirão (ou – oxalá – do Mundial de Clubes). Desde a definição das chapas, aumentaria o tempo para campanha e para tornar público ao associado como cada grupo pretende gerir o clube.

    Como a nova composição do CD já estaria definida cerca de dois meses antes da eleição presidencial e dois meses e meio para o final de grande parte dos contratos dos atletas (normalmente, a maioria se encerra ou no meio do ano, ou em 31/12), ao menos uma “febre” acerca do interesse de renovar ou não por parte da direção com mandato ainda em curso poderia ser tirada.

    Nesse meio tempo, cada chapa ao CA possui uma visão de futebol, que certamente será conhecida pelos associados a partir dos sites oficiais e da participação em debates no rádio. Cada chapa, em seu respectivo site, deve se manifestar a partir de uma lista de 30 nomes de contratações DESEJADAS, a fim de que fique claro para o associado que tipo de time esperar de cada chapa.

    No decorrer de todo esse necessário meio tempo, a torcida poderia se manifestar nesses sites e em vários blogs (assim como o Sempre Imortal) fazendo uma sintonia fina e fornecendo diferentes sugestões. O que parece uma bagunça ou uma liberdade total tende a representar, na média, a manifestação do desejo da maioria: tanto os torcedores irão dizer o que querem como cada chapa poderá polir melhor o seu próprio discurso e corrigir eventuais desvios de rumo.

    Além de uma colaboração entre os associados interessados em se manifestar e as aspirações de cada chapa, os integrantes das diferentes chapas também precisariam reunir-se para definir pontos em comum que não podem ser ignorados: TODOS os candidatos a presidente, a vice de futebol, do jurídico, finanças e marketing precisariam finalmente agir como executivos, contactando a CBF para saber se não existe nenhuma ronha relacionada aos contratos de cada cogitado por cada chapa; de que o orçamento para categorias de base, folha e contratações do Dpto. Profissional, patrimônio, marketing e comunicação seja posto às claras e como cada grupo dividiria esses percentuais de investimento.

    Uma torcida mais bem informada e sem falsas ilusões minimiza a ação falsamente polêmica da mídia e uma agenda comum entre as chapas minimiza as diferenças que, de pessoais, passariam a ser meramente propositivas. As chaves são: TRANSPARÊNCIA, INFORMAÇÃO e ENGAJAMENTO.

    Vejam só o exemplo: eleições na internet é uma proposta do MGAT, tido como oligárquico (mas não é), acolhida pelo MGN (que não é tão revolucionário como pretendia ser no início). Isso prova que dá pra conversar e que se pode parar com a bobagem de falar em “dinossauros” x “noviços”.

    Lembro ainda que o populismo sempre irá existir. Porém, quem irá ganhar mais: quem tiver projetos para as famílias tricolores ou para as torcidas organizadas?

    CARLOS: infelizmente, não é possível revelar publicamente ações extremamente valiosas do conselheiro Fadel dentro da Grêmio Empreendimentos. Ele está liderando articulações que engrandecerão bastante o clube em paralelo ao Projeto Arena. E só foi possível a ele pensar nessas ideias por estar na diretoria da Grêmio Empreendimentos. Só adianto que isso não prejudica e não modifica em nada o projeto.

    []’s,
    Hélio

  5. O Fadel é prova viva dos beneficios trazidos pela mudança politica do clube e do pluripartidarismo, único meio para arejar a vida do Grêmio e alcançar a democratização. Clube de cardeais, como já referi aqui, o Grêmio era governado por caciques que amassavam grandes lideranças reprimidas pelos mandos dos donos da entidade. Tirante os que passavam por loucos, porque desabotoavam a economia interna e traziam para as ruas os debates internos ( e acho que aqui modestamente dei a minha contribuição para este crescimento politico do clube, juntamente com outros companheiros ), as questões da vida do Grêmio eram mantidas a sete chaves, e esta ´estratégia` foi se não a grande responsável a que mais ilustra o caso ISL. A própria questão econômica era ´roubada` do torcedor, como acnteceu na gestão 2000 quando as contas do clube se amontoavam em número impagável e qualquer um que fosse à mídia denunciar ( como fui ) era apedrejado lá dentro. O tempo se encarregou de mostrar o descalabro que houve e, espero, nunca mais se repita porque a politica do clube mudou de rumo, graças aos deuses.
    Pois neste caldo convivi infelizmente muito pouco com o Fadel, e hoje me penitencio por ter tido dele uma distância incompreensível, mas culpo diretamente aquela estrutura dominadora dos chefes e caciques. Foi só arejar o clube, abrir suas portas à democracia e nomes participativos, ativos, surgiram de todos os lados com grande imposição de liderança e idéias. Entre estes nomes ´velhos/novos` talvez o Fadel seja o mais representativo de todos. É um orgulho tê-lo como companheiro no CD e é por nomes como o dele que reputo inadmissivel e inaceitável a generalização que com alguma frequencia se fazia – finalmente parece que parou – de que o CD do clube é uma vaca de presépio e para nada serve. É de dirigentes como o Fadel que se faz a diferença entre um Grande CD e um CD submisso.

  6. DÍVIDAS AUDITADAS DOS PRINCIPAIS CLUBES: http://www.futebolfinance.com/as-dividas-dos-clubes-brasileiros-2009

    As dívidas dos três paranaenses somadas dão 2/3 da dívida do Grêmio. Mas estamos devendo menos do que “eles”, os da beira do lago.

    Quem está mal das pernas é quem não tem torcida: Vitória, Paraná, Portuguesa, Náutico…

    Isso me leva a pensar no seguinte: se esses 21 da lista fossem os maiores devedores (e não são, pois o Juventude não foi auditado), creio que, dos mais de 500 clubes ditos “profissionais”, 90% deve ter dívidas entre 100 e 500 mil reais.

    Esse valor pode parecer pequeno. Porém, no caso deles, quebra a banca.

    Voltamos aí ao final dos campeonatos estaduais que eu defendo… Que esses times façam equipes de futsal e invistam no atletismo. Futebol é caro, assim como o vôlei.

    []’s,
    Hélio

  7. Em muito pouco tempo, uma pessoa com o potencial do Gabriel Fadel será o presidente do Grêmio.
    Uma pessoa culta e arejada, sem ranço político.
    Quem sabe já não temos o possível sucessor do Duda se o Iranyzinho não quiser?

  8. Eu não conheço o Fadel pessoalmente, só através da mídia e especialmente do Sempre Imortal.
    Mas o que o mestre Josias escreveu sobre ele basta pra eu ter o meu conceito formado. Estou com o Fadel
    Mais uma excelente entrevista do SI com um grande gremista.
    OPOSIÇÃO, PODE ESPERAR, QUE O FADEL JÁ VA CHEGAR.

  9. Saio do meu auto-exílio depois de ter recebido a informação sobre esse post através de um amigo que veio de POrto Alegre.
    Andei dezenas de quilômetros até achar uma lan-house, pois não posso deixar de postar um comentário sobre essa pessoa íntegra, honesta, ética e gremista Acima de Tudo chamada Gabriel Fadel.
    O que o Fábio e o Josias escreveram bastaria, mas gostaria de reafirmar as palavras já escritas. Convivendo politicamente com o Fadel, sei que ele é uma pessoa extremamente qualificada e que não se arvora ser o dono da verdade. Sabe ouvir os seus pares e aceitar sugestões. Pensa sempre no melhor para o Grêmio, como todos nós. Mas quer ver o melhor para o Grêmio sempre.
    Parabéns Fadel pela entrevista e parabéns aos moderadores por essa série especial de entrevistas.

  10. Para quem assistiu a jogo (sauna) de hoje à tarde.
    QUOSQUE TANDEM CATILINA ABUTERE PATIENTIA NOSTRA?
    Tem gente lá no Gremio que mesmo num calor de 40º, continua com o “pé frio”.

  11. eu fui uma das testemunhas de hoje a tarde na sauna tricolor, digo, Olímpico Monumental. Lamentável tudo: horário, jogo, atuação, jonas, hugo (com febre, é verdade), silas. e sim, tô indignado, porque só quem foi torrar lá hoje pra entender o que tô falando…
    PS. a água que saia da torneira do banheiro era fervendo! nem pra lavar o rosto pra dar uma refrescada deu hj…

  12. Domingo foi o jogo que poderiamos perder. Hoje foi o calor e o desentrosamento. Mais adiante, logicamente, será o frio. Quando as desculpas não mais forem possíveis de se engulir, não faltarão os que dirão que todas essas coisas são reflexo da falta de grana para contratar. Não tenho vergonha de dizer: quando o presidente e o responsável pelo futebol dão entrevistas, desligo o rádio na hora. Por mais boa vontade que eu possa ter, não tenho mais “saco” para aturar o inconsistente blá, blá, blá que se tornou rotina ouvir após os jogos do Gremio. Aonde vamos parar, gente!

  13. Também testemunhei o tenebroso cotejo da tarde de quarta-feira.

    Estou bastante preocupado com a conduta do técnico Silas. Liguem os pontos comigo, por favor. Depois, digam se há algo mais ou se estou errado e por que:

    1) A base unificou o 442. Logo, é inadmissível o técnico dos profissionais manter esse esquema: Duda e Meira deixaram nas entrelinhas das entrevistas após o jogo o descontentamento com esse esquema que usa laterais como alas, um zagueiro a mais que não sobe “na boa” e pelo menos três volantes. Isso é chama-derrota, gol sofrido sempre e municiamento ao ataque próximo de zero;

    2) O Grêmio envolve sem envolver e pressiona sem pressionar;

    3) Maylson + Fernando > Adílson + Ferdinando (ou Túlio, ou Gordo Roca). NUNCA usar três ou mais dessa lista juntos;

    4) Silas considera o Gordo Roca líder do grupo. Sim, senhores, eu ouvi isso!!! O líder rifa a bola de chapa sem conseguir passar com suavidade, se manda pra cima sem saber o que fazer com a bola, ainda não perdeu a pança após oito meses de clube. Cobrar o que e de quem?!

    5) Achei Adílson péssimo no Grenal. Hoje, Silas disse que o alemão havia ficado quatro dias sem treinar na semana do clássico. QUEIMOU O JOGADOR PERANTE A TORCIDA E A IMPRENSA. Hoje, o fato se repetiu com Hugo: nunca vi na vida alguém render 50% do que pode em estado febril. Fiquei p… com ele. POR QUE ESCALOU, ENTÃO?!

    Nem o calor de hoje, nem as lesões do momento e tampouco os cuidados do clássico justificam as atitudes acima.

    Jamais saberíamos o que Vagner Mancini seria capaz de produzir com um tempo de trabalho minimamente justo no clube. Pessoalmente, ainda acho justo que Silas siga sendo “prestigiado”.

    Com o nosso plantel, não tenho medo de cair. Também acho que, na hora do “pega pra capar”, dificilmente seremos humilhados. Mesmo com ele, também acho que é possível obter uma vaga na Libertadores. Todavia, independentemente da famigerada “janela do verão europeu”, um técnico mais experiente não nos faria passar pela cada vez mais provável montanha russa de emoções a qual estamos sendo submetidos desde muito cedo.

    Faço um apelo aos frequentadores deste blog que porventura sofram de depressão, stress, hipertensão e transtorno bipolar: por favor, cuidem muito bem da saúde. Não gostaria de me privar da convivência de nenhum dos amigos.

    []’s,
    Hélio

  14. fui de tarde ao olimpico antes do jogo por questoes outras; deixei o carro estacionado junto ao estacionamento da bandeira, cheguei as 14 e 45 e sai as 16 hrs, deixei o carro debaixo de uma árvore, ao voltar liguei e abri o carro, deixei o ar ventilar … sai …. o termometro outside marcava 42 graus, o carro estava na sombra … nao vi o jogo por compromissos profissionais e não pude sequer escutar, infelizmente não pude ver… parece que o time foi muito mal … com ou sem desculpas, jogar no calor que fez hoje é coisa para animal … inaceitável o horário e o resultado … não pude nem ver a cena que dizem dantesca do Batista revirando os olhos e desmaiando … nada mais para comentar

  15. Na pressa, ao escrever meu comentário sobre o jogo de ontem, erradamente grafei o termo “engulir”. Ao contrário do famoso clichê do Zagalo, esta vocês não vão ter engolir.

  16. Estou grafando meu nome completo para evitar confusões com homônimos.
    Com referência ao Gabriel Fadel, endosso – com conhecimento de causa – as manifestações do Fábio Mundstoch, de Carlos Josias, Hélio Paz, Brunetto, Luís Felipe e Eduardo Bernardon: ele é “dez” e põe o Grêmio “acima de tudo”.
    Com relação ao assunto Arena, continuo não entendendo, nem aceitando, que o Grêmio de desfaça do Olímpico – que é seu – por preço vil, para contrair uma dívida de 300 milhões, por 20 anos. Torço, para que esse contrato “caixa-preta” seja rescindido, sem ônus para o Clube, no próximo dia 05 de março. Será o melhor presente de aniversário que terei na vida.

  17. Rosa:
    Estou curioso em saber:
    Qual é o preço vil?
    Contrair dívida de 300 milhões? Que dívida é essa? Com quem o Grêmio contrairá a dívida? Quando? Para pagar como?
    Por que “caixa-preta”?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.