Da Série “Perguntar Não Ofende”

Estamos nos tornando chatos e repetitivos, order mas hoje a noite teremos mais uma reunião do Conselho Deliberativo.

Aí fica a pergunta: quantos dos nossos representantes não estarão presentes?

Como seria interessante se o Pres. Raul Régis divulgasse as listas de presenças.

Participe da discussão

17 comentários

  1. Não, perguntar não ofende, mas talvez fosse mais interessante, como sugerido no post anterior neste item que o assunto da pauta pudesse ter mais repercussão do que a ausência de conselheiros.

    obs.:
    ALEXIS, quando quiseres contato comigo manda email para ca.josias@hotmail.com

  2. O mesmo serve prá MARGARIDA, que costumava deixar torpedinhos vindos do seu n.: 84585955 para o meu telefone celular. Olha, compreendo vcs ´em parte`, mas sou ´hetero` e comprometido !

  3. …e lá vem Anderson Kegler, o do contra.
    Fiquei pensando agora. Fácil é dizer para tirar este ou aquele do conselho. Mas e se Jorge Gerdau falta as reuniões? Ele pertence a grupos de investidores que ja ajudaram muito o GRÊMIO, correto? Como fica um caso desses?
    Não falo especificamente dele mas de alguns conselheiros que muito fizeram e fazem sem ir nas reuniões. Entendo bem o ponto de vista de todos sobre o art 66. Estou realmente perguntando isso.

  4. hoje sai a aprovação do balanço 2009, certo?

    a presença dos conselheiros é de fundamental importância quando um assunto estratégico do clube precisa ser votado, assim como foram a aprovação da arena e a redução da cláusula de barreira.
    Nas reuniões com esse conteúdo é inadimissível que a votação seja trancada pela ausência de meia dúzia!

  5. Pelo o que sei e ensinam nas escolas, a Lei é feita para todos, mas, há casos… e casos. Aliás, há uma passagem no Novo Testamento, quando no templo, uma mulher muito pobre oferece uma simples moeda de cobre como óbolo. Outros, mais afortunados, colocam moedas de prata e ouro. Jesus então disse: aos olhos de Deus a oferenda desta mulher é de maior valor, porque ela dá o pouco que tem. Qualquer ato de espontânea doação é louvável. mas, há casos… e casos… Infelizmente, meu caro Kleger, no planeta dos homens, a interpretação da Lei não tem nada de divino, muito antes pelo contrário.

  6. Pois é Rafael, tem uma coisa que merece reflexão. Nestes anos todos a tradição é aprovar balanços, balancetes, orçamentos, contas e etc. Não me recordo recusas salvo grande movimentação no ano 2000 – mas que restaram, as contas, aprovadas, por maioria – e no ano do Rafael Bandeira que não tenho certeza mas acho que foi em 1992 em que dois ou três conselheiros não aprovaram, e ainda mais, se a memória não trai um destes conselheiros teria sido o Marco Souza. Independentemente disto as contas são sempre aprovadas, nunca houve reprovação, tampouco sobre orçamentos, balanços e balancetes como disse. Isto quer me parecer, salvo pela atipicidade dos dois casos citados, que ao longo dos anos as diretorias executivas que por lá passaram tiveram suas condutas aprovadas sem problemas o que faz presumir que todas foram e são sérias. Então eu não vejo e ou sinto dificuldades ´nestes temas`. Por isto que penso que em decisões pontuais e que podem ´mudar` o rumo ou os rumos do clube para o futuro a presença é mais importante, como no caso da quebra da cláusula de barreira.
    Em síntese o que eu estou dizendo é que tem reuniões que a presença é absolutamente indispensável. A ausência de muitos em várias reuniões é compreensível desde que ´salteada`, ou seja, há muitas ausências em muitas reuniões mas de muitos que costumam ir …. e que somam-se a ausências de muitos que não costuma ir e a soma disto representa uma média de presença baixa levando-se em conta o total de conselheiros: a incompreensão fica por conta daqueles que nunca vão, e para estes não se admite desculpas, ainda que justifiquem sempre, como ocorre com alguns.
    Agora, nas reuniões importantíssimas, ESTA MÉDIA TINHA OBRIGATORIAMENTE QUE SUBIR, porque ai se exigiria um movimento dos que vão pouco ou nunca vão e um esforço dos que faltam eventualmente.
    Em resumo do resumo estou dizendo ( estou desenhando para não ser mal interpretado ):

    – nas reuniões que não se decidem nada de muito importante
    – nas reuniões em que é tradição aprovação de tudo

    = nestas é possível se ser um pouco mais compreensivo com ausências, se ser um pouco mais complacente, não estou dizendo achar bonito ou apoiar ou incentivar, não, estou falando em um pouco mais de compreensão ….

    agora =
    naquelas de decisões que vão fazer o futuro do clube, ah, nestas me perdoem, mas a presença é fundamental, que nem beleza na mulher como dizia o velho poetinha

  7. Pessoalmente, eu tenho a esperança de que a renovação do Conselho deste ano tenha uma ação grande por parte dos movimentos na montagem de suas chapas, não conduzindo aqueles que, sabidamente, não se fazem presentes nas reuniões.

  8. Anderson, entendo teu ponto de vista e sei de vários que compartilham dessa tua dúvida. Tanto que se sentem constrangidos de cobrar desses gremistas que ajudam o clube de outra forma, principalmente falando em $$.

    Porém acho que vai chegar a hora em que teremos que definir se o CD é lugar pra se decidir questões vitais pro clube ou se é pra homenagear aqueles que tanto ajudam o Grêmio.

    Muito me pergunto se o sr Jorge Gerdau faz tanta questão assim de ser um Conselheiro do Grêmio, mesmo podendo continuar ajudando de outras formas? O mesmo vale pro Vontobel, pro Pedrotti e tantos outros.

    Por favor, me corrijam se estou enganado, mal informado ou qualquer coisa parecida: normalmente esses grandes gremistas são usados como chamariz de votos paras chapas. Os responsáveis pela elaboração das listas estão preocupados somente em ter nomes reconhecidos pela massa.

    E isso acaba sendo bem ruim pro Grêmio.

  9. Minwer!
    O teu comentário é digno de uma maior reflexão. Figuras socialmente importantes são costumeiramente utilizadas para fortalecer candidaturas nos partidos, nos clubes, seja onde for. O Dr.Fábio koff fez isso na última eleição. É legal. Faz parte do jogo democrático. Agora, será ético conceder a determinados gremistas prerrogativas à revelia do estatuto simplesmente porque prestam favores tanto de imagem quanto financeiros em momentos decisivos na vida do clube? A questão não é fácil de ser respondida. É daquelas onde não faltarão argumentos: prós ou contra, para justificar a licença. Para mim, deveriam fazer parte de um memorial dos grandes colaboradores pois alguns fizeram e fazem mais pelo clube do que muitos dirigentes, e merecem, sim, serem lembrados por isso. O Conselho – concordo contigo – é lugar para se debater e decidir as grandes questões do clube, o que só se consegue com o “olho no olho”.

  10. Peço desculpas por desvirtuar um pouco o tópico, mas hoje morreu um dois maiores FDP da imprensa, Armando Nogueira.

    Me desculpem o ódio, mas esse canalha, mal carater, foi ums dos patrocinadores daquele campanha difamatória em 1995, a qual acusava o Grêmio de ser um time violento, desleal e botineiro.

    Por conta desse FDP, montaram um vídeo tendencioso com lances ríspidos sim, mas desleais nunca, daquele time imbatível de 1995, que percorreu o mundo semanas antes da final contra o AJAX no Japão. O resto do filme todos já sabem.

    Menos um da imprensa do centro do país para nos incomodar com mentiras e outras canalhices.

  11. -cada movimento concorre sozinho
    -a nominata não tem ordem
    -o candidatos só pode pertencer a uma chapa e concorrer após ter 10 anos de associação
    -o voto do sócio é livre pode se escolher candidatos de mais de um movimento 30, por exemplo
    -estabelece-se uma apuração geral por movimento que determina a proporcionalidade
    -estabelece-se quem ficã com ás vagas de cada movimento via votação nominal

    Porção de cada chapa

  12. MARCOS ALMEIDA, concordo plenamente contigo. Temos de trabalhar duas questões vitais para uma democracia verdadeira na Instituição Grêmio: 1) reduzir a cláusula de barreira – de 30 para 20%; 2) os candidatos ao conselho constarem numa ÚNICA chapa (penso que, independente do que o Estatuto dispõe, isso já pode ser adotado em setembro de 2007). ANDERSON, respeitando o que os históricos gremistas fizeram pelo Grêmio , entendo que o GRÊMIO é grande demais para depender de “um e outro”. Nosso maior patrimônio é a TORCIDA (incluo tb os conselheiros comprometidos com o clube). Com a MAIOR TORCIDA DO SUL (a sexta do Brasil), um bom trabalho de marketing (acho que estamos no caminho), CREDIBILIDADE (futebol e finanças andam juntos) junto a jogadores, clubes e parceiros comerciais, os gremistas históricos poderão SOMAR esforços para o bem do GRÊMIO. JOSIAS: estás com mel, parceiro? Alexis e Margarida? Essa experiência é, de fato, um CABERNET SAUVIGNON!? Aquele abraço!!!

  13. O PROBLEMA NÃO É A MUDANÇA DE ENDEREÇO DO OLÍMPICO PARA O HUMAITÁ, MAS A MUDANÇA RADICAL DA FILOSOFIA.
    DO SÓCIO TORCEDOR PARA O ESPECTADOR CLIENTE.ESPERO QUE OS LOUROS SEJAM COLHIDOS NO SUCESSO E QUE NO FRACASSO DO PROJETO SE APRESENTEM OS CULPADOS, QUE NORMALMENTE NESTES CASOS SAEM DE FININHO PELA PORTA DOS FUNDOS ACOBERTADOS PELO CORPORATIVISMO. OS AVISOS E ALERTAS NÃO FALTARAM!!! OS CÁLCULOS FORAM COLOCADOS NA MESA.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta para Minwer Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.