Cinco jogos sem conhecer uma derrota e, pill se não me engano, viagra sale sem sofrer gols. De 15 pontos disputados, conseguiu 13. Esse é o Grêmio atual.

O empate sem gols contra o Atlético-MG deu um ponto importante fora de casa. Não foi o melhor dos cenários, mas não podemos dizer que é algo ruim para o Grêmio.

Citando o Lulu Santos, “não vou dizer que foi ruim, também não foi tão bom assim“. Para mim é esse o sentimento que ficou do jogo.

O Giuliano teve uma chance boa no inicio do primeiro tempo e não consegui fazer, frente-a-frente com o goleiro Victor e não teve a calma para tirar o goleiro. Dizem as más línguas que o jogador estava impedido, vai saber.

Barcos também teve uma boa chance e isolou a bola.

foto: Marcos Rocha
foto: Marcos Rocha

Por outro lado, Marcelo Grohe foi importante para segurar o resultado. O tricolor sofreu uma boa pressão do ataque da equipe de minas.  O goleiro está em ótima fase.

Geromel está melhor que o Werley. Acho que irá melhorar mais com uma sequência.

Novamente faltou tentar um pouco mais ir ao e arrematar. Lembro que já venho dizendo sobre essa necessidade.

 

O juiz é um capitulo a parte. Inverteu faltas, aplicou cartões em faltas simples de jogadores Gremistas.

 

No fim, o zero à zero não saiu tão mal assim, mas com a vitória o Grêmio se manteria no quarto lugar. Atualmente o imortal é sexto lugar.

 

Para o próximo jogo em casa na quinta-feira o Imortal não vai contar com Zé Roberto, que tomou o terceiro amarelo. Quem será que irá jogar na lateral esquerda?

 

@faneinbox

Publicado por Fane Webber

Minhas redes sociais. @faneinbox no Twitter. /faneinbox no Facebook. faneinbox@gmail.com é o e-mail de contato.

Participe da discussão

4 comentários

  1. Esse Giuliano tá sem condições. Barcos jogava melhor que ele em suas piores fases. Não dá. Não podemos ficar para sempre jogando com um a menos só para “não queimar o rapaz”.

  2. Passou 2013, estamos quase no fim de 2014, mas o futebol do Grêmio segue igual ao que tinha com o Renato. Mais uma partida sofrível vendo o Galo empilhar situações de gol e o Grêmio acuado jogando por uma bola e pelo empate.
    Não perdemos no detalhe, Grohe salvou de novo e a zaga jogou acima da média. Aliás, Werley teve que entregar 5 campeonatos para verem que não joga nada e o Geromel estava lá disponível. É muita falta de coragem pra mexer no time, por isso é clara a falta de diretor forte no vestiário, pra cobrar essas situações!
    Mas agora vem aí Duda Kroeff pra chutar a porta do vestiário, hahahaha!!!

    Felipão está brincando com a sorte, repete a inflexibilidade que mostrou na seleção e não tira do time os péssimos Ramiro e Giuliano. Novamente Giuliano afundou, atuação medíocre. Saiu só aos 37′ do 2T, inexplicável. Ramiro é titular incontestável na frente de Walace e Riveros, tb não tem explicação. E pra finalizar, Alan Ruiz arquivado!
    Estamos perdendo tempo, o G4 (consolação de quem não ganha nada) está acessível mas disputado, não podemos jogar fora mais pontos por insistir em jogadores que não rendem.
    E sobre o Luan, jamais vai se afirmar se jogar 5 minutos por jogo fora de casa, ou for sacado no intervalo na Arena. Precisa de sequência!!!

  3. E o Barcos confirmou o que acho dele, não tem posicionamento de centroavante. Por duas vezes o Dudu foi ao fundo, cruzou rasteiro e o Barcos ficou esperando atrás do zagueiro.
    Se analisarmos os gols do Barcos a maioria é de chutes da entrada da área ou rebote. Pouquíssimos de cabeça ou finalização direta de cruzamentos.

  4. – Empate fora de casa com uma grande equipe não é um resultado desprezível. Se vencermos os dois próximos jogos em casa, aí sim terá sido um muito bom resultado. Embora ainda falte um pouco de ousadia para a equipe, temos que convir que o esquema atual foi a fórmula encontrada por Felipão, para solucionar a falta de qualidade em determinadas posições. Hoje, Geromel e Biteco são as mudanças que estão dando certo, tanto é verdade, que o sistema de contenção está dando uma boa resposta. O mesmo não se pode dizer do setor encarregado de armar as jogadas e agredir o adversário. Não é crível que jogadores experimentados errem tantos passes e não saibam cruzar uma bola para dentro da área. Fico pensando comigo: como é que os dirigentes que contratam determinados jogadores não se fixam nessas importantes minúcias da formação de um atleta? A tabela, o passe, a cruzada para a área e o chute de fora da área, deveriam ser os fundamentos balizadores de qualquer contratação, principalmente dos meias e dos atacantes. Acho que a contratação do Juliano mais pareceu uma demonstração de “fanfarronice” dos dirigentes com o nosso TA tendo em vista a origem do jogador, do que o resultado de uma avaliação criteriosa. O fato de jogar no exterior não deveria ser o único argumento a ser levado em consideração a favor do jogador.

    – A notícia da entrada de Kroeff na chapa como dirigente do futebol é um sintoma, mais do que evidente, de que Koff vai abandonar o barco ali adiante. Há quem diga que seria o “contrapeso”, de última hora, em virtude do fraco desempenho do Departamento de Futebol e do pouco apelo da candidatura de Romildo Bolzan.
    Enquanto isso, a candidatura Bellini ainda não disse ainda a que veio. O simples fato de se contrapor à atual direção, não sensibiliza o eleitorado, pois, até agora, não apresentou nada que se possa reconhecer como garantia de uma mudança significativa. Fica tudo na base do: primeiro ganhar a eleição e depois a gente vê o que se pode fazer.
    Quanto à terceira opção, fiquei preocupado ao ouvir o candidato (que esqueci o nome). Me pareceu pouco afeito aos microfones e titubeante ao responder os questionamentos da reportagem. É uma incógnita. Mas, é salutar para a democracia gremista que novas lideranças se insurjam dentro do quadro político do clube, pois, uma renovação se impõe para tirá-lo da mesmice em que está atolado.
    Sinceramente essa eleição não empolga. Tudo gira em torno de Koff. É consenso entre os gremistas de que uma vitória da situação depende exclusivamente da sua participação no pleito. Por isso o esforço derradeiro em incluí-lo na chapa, ainda que na condição de vice de futebol, o que, aos olhos do torcedor mais atento, não passa de uma manobra eleitoral com vistas a fortalecer a chapa. Sem ele, tudo vira especulação. Sem ele, não sei não…

Deixe um comentário

Deixe uma resposta para Darcilio Eduardo Messias Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.