Domingo vai ser…

Domingo vai ser foda.

Brigada Militar já provou que não sabe viver em sociedade mais de uma dúzia de vezes, viagra buy mas somos reféns dela como cidadãos. A mesma BM que supostamente acertou uma bala de borracha no olho de um torcedor do Grêmio. A mesma BM que supostamente agrediu a torcida do Inter fora do estádio por estar com sinalizadores. A mesma BM de tantas outras vezes. Essa corporação que com certeza tem gente boa, cheap mas que se os bons estão no meio dos que participam desses atos insanos, estão calados ou conformados.

Domingo vai ser foda.

Torcida mista, aquela emoção de casais na arquibancada… Até o primeiro idoso mandar um outro tomar no cu. Sério, sempre começa com um idoso, salvo algumas exceções.

Domingo vai ser foda.

Caminho do gol e alguém deve pensar que vai ser igual a Copa do Mundo, mas dai vai ver que não tem gringo, que o povo não quer fazer novas amizades e que nem de longe o clima de micareta continua.

Domingo vai ser foda.

Não sai da minha cabeça que tudo isso é uma estratégia para torcida única. Para que os torcedores briguem entre eles e dai com uma boa lavagem cerebral da BM vamos pensar que todo torcedor é irracional e babaca. Ignorando que somos torcedores e que portanto deveríamos ser babacas também, mas afinal de contas a culpa é sempre do “outro”.

Domingo vai ser…

Time em campo. GREnal é um daqueles jogos mágicos onde não existe o favorito segundo a lógica. Espero que o Grêmio esteja querendo demais esse jogo, do técnico Felipão até o motorista do ônibus, todo mundo querendo vencer o primeiro desafio real do ano.

Domingo.

ce44f2fe8272a37e8569910197084b2d7ceefb4d767547a47171eae0a5c89900

Falando em lógica. Nessa sexta-feira morreu Leonard Nimoy, também conhecido como o oficial de ciências e primeiro oficial da nave estrelar USS Enterprise, Spock. E além da sua saudação característica “vida longa e próspera” também era conhecido por usar a razão como base em todos seus argumentos e rebatendo as ideias impulsivas do Capitão Kirk dizendo ser “ilógicas“.

Fazendo um comparativo com o futebol, que o Grêmio seja mais Capitão Kirk no jogo de domingo do que Spock. Porque precisaremos da bravura, emoção e heroísmo de Kirk para vencer nosso desafio. Com atitudes que fujam da lógica para assim contraria-la.

Assim, Spock diria:

hmn, esse domingo foi ilógico

Que domingo seja ilógico para todos nós Gremistas.

 

 

 

(caso contrário esse este texto que não terá lógica)

Publicado por Fane Webber

Minhas redes sociais. @faneinbox no Twitter. /faneinbox no Facebook. faneinbox@gmail.com é o e-mail de contato.

Participe da discussão

6 comentários

  1. SP parece que quer Everton e Raul pela troca do Maicon. Se o Gremio aceitar comprova que nao entendem nada de futebol mesmo. Nosso melhor lateral direito nao joga aqui mas serve pra time que ta na Libertadores…

  2. Estava pensando nessa da BM. Para quem for ao jogo, seria bom levar ao menos celular com câmera para caso possa flagrar de perto qualquer abuso que ela venha a cometer contra os torcedores. Por favor, não deixem a truculência matar nossas torcidas.

  3. Sou contra a Brigada nos estádios de futebol. O evento é privado e a responsabilidade é de quem o organiza. Digo isso porque a função da segurança pública não é dar cobertura direta a eventos particulares e sim garantir o ir e vir dos cidadãos dentro da ordem e do respeito mútuo. Todo mundo sabe – e não é preciso ser “bidu” – que hoje ir ao futebol é uma atividade de risco, principalmente quando a rivalidade está acirrada. Mortes, brigas, depredações e tumultos quase que incontroláveis transformam o que deveria ser um ato prazeroso numa aventura perigosa e preocupante, principalmente para mulheres, idosos e crianças. O uso de sinalizadores, foguetes e similares põem em risco a vida do seu portador e de terceiros e não há uma justificativa plausível para seu uso num recinto fechado e abarrotado de gente. Na combinação da droga com o álcool – quem já usou sabe muito bem – o animo fica mais sensível a qualquer provocação e quase sempre descamba para a desavença. Não é a toa que as torcidas organizadas se tornaram redutos de “gangues” que se locupletam com o dinheiro do clube e que se desvirtuaram de sua função. Isso não é invenção. É fato. A Brigada, na rua para garantir a tranquilidade da população. Nos estádios, uma série de providências para inibir a ação de vândalos, malfeitores e desajustados sociais, que se homiziam na malta para se manter no anonimato. Disso, o clube não pode se omitir nem abrir mão. O futebol é um esporte, uma festa, embora alguns dele se utilizem para dar vazão ás suas frustrações.

  4. Num Grenal morno de torcida mista, empate é um resultado até esperado. Mas é triste ver o time titular do Grêmio jogando retrancado, acovardado contra os reservas deles. É muito apequenamento. E não culpo o Felipão por jogar com três volante, apesar de que no segundo tempo com apenas dois e a entrada de Giuliano empatamos igualmente em 0x0 e o Inter só foi melhor porque o Diego Aguirre substituiu melhor, colocando dribladores como Vitinho, Luque e Alisson Farias (muito bom jogador por sinal), enquanto Felipão alijou o nosso ataque colocando a figura NULA do Everaldo, jogador de empresário. Só pode.

    O que vi: um primeiro tempo de domínio do Inter mas de duas ou três boas chances pro Grêmio através do melhor jogador do nosso time no jogo o menino Lincoln, abusado e aproveitando a fragilidade do lateral deles, Wink. Não gostei de Araújo, completamente envolvido na marcação, vazando de tudo que é lado e destoando de Fellipe Bastos e Walace que se impuseram. Matias teve dificuldade com Valdívia e Marcelo “Pará II” Oliveira não passava do meio e tinha atuação modesta. A zaga foi segura e Mamute por ser forte ao menos dava válvula de escape para o ataque apesar de sabermos não ter presença de área pois não é de fazer gols. Enquanto isso Douglas fazia o seu joguinho, até movimentou-se e deu alguns passes mas muito longe de ser solução pra algo num time que tenha ambição. Terminamos o primeiro tempo um pouco melhor, com algum perigo através de Mamute e Lincoln.

    No segundo tempo Giuliano entrou até bem mas foi caindo de produção junto com o time devido as alterações melhores e mais ofensivas de Aguirre em relação a Felipão. Lincoln continuou sendo abusado e sendo nossa única opção ofensiva, Everaldo entrou e paramos de atacar. Matias teve de enfrentar Vitinho ao invés de Valdívia e deu-se bem, conseguiu fechar o lado direito apesar de não passar muita confiança pois era visado o tempo todo pelos adversários justamente por saberem de sua fragilidade defensiva, mais pro fim Luque entrou levando alguma vantagem por ali mas a zaga conseguiu se safar até porque o Inter não tinha um centroavante de maior presença de área. Marcelo Oliveira mais solto para ir a frente, nada produziu mesmo com Lincoln estando inspirado e dando boa sequencia nas jogadas pela esquerda.

    Comemoramos um empate com os reservas dele pelo nosso momento muito ruim.

    Mas é muito pouco para um clube da grandeza do Grêmio. E continua preocupando muito a carência ofensiva do time e as teimosias de Felipão com Matias, Oliveira, Araújo, Galhardo, Douglas, Everaldo, logo voltará Ramiro como se fosse solução e assim vamos perdendo tempo com jogadores questionáveis sem nem experimentar, Raul, pro exemplo. Felipão vive tirando Walace mas quando a parada é torta e tem Grenal aí volta rapidinho com o jogador… Logo, logo as paradas serão bem mais tortas no Brasileirão e esse time atual e plantel (que é o que pode ser avaliado sem futurologia!) que sofreu e teve de parir uma bigorna para empatar com o expressinho colorado é candidato sério a rebaixamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.