Correio do Povo – 03/01/10: Coitadismo, não

ANO 115 Nº 95 – PORTO ALEGRE, sickness DOMINGO, look 3 DE JANEIRO DE 2010

HILTOR MOMBACH

Algumas das informações que você vai ler são exclusivas.

Nas projeções orçamentárias para 2010, thumb o Grêmio prevê um faturamento de R$ 113 milhões e gastos de R$ 112 milhões.

As gestões Obino e Odone tiveram que administrar o coitadismo, principalmente no futebol. Berdichevsky e Krebs tocaram o futebol com gastos que não ultrapassavam R$ 400 mil mensais. O Juventude gastará R$ 350 mil na Série C do Campeonato Brasileiro. Renato Moreira, e aqui já estamos na administração Odone, foi engessado num orçamento de R$ 1,7 milhão por mês e, com seus pares, fez milagre.

Na gestão Obino não havia dinheiro para pagar luz e água. Começou ali o processo de comprometimento financeiro do Grêmio que resultaria nos condomínios de credores de hoje. Obino não é culpado, é vítima, embora muitos conselheiros não entendam isso. Os que não entendem devem fazer parte do número expressivo que não comparece às reuniões e, do clube, sabe pouco ou quase nada.

A gestão Odone foi marcada pela frase de Túlio Macedo “em cada armário um esqueleto”. Abria-se uma gaveta e lá estava um processo milionário contra o Grêmio. Duda Kroeff herdou os condomínios e descobriu, pelo caminho, novos armários e velhos esqueletos.

Dentro do contexto pós-ILS, a proposta orçamentária é uma luz no fim do túnel e, essa luz, não é a de um trem vindo em sentido contrário.

O clube espera receber, com televisão, R$ 31,6 milhões. É a maior fatia oriunda de um item isolado. Por ordem, de onde deverão vir os maiores rendimentos: quadro social, R$ 28,7 milhões; marketing, R$ 19 milhões; venda de atletas, 17,6 milhões; renda de jogos; R$ 10 milhões; resultado da loja Grêmio Mania, R$ 3,3 milhões; mecanismo de solidariedade; R$ 2,3 milhões e outras receitas, R$ 260 mil.

Nas despesas com futebol, há uma previsão de R$ 44,7 milhões assim divididos (de forma arredondada): R$ 27,4 milhões com atletas; R$ 2,4 milhões com administração; R$ 2,4 milhões com as categorias de base; R$ 2,1 milhões com a administração das categorias de base e R$ 10,3 milhões com administração geral. Foram reservados R$ 9 milhões para serviços de terceiros e, nesses serviços, entra o pagamento da comissão técnica, no total de R$ 4,9 milhões na temporada.

O futebol trabalhará com um “limitador” de R$ 3 milhões mensais. São R$ 36 milhões no ano. Se o futebol não for bem não será por coitadismo da economia do clube. Não são muitos os clubes brasileiros que disporão de tal orçamento.

Fonte: http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=115&Numero=95&Caderno=0&Noticia=79694

Participe da discussão

62 comentários

  1. AGORA TUDO VAI MUDAR.
    OS CONSELHEIROS DO GRÊMIO NOVO AUTORIZARAM O RAUL RÉGIS A PUNIR OS CONSELHEIROS QUE FALTAM AS REUNIÕES.
    É O FIM DA VÁRZEA. OS POSTES ESTÃO MIJANDO NOS CACHORROS.

    MGN entrega requerimentos ao Presidente do Conselho Deliberativo

    Para completar, o MGN entregou requerimento ao Presidente do Conselho onde pede a aplicação do Artigo 66 que pune com a perda do mandato, todo aquele conselheiro que faltar sem justificativa a 3 reuniões consecutivas ou 5 alternadas durante o ano.
    Os Conselheiros do Grêmio que fazem parte do MGN assinam este requerimento e autorizam o Presidente do Conselho a agir de forma a cumpir o Regulamento do Conselho Deliberativo.
    Saudações tricolores!
    Movimento Grêmio Novo

  2. Artigo interessantíssimo para a manutenção (e para a volta) do sentimento de torcer DE VERDADE: http://espnbrasil.terra.com.br/maurocezarpereira/post/94899_A+CARETICE+E+O+POLITICAMENTE+CORRETO+TORNAM+ESTADIOS+DE+SP+QUASE+TUMULOS

    A Arena não pode se tornar uma quadra de tênis. Torcer com entusiasmo, criatividade e SEM INIBIÇÃO é diferente de indisciplina ou de contravenção. O importante é tomar medidas que separem o joio do trigo sem oligarquizar o estádio.

    []’s,
    Hélio

  3. os dados de anos anteriores apresentados pelo Hiltor devem, para ter validade, ser comparados com os de outros clubes à época. Comparar os orçamentos de 2003 com os do Juventude para a séri C desse ano, não é sério; desde 2003 as receitas aumentaram e as despesas junto… O Rento foi vendido por 700 mil Dólares, Falcão por um Milhão, migalhas perto dos valores de hoje.

    Brunetto, nenhum movimento ficou de fora na questão dos conselheiros omissos, que bom se TODOS movimentos promovessem uma limpa, eliminando os ausentes contumazes, na composição das chapas para a próxima eleição do CD

  4. Hélio li o link sobre a maneira de torcer, minha opinião o estádio de antigamente era mais bonito cheio, mas em geral se torcia em silêncio e se via mais o jogo, era muito comum se perceber que a massa pulava nos gols, pois estava parada ou sentada.

  5. Marcos. Novamente acertas em querer comparação. É isso aí. Tudo tem de ter parâmetro.

    O que posso dizer é que os orçamentos de 2000 a 2002 tinham sido de mais de cem milhóes anuais (valores não corrigidos).
    Em 2003 e 2004, os valores do Grêmio caíram para aproximadamente 30 milhões de reais.

    Houve queda geral dos clubes mas do Grêmio muito mais do que dos outros pela tremenda dívida não paga que o Grêmio gestões 2000 a 2002 havia acumulado.
    Deixando só jogadores velhos e caros e nenhum jogador em condições de ser vendido para o exterior.

    Isso começou a mudar com a venda de Anderson, primeiro contrato, em 2004, vendido em 2005.

  6. Resultado da Correção pelo IGP-M (FGV)

    Fazendo a correção pelo IGPM de julho/2000 até dez/2009 teríamos o valor corrigido de 220 milhões aproximadamente conforme cálculo abaixo:

    Dados básicos da correção pelo IGP-M (FGV)
    Dados informados
    Data inicial 07/2000
    Data final 12/2009
    Valor nominal R$ 100.000.000,00 ( REAL )
    Dados calculados
    Índice de correção no período 2,2010660
    Valor percentual correspondente 120,1066000 %
    Valor corrigido na data final R$ 220.106.600,00 ( REAL )

  7. Em outras palavras, nos anos de 2000 a 2002, o Grêmio teve orçamentos anuais de mais de 200 (duzentos) milhões de reais.

    A maior parte do que gastou não pagou. Estamos pagando até ………………

  8. Marcos: Pra mim é um bom parâmentro, mas, se alguém tiver a comparação com o co-irmão e alguns outros importantes com São Paulo, Cruzeiro etc. seria muito bom.

  9. Li e reli a matéria do Jornalista, onde ele quis chegar? Quer ele pressão para cima do Grêmio? Porque ele não escreve uma linha sequer sobre o vice-de tudo? QUe investiu e investe MUITO mais ao ano e só teve 2006? Graças ao apito e ao aborto de Yokohama vulgo retrancão?
    Se o Grêmio não pode ser coitado imaginem o primo rico…
    ELE HILTOR que adora USAR números sem critério tem o DEVER de pesquisar e divulgar os orçamentos dos times da Série A e com ele montar um ranking como ele adora fazer….

  10. números em 2002 tocaram o futebol com 400 mil mensais, ok mas isso era para folha profissional ou incluía o que a matéria mais adiante chama “despesas do futebol”onde está até o gatorade consumido nos treinos?
    Pois fui na calculadora do cidadão no site do banco central donde a NÚMEROS DE HOJE o futebol de 2002 tinha cerca de 8 milhões/ano

    Calculadora do cidadão
    Acesso público
    03/01/2010 – 20:33
    Resultado da Correção pelo IGP-M (FGV)
    Dados básicos da correção pelo IGP-M (FGV)
    Dados informados
    Data inicial 01/2002
    Data final 01/2010
    Valor nominal R$ 4.800.000,00 ( REAL )
    Dados calculados
    Índice de correção no período 1,8711506
    Valor percentual correspondente 87,1150600 %
    Valor corrigido na data final R$ 8.981.522,88 ( REAL )

  11. Marcos: O cálculo é a partir de 2004. Peguei pela média.

    Resultado da Correção pelo IGP-M (FGV)

    Dados básicos da correção pelo IGP-M (FGV)
    Dados informados
    Data inicial 07/2004
    Data final 01/2010
    Valor nominal R$ 4.800.000,00 ( REAL )
    Dados calculados
    Índice de correção no período 1,2866185
    Valor percentual correspondente 28,6618500 %
    Valor corrigido na data final R$ 6.175.768,80 ( REAL )

  12. a do propósito dos números do Grêmio? Será que é pra esconder ou abafar a entrega do Sandro pro Totenham?

  13. Creio que o economês não se aplica neste caso: não vejo como compararmos valores corrigidos pelo IGP-M se o tipo de inflação que rege o futebol não se relaciona a nenhum outro parâmetro.

    Vejamos:

    – Quando, como e por que um determinado grupo de técnicos teve seus ganhos mensais exponencialmente majorados?

    – Quanto se precisa pagar (em reais, em dólares ou em euros) para se manter no país certas revelações que dificilmente permanecerão em seus clubes de origem por mais de um ano ou um ano e meio?

    – Quanto se precisa pagar (em reais, em dólares ou em euros) para repatriar jogadores consagrados porém de mais idade que não fizeram carreira na Seleção?

    Isso me leva a crer que transformar 400 e tantos mil/mês em mais de 8 milhões pelo IGP-M não faz sentido, da mesma forma que uma folha de pagamento de time campeão lá por 2003 ou 2004 girava em torno de 1,5 a 2 milhões.

    Hoje, uma folha pra manter um plantel decente (traduzindo: com obrigação de vaga na Libertadores e grandes chances de título) gira em torno de 2,7 a 3,6, pelo que tenho acompanhado.

    Então, o 400 mil / 1,7 milhão era o padrão de pequenez do Grêmio em 2003/2004 – um patamar bem menos sofrível do que o 350-400 mil / 2,7-3,6 mi do Juventude.

    O Juventude se desfez do seu patrimônio principal. Em princípio, com uma folha de 1 a 1,4 milhão pra poder subir p/Série A, duvido que volte a poder ser considerado um clube médio novamente.

    Quanto menor a diferença entre o maior e o menor orçamento de uma divisão, mais equilibrada ela é. O Juventude tem pouco até mesmo pra subir pra B. E o Grêmio tem, mais uma vez, a Sul-Americana garantida, só que com um gás a mais pra chegar à Libertadores.

    No campo, acho que isso vai se confirmar. Porém, não trato como obrigação perene ir à Libertadores porque o Brasil possui pelo menos sete ou oito clubes que oscilam na sua capacidade de investimento nessa direção. O Avaí foi a exceção à regra.

    O Grêmio nunca poderá ser nem o supra-sumo da excelência nem a flor do bagaço da ruindade por si próprio. E – como eu sustento – não se pode perder tempo comparando-se ao Tradicional Adversário. E eu acho que o Hiltor não pega leve com o T.A. como faz o Reche ou como o grosso da RBS.

    Assim que os 50 milhões de curto prazo que não referem-se às dívidas com o Governo forem substancialmente saldados, creio que o Grêmio estará no mesmo nível do SPFC, do Cruzeiro e do T.A. com várias vantagens em determinados setores.

    Por enquanto, a saída é equacionar os investimentos que farão com que os resultados de campo ajudem a fazer caixa, além de economizar o que for possível aonde o futebol não seja lesado.

    Gostaria que fosse em bem menos tempo. Mas tenho paciência e entendo que, em condições normais, só voltaremos a ter segurança e continuidade no topo daqui a não menos de cinco anos – desde que o modelo de gestão financeira se mantenha e que o marketing melhore MUITO.

    []’s,
    Hélio

  14. ok que o economes nao pode explicar tudo mas ele é o inicio pois pra variar o jornalista comparpu coisas muito diferentes usou valores mensais e anuais, parciais e integrais como se fossem a mesma coisa. A explicação do Helio foi muito mais além abarcando o subjetivo e incalculável inflacionamneto do mercado. Mas que HM leva livre o SC2006, leva.
    Pois hoje o poderoso Manchester United foi eliminado da copa da inglaterra por um time da terceira divisão… Vai ter terra arrasada por lá? As receitas vão cair? Temos que mudar a mentalidade um pouco…

  15. Primeiro: correção monetária não é economês. É a atualização do valor da moeda por determinado critério. Existem vários setoriais e gerais.

    No caso, o Diego e o Marcos usaram o IGPM/FGV.

    CASUALMENTE, ERA O CRITÉRIO DE REAJUSTE DOS VALORES DO CONTRATO DO GRÊMIO COM A ISL.

    Dizer que o futebol tem uma inflação diferente pode até ser correto. Mas não exclui que se usem os critérios gerais de atualização da moeda. Até porque ainda não foi criado um índice para medir a inflação do futebol.

    Mais importante do que demonstrar o “que não é” sem mostrar o que é fez o Marcos ao exigir que haja um parâmetro. Para ter noção de grandeza, você tem de comparar com alguma coisa.

    Dizer, p. ex., as receitas do Grêmio cresceram tanto nos últimos cinco anos.
    Essa informação tem valor relativíssimo. Para avaliar se esse crescimento foi importante ou não tem de ser comparado com o SETOR. Tem de comparar com os outros Clubes competidores. E aí entra o co-irmão também. É o que se chama “benchmarking”.

    Se você compete, o faz com alguém. Daí porque não adiante ficar só olhando pro próprio umbigo. Você tem de ser melhor do que os outros. E tem de conhecer o inimigo sob pena de fracassar já ensina há milênios o Sun Tzu.

    Portanto, Marcos estás cheios de razão, pois a atualização monetária fornece um dado muito importante, mas não suficiente.

    Desculpem pela chatice do meu “ëconomês”

  16. Marcos:
    – a venda do Sandro pro Totenham em todos seus detalhes,
    – a real divida do Inter
    – o racha politico interno
    – a demissão do técnico das afamadas categorias de base deles ( a noticia saiu que ele ” se acertou com o Juventud ” ) depois de perderem tudo prá nós
    – as brigas do Dalle, as festas do Andrezinho, Taisson etcetera
    isso não interessa ao jornalista esse. Podre, só do lado azul, é o lema!

    cbimbi

  17. Bueno, eu não leio esse jornal!! Mas não sei pq aqui no blog dão tanto destaque para as coisas que esse cara escreve!
    Alguém poderia me responder? De preferência os moderadores…
    Abraçoss

  18. Enfim… De uma maneira bastante informal e direta, acho que deu pra levar a cabo a ideia (agora sem acento em ditongos abertos EI e OI como antigamente) de que as comparações devem ser feitas dentro do setor e de que o benchmarking deve ser feito junto aos competidores diretos, como o Marcos e o José Dias disseram.

    Porém (retomando uma linha de ação na qual creio bastante), sem perdermos o Tradicional Adversário da nossa vista e também entrando um poquinho em A Arte da Guerra, vou mudar um pouquinho o foco do inimigo e dos parâmetros:

    – O T.A. é MESMO na ATUALIDADE o nosso maior inimigo?

    – A partir de uma visão positiva (isto é, da necessidade de buscarmos crescer com as nossas próprias pernas sem perder muito tempo em um exaustivo processo de tentativa e erro mais longo do que o aceitável), é mesmo o T.A. o maior exemplo de qualidade em gestão a ser seguido?

    – O desserviço da mídia especializada ao Grêmio teve nesta coluna do HM uma reversão interessante da expectativa. Desta vez, vi mais vantagens do que prejuízos para nós. Na minha leitura, o início teve uma informação aparentemente negativa porém interessante, reflexiva e – mais importante – não destrutiva como de costume. Mais adiante, ele retomou o elogio ao Irany e minimizou o peso sobre as costas do Obino, do Saul e do Evandro, além de ter citado a expectativa de faturamento e de redução de despesas que, no final das contas, mesmo sem termos tido um Nilmar da vida pra vender, o clube “segundino”, “pequeno” e “amador” (como seus funcionários e dirigentes de alto escalão se dirigem a nós – sei disso porque tenho amigos lá dentro) está fazendo mais com menos.

    Já ouvi comentários de que, se o T.A. investe mais em anúncios na mídia corporativa e possui contatos que realizam lobby pra obterem visibilidade positiva gratuitamente, que o Grêmio deveria “molhar a mão” de maus jornalistas que porventura aceitariam esse tipo de prática.

    Pessoalmente, prefiro que continuem falando mal e mentindo acerca do Grêmio, pois o corrupto e o corruptor não possuem absolutamente nenhuma virtude. Além disso, quem está em uma situação aparentemente inferiorizada possui uma invejável vantagem competitiva (caso tenha inteligência e perspicácia): a de poder comer pelas beiradas sem ser incomodado, espionado ou copiado com competência e discreção.

    Nesse ponto, acho que se perde tempo demais na leitura da imprensa. O trabalho dos caras se resume a colher informações e divulgá-las sem que a eles se possa pedir segredo, favorecimento ou desfavorecimento (a priori – embora práticas antiéticas existam, sim). A posição deles (já que todo mundo tem um lado) define-se a partir da publicidade e da assessoria de imprensa paga, que são quem sustenta a indústria que lhes emprega e lhes dá visibilidade. Não se tem amigos ou inimigos na imprensa, apesar de rusgas frequentes e de demonstrações seletivas de camaradagem. Se não é o futebol, eles não existem. E se não são eles, o futebol não despertaria tanto interesse.

    As perguntas que se deveria fazer sobre a inevitavelmente parcial e conturbada relação com a imprensa são as seguintes:

    – A quem tu serves e por que?
    – O quanto eu te dou em termos de informações e o que tu me trazes de volta?
    – Como as informações que tu pegas no meu clube te trazem grana e capital social (reputação, visibilidade, credibilidade), se estiveres fazendo o teu trabalho de maneira desonesta, antiética ou tecnicamente equivocada, como é que tu vais compensar o meu prejuízo?

    Em termos locais e em função da disponibilidade financeira do T.A. ser maior, claro que é inegável que essas comparações sejam inevitáveis. No entanto, o fator da camaradagem e da empatia pode muitas vezes pesar mais do que o lobby e o investimento. Por exemplo:

    – O Galvão Bueno aproveitou a estada em Abu Dhabi pra fazer o GP de F1 e entrevistou o Roger Chinelinho. A Globo tem grana pra mandá-lo pra lá e o Galvão é, sim, um pulha. Tem vídeo no YouTube da Copa de 1994 dele descascando o Pelé em off para o produtor que não me deixam mentir. Como a mulher do Roger é atriz da Globo e as perguntas íntimas não foram cabeludas, obviamente o jogador preferirá dar entrevista para a Globo do que para a ESPN Brasil, que faz um jornalismo mais sério e mais investigativo;

    – O Ronaldo Nazário é outro: ele favorece, sim, a Globo, assim como o Ayrton Senna, o Rubinho Barrichello (outro dia, a Angélica foi à casa do Rubinho entrevistá-lo na sua ‘intimidade’). Outras emissoras que não possuem a exclusividade das modalidades que esses atletas disputam não possuem repórteres nem comentaristas que viajam o mundo inteiro, mesmo que sejam capazes de fazer um trabalho menos sensacionalista.

    Não posso provar, mas já ouvi falar que o Fernando Carvalho já fez churrascadas para jornalistas. E também creio que Odone também realizava alguma aproximação parecida. Sou contra esse tipo de aproximação forçada e oportunista, que não deixa de ser uma forma de beijar a mão do coronel midiático e de demonstrar medo do que possa ser publicado – pra mim, essa é a maior inversão de valores possível dentro de um jornalismo com ou sem corrupção monetária envolvida.

    Algo me diz que o tratamento que o Grêmio dá hoje em dia à imprensa é meramente profissional e justo. Também creio que as pessoas que compõem a rede social que sustenta diretamente o Conselho de Administração de Duda não pertencem ao círculo de grandes patrocinadores da RBS, da Record, etc.

    O nosso problema atual com a mídia local decorre muito mais desses fatores do que de um “coloradismo” ou de uma ausência de “gremismo”, pois o clube para o qual um repórter, narrador ou comentarista torce ou torcia realmente não tem a menor importância dentro dessa cadeia de fatos.

    Eu acho que se deve, sim, cobrar da imprensa mais notícias sobre o que o Cesar Bimbi lançou pra tentar equiparar as coisas. Mas não é apenas nos queixando (parece inveja) e nem nos reportando diretamente a eles como se estivéssemos indo ao Forum nos queixarmos junto ao PROCON que o problema será solucionado.

    O mapeamento dessas relações deve ser cobrado diretamente do coordenador da assessoria de imprensa do Grêmio. Eu falo como um pesquisador que observa os fatos e que procura entender os meandros dessas relações de poder em termos sociais. Mas quem faz ou fez parte de redações e que já possui bastante tempo dentro do Grêmio e que certamente já foi setorista também no outro lado, conhece gente pra dedéu…

    []’s,
    Hélio

  19. Ele faz isso tudo a pedido do Reche, o jornalista “imparcial” mais parcial da história. O Wianey não conta, é hours-concours.

  20. Marcos,

    Independentemente do fato de ser conselheiro ou funcionário, creio que as cláusulas do Estatuto relacionadas às punições aos associados (e todo conselheiro é um associado do Grêmio) que comprovadamente prejudicarem os interesses do clube e/ou obtiverem vantagem pessoal cubram qualquer eventualidade nesse sentido.

    A questão é: há como comprovar o prejuízo ao clube e a atitude deliberadamente voltada para a obtenção de vantagens pessoais em cima do Grêmio?

    É aí que a porca torce o rabo, pois, ao invés de utilizar uma ciência social normativa que busca a priori preservar os direitos individuais e coletivos dentro de um Estado democrático de Direito, a subjetividade dessa questão faz com que não seja possível aplicar a norma. Aí, tanto a defesa quanto a acusação precisam procurar não na lei nem em uma reformulação desta mas, sim, em suas brechas, argumentos que, normalmente, não podem ser aplicados por serem inconclusivos e dúbios.

    Nesse caso, se a Comissão de Ética não pode resolver, a troca de informações entre os próprios conselheiros e as notícias que chegam ao associado em geral são a única forma de escolher alguns e não eleger mais outros.

    É mais ou menos como a proposta de permitir que o suplente possa votar em substituição aos conselheiros ausentes: qual a justificativa? Qual o modelo? Qual a jurisprudência? Qual o antecedente histórico? O Direito me parece engessado nesse sentido. Mas se quebrar o gesso e tornar a criação e a alteração de leis mais flexível, pode ser que se torne flexível demais.

    Normas dependem de padrões. Acho que essa é a frustração de muitos juristas, pois aí o Direito passa a sofrer do mesmo mal da Comunicação: o melhor para a maioria é melhor porque é melhor ou só é melhor porque EU acho que assim seria em função dos MEUS valores? E quem diz que os MEUS valores são os melhores?

    Hipercomplicado…

    []’s,
    Hélio

  21. Sinceramente, eu não me preocupo com o fato do Hiltor não mencionar os problemas deles.
    Se o associado e torcedor vermelho não merece estar a par das informações internas deles, azar o deles.
    Mas o importante disso tudo é sabermos que a gestão Duda está trabalhando para minimizar ao máximo as dívidas do Clube.

  22. 1. Bernardon. Perfeito.
    2. Brunetto. Depois que o MGN apoio para a presidência do CD o mais ausente de todos os conselheiros na história do clube, nos ultimos 10 anos não deve ter comparecido a 5 seções ( eu estou exagerando porque me lembro de 3, uma delas justamente a da eleição, depois não esteve mais no CD )eu não reconheço neste movimento autoridade para falar sobre este assunto: ausência de conselheiros no CD. E digo o mesmo do MGI em que pese meus fraternos amigos de lá. Sinto muito.

  23. Quem tiver duvida da isenção do tal cronista, que leia o correio do povo de hoje.

    pela tese do amigo Bernardon, vale então o estilo lama só no Gremio.

    Mas não é aqui nesse blog que o pessoal entende de marketing? mas será então dificil entender o dano a imagem do clube provocadas por essas fofocas só contra um lado?

    cbimbi

  24. Discordo de algumas opiniões. Recentemente se dizia que o nosso clube estava quebrado. Era uma verdade relativa. A ISL quase nos quebrou. A culpa é da imprensa?
    Fui diretor de recursos humanos na gestão Obino, juntamente com Pedro Ruas, e constatei que não havia em reuniões nem água mineral.
    O que o Hiltor quis dizer é que dirigentes de um nível de um Saul, Evandro e Renato Moreira tiveram que administrar a miséria no futebol, assim como eu e meu amigo Ruas administramos a miséria noos recursos humanos. Eu ouvi de empregados do Grêmio durante meses: “E o nosso salário doutor”?
    Meira e Guerra terão uma vida “mais facilitada” que os três grandes gremistas citados. Esses merecem uma placa no departamento de futebol do clube. São heróis.
    Estou satisfeito com os números, o tricolor está saindo do atoleiro antes do previsto. Em pouco tempo os grandes títulos devem retornar.

  25. Bernardon com extrema lucidez pegastes o espírito da coluna do Hiltor. A intenção, em meu modesto entendimento, foi mostrar a seriedade da gestão Duda nas finanças e de grandes gremistas no futebol.Alguém já leu alguma opinião do Hiltor criticando gremistas abnegados? Eu já li muita coisa do Hiltor criticando aqueles que quase quebraram o clube.

    alguém

  26. desisto…
    esse cronista é o xodó inexplicavel por aqui, que a vã filosofia não esclarece.
    apesar de colorado e de criticar o Gremio insaciavelmente
    larguei….( o assunto )

    cbimbi

  27. Olha pessoal eu faço força mais não consigo entender a política no Grêmio…o Evandro e o Saul saudados como grandes dirigentes é o fim do clube. Em 2003 montaram um time com uma folha bastante elevada, Cristhian, Gilberto e etc. Não caíram por milagre! Em 2004, embora com restrições financeiras, o vestiário virou a casa da mãe joana, e foi por isso que acabou na segunda divisão – vide poltrona 36. Então, Artur, vamos manter a memória em alerta, sob pena de repetirmos os erros do passado. Com relação ao orçamento de 2009 e 2010, com razão a coluna do Hilton. O GRÊMIO em 2009 e em 2010, que agora se inicia, gasta o dobro do que gastava nos anos da gestão Odone. E os resultados ficaram muito aquém dos investimentos feitos e daqueles obtidos nos últimos anos. Tem coisas que realmente não entendo. Os dirigentes que levaram o GRÊMIO para a segunda divisão sendo saudadados e os dirigentes, que resgataram a dignidade do clube, sendo esquecidos. Acorda GRÊMIO!! Achei que já tivessemos aprendido com os erros do passado. Pelo jeito, estava enganado.

  28. Sem entrar em discussão com quem eu não conheço e que se identifica apenas pelo prenome, gostaria de esclarecer alguns fatos: Gilberto já estava no clube quando Evandro e Saul assumiram o futebol.Cristian foi contratado por Vallandro/ Meira.
    Acho importante saudar dirigentes que resgataram a história do clube e não apenas um nome. Renato Moreira teve papel fundamental no retorno do tricolor à primeira divisão.

  29. O césar está desistindo, mas…. logo agora que o assunto está começando a tomar corpo? Eu, tenho aprendido demais neste blog e gostaria de formar opinião sobre este assunto sobre o qual ainda não tenho clareza.

    Olha:
    A explanação do Hélio, além de mostrar muito conhecimento sobre o assunto “relaçionamento com a imprensa” também foi bastante convincente.
    O Bernardon demonstrou um espírito extremamente equilibrado e destituido daquela competitividade infantil tão comum em muitos torcedores.

    Mas depois disto a pergunta do César me parece que foi muitíssimo própria e até agora não foi respondida. Tomo a liberdade de transcreve-la abaixo.

    <>

    E eu emendo: Ainda que nesta coluna tenha havido (como disse o Hélio), uma reversão na expectativa quanto ao desserviço da mídia especializada ao Grêmio, não é esta uma excessão? Se foi uma reversão na expectativa não prova então que a expectativa é sempre a pior? Se desta vez o Sr HM não quis espezinhar então devemos esquecer a constante parcialidade?

    Bem. estas são as minhas perguntas, mas queria ressaltar a pergunta feita pelo Cbimbi.

    Marcos

  30. eu escutei hoje o sr ja muito citado e muito aplaudido aqui no blog,espesinhar nosso gremio ,dizendo e concordando com o bernardoni, que o gremio so atraz refugo sendo que o cinot e o airton rushel foram ponderados em dizer que nem um clube brasileiro pode repatriar grandes craques, dai o senhor imparcial soltou a perola mas pelo menos o inter contrata revelaçoes como giuliano e o gremio so contrata velhos ainda bem que seu companheiro de programa cinot o lembrou que o gremio revelou mario fernandez que na minha opiniao vai ser muito melhor que giuliano em que pese a posiçao em campo nao ser a mesma, entao resumindo ele e uma praga para nosso clube e nao entendo como alguns aqui do blog o suportam e outros ate veneram mas opiniao e opiniao e tem que ser respeitada

  31. Ops. Por barbeiragem não saiu a citação do Cbimbi. Aí vai

    Mas não é aqui neste blog que o pessoal entende de marketing? Mas será então difícil entender o dano à imagem do clube provocado por essas fofocas só contra um lado?

  32. O Marcos Moraes e o Cesar Bimbi tocaram em um ponto interessante. Não posso falar pelos outros, assim como também não costumo trazer até os comentários deste blog pautas do tipo “Fulano disse isso sobre o Grêmio e deixou de dizer (ou, então, disse aquilo que não é verdade ou que foi aumentado) sobre o T.A.”

    Já deixei aqui a minha opinião sobre a mídia corporativa do RS (RBS, Record, Band RS, Pampa – há profissionais corretos, sim; no entanto, o método de trabalho e as exigências mercadológicas de quem banca as empresas para onde trabalham facilita a exposição do trabalho daqueles que não são exemplos técnicos de bom jornalismo): ela é FRACA – em que pese uma quantidade bastante significativa de boas faculdades.

    Não dá pra perder tempo se explicando nem exigindo direito de resposta. Senão, o Duda, o Meira, o Irany, o Guerra e o Quadro Social não vão trabalhar mais. Ao mesmo tempo, se preocupar com o que eles estão falando ou deixando de falar sobre o T.A. é tarefa da assessoria de imprensa, que deve filtrar as falácias e instruir a direção a, quando falar, deixar certos temas de fora ou abordar outros assuntos de uma outra forma, procurando evitar tanto a polêmica quanto a omissão.

    Pra quem não acompanhou das outras vezes em que critiquei as práticas jornalísticas, não há, nunca houve e jamais haverá imparcialidade em NENHUMA esfera humana. Todos tem um lado, embora nem sempre sejam extremistas e muitos não tenham vontade nem de agir em prol dos seus interesses, nem mesmo são capazes de meramente externar a sua posição. É impossível: todos temos valores e crenças. Que não se cobre e que não se espere isenção nem imparcialidade de ninguém.

    Outra coisa que não se pode esperar é que as pessoas não tenham opinião. As opiniões da maioria podem ser leigas. De alguns, podem ser oportunistas. De outros, de má fé. O problema é ou a omissão dos especialistas, ou a exposição de especialistas que seguem apenas uma ideologia.

    À mídia cabe dar espaço igual a pelo menos dois lados de uma mesma questão. À mídia cabe não misturar notícia com opinião, pois o fato precisa ser apenas exposto. Quem julga e quem avalia o que é exposto é quem consome essa mídia.

    Contudo, há maneiras e maneiras de expor: é preciso investigar, é preciso apurar, é obrigação de todo jornalista não se contentar com a primeira opinião. E, mesmo crendo em um determinado conjunto de especialistas honestos que adoram aparecer, é FUNDAMENTAL ampliar esse leque de fontes para que as opiniões não fiquem viciadas.

    Se o clube senti-se lesado, precisa ter provas materiais, dar nome aos bois e tacá-los na Justiça. Se o clube precisar de mais espaço, precisa convencê-los de que faz parte do trabalho deles contar o que se passa no Grêmio de maneira honesta para milhões de telespectadores, ouvintes, leitores e internautas.

    O que não se pode é temê-los nem lamber suas botas. O problema é que essa relação é tão prostituída que voltar atrás é complicado.

    []’s,
    Hélio

  33. prá ver o que esse cara fala:
    dizer que o Gremio só contrata velho e refugo e o time dele revelações jovens, é desconhecer várias coisas; primeiro que a ” contratação ” é de jogadores que continuam sendo do Sonda e que são vendidos a hora que o empresario quiser. Depois – mais sacanagem ainda – é desmerecer os guris Douglas, Maylson e varios outros. O Douglas vale mais e joga mais que qualquer um dos idolos fabricados da imprensa amestrada do carvalho. Basta acessar sites ingleses.
    Essa desvalorização que essa turma como o jornalista esse faz com nossos jogadores, sem duvida nenhuma influi no valor de venda deles. Por outro lado, qualquer balaqueiro do lado de lá ( Taison é o melhor exemplo, Marquinhos, etcetera ) são endeusados prá esquentar as vendas.
    Esse sujeito é endeusado por aqui, não sei pq!

    cbimbi

  34. 1. João, que não é o meu filho, me lembra um pouco – to na boa – aqueles velhos com arteriosclerose, mantém a memória antiga mas não a recente. O Grêmio somente se viabilizou financeiramente – matéria já sabida e superada – face a criação do condomínio assunto que conheci de perto muito intimamente porque foi com toda a equipe do Juridico a qual tive a honra de estar junto, em 2005, mais o Airton Ruschel, que tudo começou. Não fosse o condominio, o G estava morto. Imperioso que se mantenha em dia o condomínio sob pena de voltarmos a estaca zero. Pois o Duda recebeu o condomínio com 7 milhões de atraso e o risco de ficarmos em situação pior do que a de 2004 ! Ah é né ? Pois é ! Então é bom que se meça as palavras para não se dizer besteira, e nem falo em injustiças falo em bobagens mesmo. Este assunto se quiser debater, pronto, tô ai vamos lá …

    2. Cesar. Não sei se tu reparou eu nunca mais debati assunto nenhum contigo. Depois que tu disparou que os grupos politicos faziam mal ao clube – tendo sido eleito por um deles, pois se não tivesses a ele te juntado jamais chegarias ao CD – e arrasou com o conselho de ponta a ponta, eu te sugeri que saisse do CD de um lugar que tu achavas tão desprezível, e te desafiei a isto porque tu achavas lá tudo podre, lembras disto … Pois é insisti, eu e muitos outros aqui, mas muitos outros mesmo, que tu deverias sair do CD diante de tanto asco que ele te dava. Ai tu recuou e nunca mais tocou no assunto e comodamente ficasses agarrado à tua carteirinha de conselheiro, no que foi incompreensível – como querer ficar num lugar para onde reservas tantos impropérios – eu entendi que contigo não debatia mais. Então o assunto Hiltor, contigo, eu não debato. Poderia te dizer por exemplo que tu dezenas de vezes perguntou aqui porque ele não dizia que o quadro social do Grêmio com 50 mil sócios arrecadava tanto quanto o SCI com 100 mil e te responderia – porque os teus dados não são verdadeiros, cobrei dele isto, fomos checar, e tu errou, então ele não pode comentar uma mentira, uma inverdade, e errou feio, e nunca eu quis revelar isto aqui para não dar armas ao inimigo que nos visita … A diferença é quase o dobro, infelizmente ! Mas eu não vou perder meu tempo com isto, só que a tua provocação para – mim direta ou não, não vem com esta de dizer que não foi porque foi se não foi exclusiva me incluiu – não vai nos levar a absolutamente nada ( até porque qualquer confraria como o nome diz é lugar de confraternização e não de debates e cobranças acirradas com bases politicas esportivas ou seja lá de que ramo que não seja o de solidariedade e alegria – confraternização, entendes o que é isto ? ) e é rasteira se não à mim a pessoas do nosso meio, dedicadas, capazes, interessadas pelo clube, e que foi alvo da tua forma costumeira de praguejar, pois os nossos problemas estão dentro e não fora do clube, já discorri em muito sobre isto, cansei, não vou repetir, não adianta quando o cara não quer ver, não quer ler, não quer escutar, é mais fácil apedrejar os outros, é bobagem e perda de tempo e paciência querer continuar; poderia, se quisesse, fazer contraponto a cada uma das citações feitas, com conhecimento de causa, mas a que nos levaria isto ? Quem pensa ao contrário, ou seja, que nossos problemas podem ser explicados fora do nosso território, atribuindo culpas exclusivamente a terceiros, como é o teu caso que somente te apegas ao mesmo e já cansado cavalo de batalha, me desculpa, mas se junta aos que não nada resolvem. Então vou continuar silente a teu respeito: talvez o dia que tu tenhas a coerência de sair do CD, diante tanta maledicência que a ele atribuiu, talvez, talvez, eu repense, e entenda valer a pena voltar a debater contigo. Do contário, tô fora ! Agora vou te pedir um favor, vai ser bom prá ti, e quiçá prá mim. Me deixa quieto!

  35. Só prá esclarecer. aos amigos que aqui convivem.
    Não me apego a cargo nem carteiras, assisto a jogos com minhas 2 cativas e não uso a de conselheiro, aliás suplente. Não tô tergiversando, até pq já respondi antes. Não chamei ninguem do conselho de nada. Tenho a grande maioria dos conselheiros que conheço ( e os que conheço pouco mas vejo nas reuniões )como no mais alto conceito, e digo isso porque sinto, não quero nada dizendo isso.
    Gritei contra a hipertrofia politica, que prejudica o clube. Dá espaço prá essa gente falar mal do Gremio numa boa e isso me revolta.
    cbimbi

  36. Entendo o posicionamento do Cesar, sobre defender o clube e sobre os movimentos e Josias não há outra forma de entrar no CD sem ser via movimentos, ou há a figura da candidatura avulsa? Isso não quer dizer que o cara não possa criticar o estado de coisas.

    Vinha pra casa agora e ouvi uma parte (5 minutos) da entrevista de um tal de Sigman que esta assumindo como assessor de futebol no SCI, Pois ele nesse parco tempo tempo tratou de dar duas PEDRADAS na imprensa, afirmando que esta havia ERRADO, ele generalizou como eles fazem..

  37. Pessoal, acabo de voltar de alguns dias de férias, verdadeiras férias: 12 dias de sono, praia, vinho, parrillada e família.

    Volta e meia surgem algumas postagens de desafetos encapuzados aqui no site Grêmio Sempre Imortal, o que é normal, mas injusta, quando se plantam inverdades. Como sou acostumado a pagar as minhas contas e não as dos outros, como o meu querido amigo Josias, acho importante fazer este pequeno esclarecimento, rememorando texto publicado aqui neste mesmo site, em 22/03/2009, quando fui entrevistado:

    “Em 1987, fui convidado pelo Renato Moreira e o Cacalo para ser Diretor do Departamento Jurídico, atuando como Perito Judicial. Fiquei conhecido como o Engenheiro do Jurídico. Foram 11 anos de trabalho ininterrupto, até 1998, como Diretor Jurídico, Administrativo e Patrimonial. Com muito orgulho, dei minha contribuição nas gestões dos Presidentes Paulo Odone, Rafael Bandeira, Fábio Koff e Cacalo. Retornei em 2003, na gestão do Presidente Flávio Obino, indicado pelo grupo político dos ex-presidentes Fábio Koff e Cacalo, para ser Diretor do Quadro Social e Diretor de Planejamento, trabalhando ao lado dos vice-presidentes Adalberto Preis e Marco Miranda. Iniciamos um novo conceito na relação clube-sócio-torcedor, criamos a primeira Ouvidoria do futebol brasileiro, implementamos de imediato o Estatuto do Torcedor e desenvolvemos o primeiro planejamento estratégico dos grandes clubes do País. Após alguns meses, ao lado do amigo Saul Berdichevski, aceitei o desafio de comandar o departamento de futebol. Foram 11 meses de muito trabalho, entrega e luta por um Grêmio que agonizava, reflexos do desastre ISL. Com o apoio do torcedor, o surgimento do fenômeno Geral do Grêmio, a Invasão de Criciúma, ao lado de uma comissão técnica de alto nível e um grupo de jogadores que com talento e bravura superaram todas as dificuldades que o clube enfrentava, resgatamos a dignidade e mantivemos o Imortal Tricolor na série A do futebol brasileiro. Entregamos o Grêmio, em maio de 2004, semi-finalista do Gauchão, tendo alcançado as quartas-de-final da Copa do Brasil e encontrando-se na 8ª colocação do campeonato brasileiro, 5 pontos atrás do líder.”

    Portanto, meus prezados críticos encapuzados, não tenho nada a ver com ISL e tampouco com rebaixamento. Não montei o time de 2003 e tampouco o time que foi rebaixado. Comandei com o Saul o futebol do Grêmio entre esses dois períodos, em épocas de vacas magras é verdade, mas também de muito gremismo, de muita luta e dedicação, conforme relatou o amigo Artur.

    Amigos como Josias, Artur, Bimbi, Bernardon, Hélio Paz, Marcos Almeida, Brunetto, José Dias, Diego e tantos outros! Um feliz ano de 2010 para todos.
    Evandro Krebs.

  38. O Evandro é um cara que trabalha com muito sacrificio e em silencio, discretamente, sem pedir holofotes nem latinha.
    Na minha opinião, está sendo um dos responsaveis pelo saneamento geral do clube; porisso vez que outra, umas pedradas raivosas são lançadas ( quem conhece o trabalho do Evandro, identifica de onde vem.).
    Acompanhei de perto 2003, com jogadores saindo do clube da noite pro dia como foi Anderson Polga e varios outros. Mesmo assim o time do final de 2003, montado de forma artesanal pelo Adilson Batista seria candidato serio a Copa do Brasil 204, se tivesse sido
    mantido. O meio campo funcionava se parar ( Tinga, Gilberto ) no ataque havia Pitbull na sua melhor fase e o Adilson descobriu Marcelinho, na epoca com 16 anos.
    Grande 2010, amigo Evandro!

    cbimbi

  39. 1. Marcos. Evidente que o ingresso ao CD hoje se dá quase que exclusivamente com filiação a grupo. E evidente que o conselheiro ou qualquer torcedor tem todo o direito de criticar grupos politicos. Agora o sujeito, um ilustre desonhecido, se filiar a um grupo, se misturar a figuras publicas que nele se incluem, como Cacalo, Raul Regis, Renato Moreira, Evandro, Juliano Ferrer, etc, para obter uma vaga, conseguir o ingresso, e poucos meses depois sair metendo o pau em todo mundo e em todos os grupos, isto na minha terra tem nome. Me perdoa mas lá tem. Isto não se faz. O cara que faz isto se quiser ter crédito, tem que sair fora e dizer: olha não vou contnuar aqui porque não gosto disto e se vim por estes nomes que estou malhando, então vou ter a hombridade de deixar. Só isto, eu faria assim. Mas, as pessoas são diferentes não é mesmo ? Bem o que foi dito está escrito, lá atrás, é só ir lá copiar e colar aqui. Eu sei o que foi escrito. Não me venha dorar o pilula.

    21.

  40. ………. Sobre o Siegman, meu amigo pessoal de anos, não queria vê-lo como dirigente deles, mas vai dar trabalho, grita, berra e toca o pau, inclusive em nós, ativo ele vai gerar muita polêmica, escrevam. Enfrenta a imprensa de frente, e já comprou briga com grandes, é odiado por muitos, como o Pedro Ernesto. Eu não critiquei a a critica à imprensa, até porque dela sou talvez o maior critico e já me degladiei muito com ela, dentro e fora do mundo esportivo, talvez tenha sido o unico dirigente que tenha enfrentado ela na justiça mais de uma vez. O que comentei foi a critica pontual ao unico jornalista nosso que dá espaço para a direção do Grêmio responder – desafio que indiquem outro que faz isto – dá espaço para o conselheiro se manifestar, concede espaço ao torcedor dito comum, sócio ou não, e o único que divulga o nosso blog com extrema frequencia. Não bastasse isto algumas cobranças que faz, como já descrevi aqui, a da camisa preta e das pulseirinhas, nos renderam muita grana. Penso que centrar revolta contra ele,nestas condições, é burrice. Só isto.

  41. o assunto aqui não sou eu, ninguem torce prá conselheiro. e essa descrição de ” se meter num grupo prá conseguir vaga ” nada tem a ver comigo nem com minha forma de pensar.
    o tal cronista ( ESSE É O ASSUNTO!! ) se fizer uma enquete entre torcedores gremistas vamos observar certa unanimidade.
    qto a sair do conselho, prá mim não há problema algum. Repito: que não uso a tal carteirinha prá nada, nem prá acesso ao estadio, pois pago minhas 2 cadeiras.
    O que me interessa é torcer e defender o Gremio, que faço como torcedor, conselheiro, suplente, em qualquer condição.

    cbimbi

  42. Amigos Bimbi e Josias, vocês dois são fiéis escudeiros tricolores e, portanto, estão do mesmo lado, o da defesa da instituição Grêmio. Também concordo com o Josias de que não podemos pontuar a crítica num só jornalista, muitas vezes, até por antipatia. Na verdade, penso que jornalista, de fato, não tem time e, raras vezes, possui amigos ligados a um determinado clube. O que conta mais é o interesse jornalístico, que deve ser respeitado, desde que observados os limites éticos. Quanto ao ingresso do Bimbi no conselho, isso se deu há quase 06 anos atrás, quando ainda não havia grupos políticos. Quando da fundação do Imortal eu mesmo levei o Cesar para o Grupo, onde foi bastante presente e participativo. Recentemente, pediu afastamento por motivo de cansaço e certo desencanto da política do clube. Já havia encaminhado, também, ao presidente Raul Régis o seu pedido de desligamento do conselho, no que foi aparentemente convencido por mim e pelo Régis a continuar. Tenho certeza de que logo logo o Bimbi estará de novo motivado e integrado ao Grêmio Imortal.

  43. Senhores, reitero o que já escrevi anteriormente sobre a questão envolvendo o jornalista Hiltor Mombach.
    E faço minhas as palavras dos amigos Josias e Evandro no que tange a esse assunto. E sempre é bom lembrarmos que o Hiltor é o ÚNICO que dá o devido e merecido destaque ao nosso blog.

  44. 1. Há 6 anos atrás, quando não existiam grupos politicos, quem definia a entrada de conselheiros no CD do clube eram os cardeais. Os cardeais sentavam olhavam a lista dos conselheiros e escolhiam: este fica, este sai, este fica, este sai…. ai somavam qtas vagas tinham restado a partir dos que foram cortados e, mediante simples preferência, incluiam outros tantos. Assim, uns entravam porque mereciam outros por simpatia. Uns entravam porque trabalhavam ou trabalharam no clube e então conquistaram o direito mas passava, este direito, pela preferência, porque se tivesse trabalhado, e muito, mas não agradasse, não entrava; outros nem tanto ou nada, apenas entravam porque o bispo ou o pároco gostava dele, ou era o médico de confiança, ou o arquiteto, ou o porteiro, ou o conhecido das relações de trabalho, do bar etc. Assim é que era, gostem ou não. Eu entrei nesta época, o Evandro entrou també, e todos que lá estavam entraram assim. Já contei a história aqui, eu entrei e nem sabia que tinha entrado. Fui votar, porque sócio sempre, e no pátio começaram a me cumprimentar … não entendia o que era, pois ai me contaram, estás na lista de conselheiros … eu já trabalhava lá um ano como diretor jurídico, mas fui incluso na lista e nem sabia – o fato é que nunca pedi. Entrei como suplente e na eleição seguinte se repetiu o método, quando vi estava efetivo.

    2. Com o advento dos grupos politicos parte da Catedral ficou sem governante – mas parte ainda existe, ainda temos caciques e cardeais sim senhor, são poucos, talvez hoje uns dois ou três e com muito menos poderes, mas tem. O fato é que a partir dos Grupos politicos – e daqui prá frente cada vez mais – ninguém ingressa no CD se não estiver filiado a algum. Ainda na última eleição alguns constaram em duas chapas, ou alguns que não estavam filiados ao partido por admiração, respeito, e etc, foi incluído, mas a tendência é isto acabar. Para ilustrar o Grande Nelson Olmedo não entrou na ultima eleição, mesmo sendo um homem histórico no clube, simplesmente porque não estava filiado a nenhum partido ou grupo, e assim vai ser cada vez mais, os grupos vão dar preferência aos seus filiados.

    2.1. De sorte que eu não posso aceitar, EVANDRO ME DESCULPA, que alguém ingresse no CD por um grupo e depois meta o pau em todos os partidos do clube ( e meteu sim, meteu, tá escrito, não vou vir aqui trazer e colar basta olhar, quem não olhar e ver o que tá escrito que acredite no que achar melhor …depois houve pedido de desculpas e tal … mas meteu sim o pau … talvez como agora reveles esteja cansado etc… mas meteu o pau sim … aqui ninguém é criança … ) e generalizadamente, sem discriminar, nos conselheiros do CD. É comer e virar o cocho. Principalmelnte quando tal ingresso se dá NITIDAMENTE face as figruas consagradas junto à torcida que compunham o movimento pelo qual se elegeu, ou alguém tem dúvida de que o nome em questão seja identificado pelo torcedor ? Ou alguém, francamente, ache que o nome em questão por si amealhou votos ? Veja bem, nem de longe estou discutindo o mérito se se justificava ou não estar lá, não sou abolutamente ninguém para julgar alguém, falo de fatos. Apenas isto. Não considero meter o pau em colegas E NADA DE UTIL LEVAR AO CD, seja defender o clube. A propósito dias destes o amigo AIQUEL indagou aqui quem seriam os conselheiros que falavam fora e lá não se manifestavam. Acho que foi ao Marcos que a pergutna foi feita. Não vi a resposta. Mas o caso em questão é exemplo típico. Nunca ouvi a voz do C B no conselho – fato ! – muito menos escutei lá ele fazer as mesmas criticas que aqui fez aos colegas de órgão. Fato.

    2.2. No tocante ao resto, se o amigo EVANDRO gostou do

    “ e não sei como a turma da confraria não cobra desse cara ”

    confundindo as coisas estupidamente, confundindo um grupo de amigos – e suas pessoalidades e da intimidade de suas vidas pessoais – que se reúne com outro propósito nada a ver com questões aqui do blog, EU NÃO GOSTEI.
    As coisas que dizem respeito à minha vida pessoal à minha privacidade e intimidade não permito sejam objeto de misturança a mais face um grupo que, repito, heterogeno, aonde andam gremistas, colorados, advogados, médicos, arquitetos, funcionários públicos, pessoas de todas as camadas sociais: um grupo de amigos que se reune para confraternizar, dai o nome confraria, e que nada tem a ver com questões politicas. TURMA é a do gato mandachuva e do guarda belo. Vai cobrar doutro e noutro lugar, não admito estas cobranças intrometidas e indevidas. Seria o mesmo que alguém mandar cobrar de ti, lá na confraria, um LAUDO PERICIAL que entendeu mau elaborado ou mal feito, ou cobrar de mim uma eventual defesa deficiente na advocacia. Ora, vá plantar batatas, para não falar num lugar mais longe. E estamos conversados !

  45. O relato do Josias é o mais fiel possível. Começei a trabalhar no Grêmio em 1987 e, em 1989, fui comunicado pelo Cacalo de que o meu nome havia sido incluído na lista do CD, como conselheiro suplente. E assim se sucedeu até 2004, quando já houve 02 chapas concorrendo. A nossa venceu e elegemos 150 conselheiros, incluindo todo o pessoal do Grêmio Novo, a chamada CHAPA PURO SANGUE, à época. Já em 2007, com 03 chapas concorrendo, Chapa 1 – situação, Chapas 2 e 3 – oposição, sobrevivemos à última hora com o apoio de integrantes da Chapa 2 e atingimos a cláusula de barreira de 30% por 9 votos. A Chapa 3, então, elegeu 50 das 150 vagas em disputa, cabendo as restantes 100 vagas à Chapa 1. Também concordo que quem se dispõe a viver o clube politicamente tem que saber administrar os conflitos e valorizar a participação dos Grupos, sem patrulhamento.

  46. cada um nasce com aptidões para certas coisas e dificuldades para outras. tenho autocritica e como não acho q tenho contribuido suficiente e adequadamente ao clube é verdade o q o Evandro comentou sobre minha saida do Conselho.
    na eleição, trabalhei bastante pra eleição do Duda, junto a amigos, amigos de amigos, familiares, relacionamentos via profi., etecetera e mesmo gente que não conhecia e lugares onde não sou conhecido fui na base do peitaço. Felizmente, amigos não são poucos. Esses, me cobraram e com razão, a saraivada de erros no futebol ( proporcionais aos acertos na area administrativa).
    Erros esses, proporcionados por gente que não tem autocritica e não vê que não é adequada ao cargo. Vai ver em seguida. Chega de vaidade!
    Acho que o grupo, do qual pedi a saida, assim como tantas reuniões fez, deveria já ter se posicionado sobre isso, e não compreendo a omissão.
    Esse foi o motivo dos meus comentarios e pedido de desligamento do grupo e tudo o mais dai decorrente. Admiro fortemente a grande maioria dos que compõem o grupo, sinceramente, o que não impede criticas.
    The End!

    cbimbi

  47. A minha primeira mulher – irmão do João Batista Presdiente do G Unido – tinha um avô quase centenário, um genoves que foi marinheiro na 1a G Guerra Mundial. Homem fortissimo, uma muralha, morreu sem sentir nada, simplesmente parou de viver, nunca teve nada, tomava duas doses de Chivas por dia e lia tudo o que acontecia e comentava tudo com imenso humor. Vez que outra passava um ou dois dias, homem e família cuidadosa, no Hospital M de Ventos para fazer exames de rotina. Certa vez passei a noite lá e ele estava usando sonda para acompanhamento de bexiga e rins. Eu dormia no sofá acompanhando o veterano marinheiro. Certa madrugada uma enfermeira entrou no quarto para realizar seu trabalho de rotina. Levantou o lençoul e mexericou na sonda. Acordou o velho lobo que perguntou: o que passa ? Ela respondeu – Nada ! Mal ela se virou ele olhou prá mim e falou: Um cacete, vem aqui, mexe no meu pau vai embora e diz que não é nada ! …
    Associação = End um cacete ! Vem aqui, diz bobagem, mexe comigo, vai embora dizendo que não é nada e põe um end! Aqui farroupilha. Quer dar satisfação para os amigos que colheu votos então vai lá no CD e berra, não fica valente à frente dos teclados, apenas. Na mesma moeda: vai procurar a tua turma !

  48. De qualquer forma, SENHORES, atenção:

    Nunca dormi tão bem. Acabram-se as nossas divergências e desavenças, internas e externas. Ou, se não acabaram, ZERAMOS TUDO.

    ONTEM O ARRUDA PERDOOU A TODOS !

  49. Josias, não adianta, tá ficando chato. por ex. era final de 2004, qdo comecei a conhecer os conselheiros, o Gremio em ultimo lugar e já na 2a divisão, afundado em dividas, a imprensa ridicularizando, não tinha categoria de base, jogador bom saindo de graça e ruim entrando na justiça, sai da reunião entrei no carro me deu vontade de chorar pelo futuro do Gremio, a primeira vez. ninguem qeria pegar o pepino e só o Luiz O Germano tinha uma proposta de chapa unica.
    porisso respeito e não aceito rixa contigo, a quem todo gremista deve respeito por ter tido culhao de pegar anonimamente e no sacrificio, no pior momento.
    qualquer hora – se convidado e garantida minha integridade física ( moral ñ tem problema ) vou curtir um vinho na confraria.
    grande abraço!
    cbimbi

  50. C Bimbi:
    O ARRUDA já perdoou ….. discussões como esta, a nossa, e outras, já captei, terminam no post, acabou, vamos em frente, o bem do grêmio é o que se busca; e futebol, religião e politica sem algumas asperesas não tem graça; o importante é saber que acaba. Terminou a discussão, acabou o papo, entra outra e fim. Prá mim o assunto tá encerrado e supera.
    E vinho, vamos tomar sim, mas, claro, não no PUPI vamos ali no costela mesmo, não precisa ser vinho mendigo. A gente leva o Bernardon e põe na conta o que for acima de 40 reais, se não vão dizer que o blog tem caixa e estamos metendo a mão.
    Tem gente que não entende mas eu já entendi que isto de discussão tem inicio, durante/meio e fim ! Terminou, terminou. Tem gente que manda torpedo, não se identifica e te chamam de tudo. Dei agora para receber torpedinhos ofensivos, ai ligo, e o cara fica mudo.Por isto quem põe a cara como tu pode ter a discussão mais forte que tiver comigo, mas eu respeito. Posso extrapolar aqui ou ali, ou extrapolarem comigo, mas faz parte, e quando o cara tem genitália se sabe. Entao velho, zero a zero e bola ao centro.
    Abraço.

  51. Josias e Bimbi, não se esqueçam de me chamar pra esse vinho…
    E por falar em ‘botar na conta’, Josias tá na hora do blog ter uns patrocínios pra termos ‘caixa’ pras despesas de confraternização do povo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.