De Colaborador: NUMERAÇÃO FIXA NAS CAMISETAS

 

Como o assunto relativo ao Manto Sagrado Tricolor 2010 retornou, generic principalmente pela proximidade do lançamento da nova coleção e pela “venda no escuro” que o Clube está promovendo, ailment toco em um assunto que já foi alvo de vários comentários em posts anteriores, capsule todos com dados concretos mostrando a validade de tal ação.

Sei que para este lançamento da coleção 2010 a correria deve estar grande, principalmente pelas fortes críticas de todos nós aos fardamentos anteriores da Puma, mas gostaria de deixar uma sugestão que, com toda a certeza não deve ser nova no Grêmio, mas creio que seria um grande sucesso e uma ação forte do marketing e que vem sendo discutida em inúmeros foruns tricolores, todos com uma incrível aceitação por parte dos associados e torcedores: A NUMERAÇÂO FIXA NAS CAMISETAS DOS ATLETAS GREMISTAS.

Como todos sabemos essa é uma prática que na Europa é utilizada em todos os clubes, sendo que no Brasil já encontrou nos clubes de São Paulo, RJ seguidores. No campeonato brasileiro do ano passado, outros clubes fora do eixo SP/RJ também passaram a adotar a numeração fixa nas camisetas. E já no começo de 2010, são vários os clubes que já estão adotando essa estratégia mercadológica juntos ao seus departamentos de futebol para avalancar a venda de materiais esportivos e trazer o público fiel na aquisição de camisetas para esse novo nicho de mercado.

Comentando com um amigo em janeiro sobre a apresentação do Loco Abreu e do Herrera no Botafogo e as suas camisetas nºs 13 e 17, ficamos imaginando a prática sendo utilizada no Grêmio. que gremista não gostaria de ter uma camiseta de uso exclusivo de atletas como Mário Fernandes, Rafa Marques, Hugo, Borges, Souza, Leandro, entre outros???

Eu não teria os dados necessários para afirmar, mas creio que a experiência em 2009 com a camiseta 16 do Maxi tenha surtido ótimos resultados na Grêmio Mania. Digo isso, pois nas sociais, onde frequento, eram dezenas de tricolores usando camisetas com a numeração 16 e com o nome do Maxi estampado no Manto Sagrado. E até em um primeiro momento, caso a Puma encontre dificuldades (?!?!?!) para viabilizar as camisetas exclusivas para cada atleta, a identificação de cada uma (numeração/nome do atleta) poderia ser feita até mesmo na Grêmio Mania, que possui equipamento para isso.

A idéia seria a definição, antes do lançamento da coleção 2010, da numeração de todo o grupo principal, onde teríamos cada atleta com a sua numeração para todo o ano e as camisetas com os nomes de cada um deles e sua respectiva numeração. Após essa definição, o marketing poderia organizar um “coquetel de apresentação do fardamento e da numeração 2010”, direcionado a imprensa, convidados, fornecedores, etc, com a presença de todos os atletas. E caso a idéia seja aceita, não se esqueça de me convidar!!!

Pode parecer algo até mesmo pequeno, mas conversando com vários torcedores sobre o assunto desde 2009, tenho absoluta certeza que a receptividade seria excelente. Sem contar que sairíamos na frente dos vermelhos, pois essa é uma tendência que cedo ou tarde todos os clubes irão seguir. E sendo assim, por que não iniciarmos 2010 na frente???

Enfim, é uma sugestão modesta que passo ao nosso Clube, que de fora, imagino que não possam existir opositores a uma idéia que é extremamente simples de operar e muito simpática para o torcedor gremista, isso sem falar na questão do uso da imagem do atleta vinculado ao número de sua camiseta ao longo de toda a temporada. Ou melhor, caso existam “opositores a essa idéia”, não consigo imaginar quais seriam os argumentos que podem inviabilizar tal sugestão.  E antes que alguém diga que a culpa pela não adoção de tal idéia é do marketing gremista, informo que lá a idéia encontrou apoiadores.

Abaixo, seguem apenas 2 exemplos mais do que recentes sobre o assunto que estão na internet, um referente ao Botafogo e do Santos:

Reforços levam Botafogo a numeração fixa

Ideia é individualizar a comunicação a partir de iniciativas que tenham relação com o perfil dos atletas e o número que eles usam Segundo maior artilheiro da história da seleção uruguaia, o atacante Sebástian “El Loco” Abreu foi apresentado pelo Botafogo nesta semana. Pediu à diretoria para usar a camisa 13, entregue a ele por Mário Jorge Lobo Zagallo, ex-atleta do clube e da seleção brasileira, que sempre teve predileção pelo número. O argentino Herrera, outro reforço da equipe carioca, chegou ao Rio de Janeiro na última quinta-feira e já avisou à diretoria que quer vestir o uniforme 17 nesta temporada. Os dois aceleraram uma ideia que já corria no time, que adotará numeração fixa em 2010.

Essa será a base de uma série de ações de marketing que o Botafogo desenvolverá neste ano. A ideia é individualizar a comunicação a partir de iniciativas que tenham relação com o perfil dos atletas e o número que eles usam.

“Essa é uma coisa que nós estamos trabalhando desde o ano passado, que é a customização da camisa. Queremos fomentar ainda mais esse conceito, com os torcedores comprando produtos que tenham a ver com determinado número. Claro que a camisa é o carro-chefe, mas queremos algumas coisas específicas para cada jogador. Isso dependerá, evidentemente, do perfil e da época”, explicou Márcio Padilha, diretor de marketing do Botafogo.

A diretoria alvinegra já tinha planos para adotar numeração fixa desde o ano passado, mas na época a proposta foi vetada por dificuldades logísticas e operacionais. Neste ano, os pedidos de Abreu e Herrera aceleraram o processo. “Foi a motivação final. Isso facilita a programação visual e o trabalho de questões como site ou telão no estádio. E é um desejo antigo da torcida, o que é importante”, afirmou Padilha.

 

Peixe estuda adotar numeração fixa, e jogadores correm para escolher camisas

Paulo Henrique quer ser 8 ou 22 em homenagem a Kaká. Único jogador que já sabe qual será seu número é Giovanni: 10

O Santos estuda adotar numeração fixa para a temporada 2010. A diretoria vem discutindo o assunto há algum tempo, mas de acordo com o gerente de marketing do clube, Armênio Neto, a mudança ainda não está decidida. Seja como for, os jogadores já se planejam para ter números exclusivos.

O meia Paulo Henrique Ganso, fã de Kaká, quer usar ou o número 8 ou o 22. O craque da seleção brasileira era 22 no Milan e agora usa a 8 no Real Madrid..

– Se os números forem mesmo fixos, eu já escolhi os meus – comentou o jogador, durante a apresentação dos novos uniformes do Peixe, nesta sexta-feira.

Já Neymar quer a 7 ou a 17. – Sete porque é o número que eu já uso, que eu comecei a aparecer. E 17 porque foi a idade em que eu subi para o profissional.

Por enquanto, apenas um número está decidido. Giovanni, ídolo da torcida, vai ser o 10. Mesmo se a novidade por aprovada, os laterais continuarão usando 4 e 3 (direito e esquerdo, respectivamente) e os zagueiros, serão 2 e 6. Já faz parte da tradição santista a inversão dos números na defesa.

Saudações tricolores.

Eduardo Bernardon,

Sócio Patrimonial – Um dos milhares de DONOS do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense

Participe da discussão

51 comentários

  1. EXCELENTE IDEIA. SUGESTÃO SIMPLES E DE FÁCIL APLICAÇÃO E QUE SE NÃO DER RESULTADO, PODE SER REVERTIDA SEM PROBLEMA ALGUM.
    MUITO BOA SUGESTÃO, BERNARDON.

  2. Sugestão excelente! Uma pena que no Grêmio esse tipo de iniciativa não é levada adiante pq o mandatário responsável pela área não manja nada!!
    A Puma fez 2 uniformes ridículos nos anos 2008/2009 e ficou por isso mesmo! Parece, segundo informação que li, que o fornecedor vai continuar. Ou seja, nós torcedores somos um bando de babacas que reclama, reivindica e sofre com essas coisas e nada acontece!!
    As vezes cansa…
    Abraçoss do gremistão
    ANDRE

  3. Como já mencionei anteriormente, as vantagens são enormes para todos e em todos os sentidos:

    – Para o clube, que faturará muito mais com os atletas em destaque na temporada;

    – Para a imprensa e para a torcida, pela imensa facilidade na identificação dos jogadores fisicamente parecidos, além de facilitar bastante a evolução do time durante a temporada. Por exemplo: muitos jogadores com números de 1 a 11, inicialmente titulares, perderão a titularidade ou se afirmarão. A época do ano em que eram titulares tornar-se-á muito mais fácil de observarmos para determinarmos se o time era melhor ou pior quando A, B e C jogavam juntos ou quando faltava apenas um deles.

    Quem foi contratado no decorrer da temporada se torna melhor identificável, pois não era hábito ver o seu número durante os primeiros meses. O mesmo vale para quem for negociado.

    Outro detalhe importantíssimo: de 0 a 99, são 100 números. Embora os mais conservadores considerem exagero ou descaracterização, vejo de maneira contrária. Caso algum jogador (bom ou não) seja negociado, dificilmente o clube terá mais de 40 a 45 jogadores (contando os da base) na mesma temporada. Então, quando alguém sai do clube, NA MESMA TEMPORADA, ninguém mais poderia usar o mesmo número.

    []’s,
    Hélio

  4. Acho a idéia muito boa! Só vejo um argumento que pode ser decisivo para a não adoção da numeração fixa e que nos diferencia dos clubes europeus: Lá os jogadores costumam ficar 3, 4 anos no mesmo time. Cria-se um vínculo maior. Aqui, a cada ano mudam os jogadores, ao menos no Gremio (claro tem exceções, como o victor, Tcheco). Mas vejam o caso Roger Chinelinho ou Maxi Lopes. Depois da saída do Maxi eu não teria mais orgulho de vestir a camiseta 16. Só se fosse a antiga, do Jardel!

  5. A idéia é show de Bola Bernardon.
    Só que o problema é interno no Grêmio, la de dentro não parte nenhuma idéia boa, pois depois da compra da estrela “eu larguei os caras demão”.
    Mas vale a idéia para um administração que tenha planejamento e ambição das coisas, o marketing é muito papo e nada de ação.

    Um dia serei presidente do meu clube e te colocarei ao meu lado.

    DAÍ SIM A COISA VAI…..

    Grande Abraço

  6. Já tive oportunidade de responder diretamente ao autor da idéia (Bernardon)que penso ser algo interessante, de fácil aplicação e com a possibilidade de criar ações de MKT proveitosas.

    Isso SE o nosso responsável pelo MKT “conseguir” fazer algo proveitoso para o clube.

    Por exemplo, no caso deste super contrato de patrocínio recém anunciado, se o valor for este mesmo, das duas uma: ou a direção fez um MILAGRE ao vender os ombros por apenas 10 meses ao preço que os grandes do Rio e SP vendem por ANO (com muito mais exposição na mídia); ou – como venho dizendo há muito – o valor que o Banrisul pagou pelo espaço mais nobre do uniforme é muito baixo.
    É só compararmos os 5 milhões por 10 meses (ombros) por 7 milhões por 12 meses (peito e costas). Na ponta do lápis, representa 500.000 por mês contra 580.000 por mês, sendo um espaço muito mais nobre do que o outro.

  7. Sou bem conservador.

    Do 1 ao 11 tá bom, no máximo admitir numeração fixa até o 25.

    80, 44, 171, 33 é muita frescura

  8. Uma pergunta que se impoe ao futuro candidato a presidencia:

    – quem será seu diretor de mkt? não vai dizer, então não voto em tí!!

    cb

  9. O novo patrocinio foi um grande negócio, parabéns a direção!!!
    Porém, mostra a defasagem em relação ao patrocinio do Banrisul e o da Tramontina (1 milhão/ano) e Unimed (1 milhão/ano.
    Não vi a camisa ainda, mas espero que não fique muito poluida.
    Como ja havia comentado, se a diferença dos valores da Midea para a Tramontina será de 4 milhões, vale a pena continuar com a Tramontina, poluindo a camisa e podendo desestimular as vendas?

  10. marcos:

    não é frescura, é questão de mercado. camisa com numeração fixa vende mais. vou demonstrar abaixo:

    falaram que o problema da numeração fixa é que o jogador fica um ano e vai embora. pois bem: na verdade, isso só estimula que o torcedor compre no próximo ano mais uma camisa. portanto, vende-se mais camisas!

    pra mim, concluindo, isso não é problema nenhum (a não ser pro torcedor, que vai gastar mais… hehee. mas como o clube lucra mais, tá valendo…).

  11. Como esse tópico É DE SUGESTÃO e ao que consta o Duda Kroeff e seus pró-homens acompanham o blog diariamente, fica uma sugestão:
    – Chamem o Hélio e o Bernardon pra colaborarem com o mkt. Duvido que eles se neguem em ajudar o Grêmio. Seriam 2 abnegados que iriam agregar valor ao trabalho que é desenvolvido no Grêmio.
    E respondendo ao Cesar: Hélio e Bernardon trabalhando juntos.

  12. A sugestão do Luis Felipe – esquecendo o possível tom de brincadeira – é algo sério e que poderia mostrar que essa direção que teve o meu voto é realmente aberta e transparente em se tratando de trazer pro Grêmio gremistas que realmente possam contribuir pro Clube. Quem fizer uma pesquisa só nesse blog vai ver a série de sugestões que os 2 já deram pra direção. Isso sem contar que eles seriam um elo mais forte de ligação entre os leitores do blog e o Grêmio.
    Fica dada a sugestão do Luis Felipe e referendada pelo Sidnei e pelo Kegler.

  13. Não sejamos ingênuos!!
    Será que nenhum dos que estavam naquele grupo não tinham idéias inovadoras? De nada adianta ter idéias se quem manda não deixa que elas virem realidade!! Vocês sabem onde está o furo…
    Abraçoss

  14. Vocês não acham que tem assuntos mais importantes do que ficar tratando de numeração de camisas? tipo, as besteiras que o Meira e o Duda falam nas veiculos de comunicação?

  15. Eu acho que o fato de os jogadores infelizmente permanecerem menos tempo aqui do que em um clube europeu mais ajuda do que prejudica a iniciativa.

    Por exemplo: qual foi o último grande camisa 9 que o Grêmio teve? Lima Alazão, de 1986 a 1988. Antes dele, Baltazar, de 1979 a 1982. Da geração que era adolescente em 1995 em diante, a maioria não teve Baltazar ou Lima presentes no imaginário de sucesso como centroavante. A camisa 9 venderia hoje como vendia quando eu era piá? Certamente não – a não ser que Borges brilhe bastante, decida algum título importante e fique no Grêmio por pelo menos dois anos.

    O Grêmio já teve algum craque vestindo a lendária 10? Não lembro. Lendária só na Seleção (Pelé, Zico) no Flamengo (Zico), no Santos (Pelé), no São Paulo (Raí), no Palmeiras (Ademir da Guia) e no Vasco (Dinamite).

    Inclusive o Grêmio deveria se preocupar mais em fazer a nossa 7 ser destinada ao craque do time. Afinal de contas, Renato e Paulo Nunes foram mais do que qualquer 9 ou 10 que já tivemos.

    Sábado passado, depois de um papo com o Bernardon e com o Marcos, fui para o lugar da sorte com a Lu e eventuais sobrinhos e amigos. Na minha frente, tinha um cara com a 9 da Libertadores 2009. Linda. Porém, o nome era do… Alex Mineiro.

    Um número “exótico” protege um jogador de qualidade incerta, pois dá a impressão de tender a ser reserva na maior parte das vezes. Ao mesmo tempo, trabalha o subconsciente de uma torcida exigente, impaciente e carente de títulos para a aceitação de uma “agradável surpresa” caso um 47 venha a ser o craque ou, ao menos um goleador ou o símbolo de garra do Grêmio.

    No ano seguinte, se o próprio jogador quiser, aí, sim, já reconhecido e consolidado, poderá escolher um número de 1 a 11 sem precisar provar a sua titularidade.

    Penso também na preservação dos meninos: uma coisa era pôr o Douglas Costa com a 7, 10 ou 11 sempre que ele saísse jogando. E um número abaixo de 22 também dava a impressão de que ele seria um reserva imediato. Caso ele tivesse a 37 e o técnico tivesse sido alguém mais aberto à base ao invés de Roth ou Autuori, aposto que ele teria jogado mais e melhor.

    Não estou dizendo que o número faz mágica ou que tenha um papel psicológico preponderante. Mas ao menos para a mídia e para a torcida, acho que ajuda a ter mais paciência com algum guri, sim.

    Além do conservadorismo dos dirigentes, também acredito que a própria comissão técnica prefira números baixos pra “dar moral” para os pratas da casa. Pessoalmente, acho que, ao invés disso, se o cara não for um extraclasse como Renato, Ronaldinho, Mário Fernandes, Anderson, Lucas ou Cadu, pra maioria dos meninos, a camisa pesa, sim.

    Vejam o caso do Bruno Collaço, por exemplo. Já o Fernando e o Maylson tiveram o seu processo de maturação acelerado. Porém, a maioria dos meninos surge como o Collaço.

    []’s,
    Hélio

  16. o maylson não teve o processo acelerado não. foi é queimado, isso sim.

    surgiu em 2008, quando foi colocado de meia avançado pela direita contra o juventude, naquele jogo que saímos do gauchão em casa, pelo glorioso juarez…

    depois, ficou escanteado por mais de um ano, até jogar bem no sub-20 (finalmente esses campeonatos serviram pra alguma coisa…). foi bem de novo no mundial, mas continuou escanteado, até esse ano, quando mostrou que merece mais oportunidades…

  17. Já que fui citado por alguns, embora agradeça muito pela lembrança em função de alguns felizmente gostarem das minhas ideias, considero-me bastante limitado para uma vice-presidência. Além disso, é preciso estar com o burro amarrado na sombra pra poder ter dedicação exclusiva (ou quase) ao clube.

    O que eu toparia? Fazer parte de uma comissão de seis ou sete especialistas abaixo de um vice-presidente de renome no mercado, cujo cargo seria mais técnico do que político. Aliás, já chega dessa inversão de valores que faz o nosso marketing patinar, né, pessoal? Afinal de contas, como já disse aqui muitas vezes, os profissionais remunerados nunca me pareceram incompetentes mas, sim, engessados por uma estrutura conservadora, vaidosa, burocrática e ignorante no setor.

    A questão maior é sabermos todos (associados, CD, direção, finanças, jurídico e dpto. de mtk e comunicação) por que tal ideia (ou tal conjunto de ideias) deve ser prioritário ou não na hora de alavancar vendas e de promover a imagem do clube e por que outras são rechaçadas ou devem ficar para depois.

    E muito do que reclamamos se define a partir desse gravíssimo problema de comunicação.

    De mais a mais, eu convidaria pelo menos um daquele grupo que trabalhou abnegadamente e apresentou um trabalho sensacional para direção, dpto. de mkt e comunicação via Movimento Grêmio Acima de Tudo para ocupar um cargo expressivo.

    E, em relação à publicidade (que é um componente fundamental dentro do composto de marketing no quesito promoção), eu passaria a bola para o Minwer, diretor de criação de uma das melhores agências do RS. Caso ele não tenha tempo, daria carta branca para ele indicar um gremistão da área e não para o movimento A ou B ou para algum funcionário.

    []’s,
    Hélio

  18. João Luiz,

    Por isso mesmo: Maylson foi precocemente aproveitado. Na Seleção Sub-20, foi ótimo vê-lo já aos 19-20 anos ao invés de 17-18 com personalidade para começar o Mundial no banco e assumir a titularidade aos poucos.

    E é bom lembrarmos também que ele não teria lugar com Mano em 2007. Já em 2008, no último quadrimestre, creio que sim, poderia ter sido muito mais bem aproveitado. Antes disso, até compreendo o excesso de zelo.

    []’s,
    Hélio

  19. Cesar…

    Bernardon no comando e Hélio de Vice.

    Esse seria um ótimo quadro de marketing, não digo que eles são “experts” no negócio, mas as idéias são sempre proveitosas e no mínimo discutíveis.
    E se o caldo engrossar turma, se chama uma consultoria, para um apoio.

    Mas isso que está sendo feito no Grêmio Cesar, é no mínimo amadorismo… Precisamos ter profissionais, pessoas comprometidas e digo mais, Remuneradas (para que possam ser cobradas por seus resultados).

    Espero ver muita coisa do meu time…

    Temos um blog aqui que é mais utilizado pela propria pag do clube. Isso poderia ser dentro do próprio site do clube, assim a vinculação seria muito maior…

    Antigamente dei uma idéia que parecia ridícula.

    Time do torcedor, uma votação no site do Grêmio sobre o atual plantel, veríamos o time do torcedor, sendo uma escalação feita por votação e pelo torcedor e sócio cadastrado na pag (com cpf e endereço).

    Assim teriamos cada vez mais dados dos gremistas, podendo ampliar cada vez mais o foco do marketing.

    Outra, dei uma idéia de votação a cada atleta ao final de cada jogo. Com notas de 06 a 10 pela atuação dos jogadores. Ao final da temporada se teria um estatistica de desempenho feita pelo torcedor “sócio”. Aquele que paga em dia seu clube.

    Ja pensou, time classificado e um jogo no olímpico com o TIME do TORCEDOR eleito pela PAG do Grêmio.

    Teríamos muitas participações. E assim realizar campanhas de marketing e diversas outras formas de aproximar mais o torcedor, trazer aquele que torce apenas para dentro do clube tornando-o sócio.

    Mas sei lá, posso ser um pouco louco, mas falta atitude da direção com relação ao marketing.

    Abração

  20. Não só esse blog, mas de uma maneira geral todos os sites e blogs da torcida tem muito mais material de interesse que o próprio site do GRÊMIO.
    Falta espaço para o torcedor se manifestar dentro do próprio GRÊMIO.

  21. tem outra sugestão q o Evandro e o Saul usaram muito em 2003 q é oferecer 5 a 10 ingressos pros programas esportivos de radio sortearem aos seus ouvintes.
    Isso promove o jogo um monte, pq ficam o dia todo falando no jogo.

    qto ao Maylson joga sim e muito, mas não tem grife: se tivesse o nome de ” Maylson Lopez ” e pintasse uma mechinha no cabelo aí virava idolo. Já pensou?

    cbimbi

  22. hélio:

    não quis discordar sobre o maylson, só dizer que ele demorou até receber oportunidades efetivas, mas não por excesso de zelo, mas sim por falta de convicção no seu futebol (minha opinião).

    marcos:

    ele jogou, se não me engano, apenas 1 jogo em 2007. por isso falei que ele surgiu em 2008, quando recebeu mais chances (ainda acho que ele foi é queimado…).

    aqui neste blog, mais até que em outros, vejo muitas pessoas ligadas a direção/conselheiros/participantes de movimentos políticos. tenha umas dúvidas: nenhum deles pode aconselhar o duda pra mandar o pacheco embora? falta o que para alguém chegar no presidente e dizer o que deve ser dito sobre o mkt(?) do Grêmio?

    sei lá, mas lendo o pessoal aqui me parece que o pacheco não tem um apoiador, mas mesmo assim é igual ao magri: imexível!

  23. João Luiz,

    Pelos poucos contatos presenciais que tive com o Pacheco, trata-se de um cara que vive o Grêmio há pelo menos 30 anos. Porém, sua performance cresce efetivamente como colaborador do clube exatamente na sua especialidade: segurança e futebol.

    Não sei até que ponto o fato de ele estar presente em várias gestões contrárias pode significar o fato de ser um elo capaz de evitar animosidades ainda piores. Por outro lado, a sua total disponibilidade facilita a vida da maioria dos movimentos quando indica algum especialista para algum departamento à Direção (esta ou qualquer outra) e esses especialistas não estão disponíveis.

    Para o bem e para o mal, acho que é fundamental refletirmos sobre a remuneração e sobre o contrato por tempo determinado para presidente, vice-presidente e um diretor de cada departamento. O custo dos erros de gestão sai muito mais caro do que pagar um valor bom o suficiente para convencer profissionais liberais, executivos e funcionários públicos a trabalharem pelo clube.

    Dessa forma, a indisponibilidade de tempo não seria mais desculpa: caso não aparecesse nenhum conselheiro ou nenhum nome conhecido no mercado referendado pelo CD (que passaria a ser mais responsável pelas suas decisões, assim como o Senado escolhe o presidente do Banco Central e de uma série de agências reguladoras e autarquias federais), ficaria claro que o convidado em questão não se considera apto.

    []’s,
    Hélio

  24. hélio:

    então, pelo que entendi, ele por ser um cara disponível, acabou por vezes caindo de para-quedas em uma área que não entende nada, como o mkt. tb pesa o fato de estar a 30 anos no Grêmio.

    tchê, é bem disso que não gosto. tudo bem, ele está disponível e é um antigo colaborador e abnegado, mas isso não faz dele merecedor do cargo que ocupa.

    concordo plenamente contigo: tinham que remunerar, para poder cobrar resultados melhores. e para tirar pessoas que ocupam cargos por acomodação política.

    mas, pergunto: o abnegado pacheco, que está sempre disponível, tem vaidades pessoais (acréscimo meu) e há 30 anos está dentro do clube vai algum dia deixar isso acontecer? e os outros que por ventura estejam na mesma situação dele, deixariam que o cargo passasse a ser remunerado? o dia que isso acontecer, eles não voltam mais a trabalhar pelo clube. duvido que isso aconteça em um futuro próximo…

    OBS. o edno não me serve. até hoje, só jogou na lusa, o que não quer dizer absolutamente nada,vide jonas, cristian, etc…

  25. Já disse prá vcs que tenho memória fotográfica ? Quase isto, quando digo que tenho, 100% estou exagerando, mas é quase.

    VOU LARGAR UMA BOLINHA NAS COSTAS DO MEU AMIGO MARCOS HERMAN

    E ALÔ ALÔ ALÔ MARCELO AIQUEL, ESSA NEM TU TE LEMBRA, QUER VER ? VOU CONTAR PRÁ FAZER JUSTIÇA ….

    1. Programa na rádio Guaíba, debate pré eleição.
    2. Marcos Hermnan vai debater com Marcelo Aiquel ….

    ( a propósito, só prá fazer justiça também… o Marcos Herman era candidato a Vice, o meu Amigo Aiquel não, mas mesmo assim o Marco e a chapa aceitaram o debate na boa …. passa um tempo … TV COM Duda x Vicente e mais quem quisesse da Chapa Odone x chapa Duda …. Duda escolheu a mim … a thurma pró Odone que lá estava, Pegoraro, meu amigo Homerinho, Rodrigo Karan, não aceitou, bateu pé, o Antonini me chamou de franco atirador… não aceitaram, ficou Duda x Vicente – na boa ? cagões ….. ahmmmmm me desculpem, podem vir com o argumento que quiserem, e ao Antonini eu respondi na frente sobre o franco atirador…disse o que eu pensava dele, não mandei recado, ali, na cara, olhando no olho da criança ….. enfim )

    bem, alô AIQUEL, voltando …. Lá pelas tantas do debate …

    3. O Marcelo diz o seguinte: pô, o Daniel Tevah é um grande nome do MKT, e esta na nossa chapa, e que sabe tudo de MKT isto é inegável, e esteve lá com o Kof com o Cacalos, então Herman ,…. blá blá blá …. ai o Herman replica …

    4. Mas na nossa chapa temos 4 que entendem de MKT e que mais gente que passou por lá, tem eu, que entendo do assunto, tem o Duda e o Pacheco, que já estiveram lá, e tem o Paiva que também entende de MKT, e tu não vais negar também que todos entendem e ou já passaram por lá, então na nossa chapa temos QUATRO que entendem da matéria contra um da de VCS…..

    ah eleições, eleições…..

    mas enfim,

    VAMOS PARTIR DO PRINCIPIO que o M Herman tinha razão, a quantidade era maior … 4 x 1, dou ainda de barbada, digamos que dava para por um ou por outro, dizer que a qualidade poderia ser equilibrada.

    MAS ENTÃO MEU SANTO E AMADO DEUS O QUE QUE ACONTECE NO NOSSO MKT ???????????

    A impressão que tenho é que se o mundo acabar, o EDUARDO DUSEK se consagra, porq

  26. …. porque os nossos homens do Marketing vão se SAIR da cama, olhar prá todo mundo morto, localizar a mulher do cafezinho e dizer:

    LEVANTA, PREPARA O CAFÉ, QUE O MUNDO ACABOU !!!!!!!!!

  27. hahahahaha muito boa Marcos. e esse aqui então…
    Tavarelli
    Ruy
    Bilica
    Capone
    Cocito
    Astrada
    Luciano Ratinho
    Adilson Heleno
    Maurício Pantera
    Beto
    Sérgio Manoel
    Gulherme
    tecnico: Sebastião Lazaroni hahahahahhah
    duvido tu fazer um pior

  28. Eu faço um parecido…

    Eduardo Hoisler (sei lá como se escreve, mas é aquele que tomou um pirú no Mineirão)
    Chiquinho (aquele neguinho que não sabia cobrar lateral)
    João Marcelo
    Alex Xavier (batia até na vó dele, além do Ronaldinho)
    Anderson Pico
    Amaral (era do interior)
    Nunes
    Bruno Soneca
    Jairo Lenzi
    Reinaldo Xavier
    Nando Lambada

  29. Estrangeiros Marcantes dos últimos anos:
    Tavarelli
    Baloy
    Pablo Hernandez
    Hidalgo
    Beausejour
    Astrada
    Julio dos Santos
    el pistolero Garces
    Danlaba Mendi
    Amato

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.