De colaboradora – Fim de ano – novamente a vaga!

Seis partidas para o final do brasileiro e precisamos ter foco. A derrota de quarta-feira foi dolorosa. Triste. Frustrante. O sonho de ganhar a Copa do Brasil ficou para o ano que vem.

Mas é preciso, look nessa hora, muita sabedoria por parte da direção e comissão técnica. O que está errado, afinal de contas? É, principalmente, o futebol!

Faz tempo que estamos nesse “chove-não-molha”, troca direção, troca técnico, e não chegamos a lugar nenhum. Ou melhor, chegamos perto, batemos na trave, e levamos a vaga para a Libertadores. Às vezes, nem sempre. Mas nesse fim de ano melancólico é por ela que vamos lutar.

Acredito no Renato, no seu potencial, no seu desempenho, mas percebi que também tinha um certo pensamento mágico de que com a sintonia dele com os jogadores, Presidente e direção, suplantaríamos os problemas, venceríamos os desafios e poderíamos ganhar a Copa.

Serão necessários muito empenho, muito trabalho e muito equilíbrio para voltar a vencer. Mas esse equilíbrio, curiosamente, só será atingido, se nos indignarmos.  Não sei onde estão as pessoas que podem transformar a indignação em resultado. Nos grupos/movimentos? Tenho dúvidas, porque são muitos, alternam-se entre si e a situação segue a mesma. Na torcida organizada? Há muita resistência, afinal muitos torceram o nariz com a eleição de Conselheiros da Geral. No restante da torcida? Difícil saber. Mas o que importa é continuar tentando, renovar contratos com quem realmente sabe jogar, escolher dirigentes qualificados, assessorar-se de profissionais competentes e comprometer-se com a torcida de virar esse jogo porque, afinal, chega de maus resultados.

Maria Regina Duarte

Participe da discussão

6 comentários

  1. até a Ponte tem mais culhão que o Grêmio!

    Fico imaginando a delegação do Grêmio na Argentina, indo buscar um “empatezinho” ou decidir nos penaltis contra o Velez…

  2. Regina, extraio fragmentos do teu belo texto, a fim de sintetizar causas que se repetem há mais de 12 anos:

    “O que está errado, afinal de contas? É, principalmente, o futebol!

    Serão necessários muito empenho, muito trabalho e muito equilíbrio para voltar a vencer. Mas esse equilíbrio, curiosamente, só será atingido, se nos indignarmos.

    Mas o que importa é continuar tentando, renovar contratos com quem realmente sabe jogar, escolher dirigentes qualificados, assessorar-se de profissionais competentes e comprometer-se com a torcida de virar esse jogo porque, afinal, chega de maus resultados.”

    EXATO, Regina: profissionalismo não deveria ter estreita relação com amizade e ou simpatia, muito menos com “gratidão”. Comprometimento de fato é ter responsabilidade EXCLUSIVA com a Instituição.

    Nada mais tenho a acrescentar, pois já disse e escrevi tudo via twitter e ou blogs, todavia deixei de me manifestar após a desclassificação na CB por respeito a nossa dor .

    Gostaria de deixar considerações para reflexão:
    1) situação financeira do clube é preocupante;
    2) nossa base de grupo está escassa em termos de qualidade;
    3) para titularidade em 2014, temos quantos? Penso que Grohe, Rodholfo, Souza, Ramiro, Riveros (?);
    4) nossa base (sub 20) não nos dá a mínima esperança em termos bons jogadores. Continua mal administrada , talvez pelo mesmo critério de seleção de “profissionais” (amizade, simpatia, indicação….);
    Diante desse “quadro” (não temos recursos financeiros, tampouco técnicos), PERGUNTO se valeria a classificação para a LA (claro que teríamos mais receitas, mas até q fase iríamos? Não atrapalharia os demais campeonatos?).
    Ok, ainda estou dolorido e triste, frustrado e desesperançoso em tudo que está sendo feito nesta gestão, mas será que não seria mais correto/duradouro investirmos na formação de uma base de grupo sem jogadores famosos e ou caros (para isso, teremos de ter dirigentes criativos e que conhecem jogadores das séries A a D); disputarmos o Gauchão para vencer (meu filho de 9 clama por uma faixa, chorou copiosamente na quarta-feira e pediu até o título do Gauchão); iniciarmos um bom Brasileirão e uma boa CB, de maneiras a termos esperanças em vencermos os DOIS?

  3. Meus parabéns, Maria Regina, pelo texto. Infelizmente a palavra de ordem no Grêmio nos últimos tempos é: PROMESSA!. Vivemos de expectativas, apenas, Nada de palpável, de concreto. O que está acontecendo com o Grêmio que não consegue juntar um bom grupo de jogadores?
    O que está faltando? Que mistério é este?
    Alguém pode explicar?

  4. Foi-se o tempo que fazer de qualquer maneira dava certo. Creio que era bom aquele tempo, mas passou.

    Nos anos 80, 90, poderia fazer as coisas até de maneira amadora que se colhia frutos. Quem se organizava um pouco, tinha mais chances.

    Infelizmente/felizmente o mundo evoluiu e com ele o futebol ( fora de campo principalmente ).

    E saliento:
    – O Grêmio é um Monza SLE super luxo dos anos 80/90. Completaço. Desejado por muitos, mas poucos podiam.
    Era um carrão, ERA !!!

    Logo, temos que evoluir como Instituição, temos que entrar no século 21.
    O caso da Arena escancarou a nossa gestão, que está totalmente ultrapassada.
    Temos agora um Super Estádio e não sabemos nem o que fazer com ele, além de jogar futebol lá dentro.
    As pequenas ações em jogos são amadoras, como colocar um DJ colocando músicas ridiculas. Temos que pensar em coisas mais espertas, mais inteligentes.

    É impossível se comparar com Barça e Real Madrid, mas ali os cara são o que são POR QUE O PROFISSIONALISMO é EVIDENTE, dos mais alto gabarito, levando aquela estrutura toda pra frente. Claro que existe milhões de fatores para isso, mas um dia eles também tiveram que optar por algo a mais para se tornar os maiores.

    Respeito quem comanda, dirige e leva o Grêmio a frente, não é fácil, mas precisamos algo a mais, ainda mais nesse século em diante. Não sei se no Brasil tem gente gabaritada para gerir uma estrutura que montamos, com Arena, valores altos, plano de negócios, metas audaciosas, indicadores complexos..

    Interessante que os valores do futebol brasileiro são semelhantes aos de fora, mas a gestão…. ???

    Então, minha humilde opinião:
    Precisamos aprender a simplificar as coisas.
    Diminuir o número de conselheiros.
    Desvincular o máximo a politica do clube.
    Dar maior chances e oportunidades REAIS para gente nova.
    Contratar gente estudada para os mais diversos níveis de gestão do clube.
    Valorizar e FIDELIZAR mais os torcedores. Está enganado quem pensa que baixar valor de ingresso é a única maneira de encher estádio.
    Precisamos que as categorias de base estejam a pleno.
    Precisamos se livrar dos aproveitadores. Isso é do tempo do Monza.

    Enfim, o caminho é longo, muito longo, mas alguém deveria começar. É algo para tese de Doutorado, Phd etc etc

    Mas o Grêmio está ai esperando por essas mentes brilhantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.