Breve análise sobre a Era Luxemburgo

Aqueles mais desatentos não se deram conta de que, drugs  após a saída de Caio Jr. e a culminante vinda de Vanderlei Luxemburgo, pills um dos maiores problemas gremistas dos últimos tempos foi solucionado: o comando técnico. Desde que Adenor Leonardo Bacchi (o Tite) saiu do Grêmio, seek muitos outros profissionais passaram sem serem notados pelos lados da Azenha. Alguns lembrarão de Mano Menezes (campeão gaúcho, campeão brasileiro da série B e vice da Libertadores), outros lembrarão de Paulo Autuori (tremendo currículo, sem títulos no tricolor, Grêmio imbatível no Monumental, porém saco de pancadas fora), Celso Juarez Roth (várias vezes campeão gaúcho e vice brasileiro) de Renato Portaluppi (vice campeão gaúcho e quarto colocado no Campeonato Brasileiro). Tanto Mano quanto Renato armaram times coesos, brigadores, com futebol de raça e alcançaram bons resultados, entretanto, seus times chegavam às fases decisivas dos torneios mais cobiçados e acabavam sendo dominados por adversários mais qualificados e com comando técnico mais rodado. Outros tantos técnicos não conseguiram suportar o peso da tradição gremista, tais como Cláudio Duarte, Vágner Mancini, Caio Jr, Silas, Marcelo Rospide, Nestor Simionatto, José Luiz Plein, Julinho Camargo, Hugo de León, Cuca, Adílson Baptista.

Nunca escondi de ninguém a minha admiração pelo trabalho de Luxa. Os números do atual treinador tricolor são tão invejáveis que espancam quaisquer críticas negativas: 10 vitórias, 1 empate, 1 derrota. Pasmem!!! São 86,11% de aproveitamento.

Foto: André T. Susin

Tudo bem, os oportunistas virão me dizer que os adversários são extremamente fracos, que Campeonato Gaúcho e início de Copa do Brasil não são parâmetros de avaliação, além de “blá blá blá blá blá”. Ocorre que NENHUM TREINADOR vinha fazendo isso no Grêmio há anos.  Além disso, o elenco gremista está em frangalhos:  Sorondo, Mário Fernandes, Kleber, Marcelo Moreno, Saimon, Júlio César, Marco Antônio, Vílson, Gilberto Silva e Werley já se lesionaram e muitos desses ainda não voltaram do DM. Isso significa mais da metade dos jogadores titulares do grupo. Mesmo assim, Luxemburgo VEM TIRANDO ÁGUA BENTA DE PEDRA, tamanhas as dificuldades para armar um esquema tático com produção consistente.

Aqueles que ousam criticar Luxemburgo deveriam analisar esses pontos antes de qualquer coisa. O Grêmio de Luxa é o Imortal Tricolor dos resultados, aquele time que briga até o final do jogo, que peleia até as pernas não aguentarem mais, sejam os titulares, sejam os reservas. Se Luxemburgo armou um determinado esquema que não condiz com o que a imprensa e a torcida preconizam, é porque ele tem o domínio sobre o elenco e sabe qual a forma mais indicada para superar o adversário. Luxa tem crédito, vem fazendo um trabalho irreparável e merece todos os elogios possíveis. Não importa se ele irá jogar com 10 volantes ou com 10 atacantes. Se Miralles voltou a jogar bem e a ter vontade de vestir o manto tricolor, é porque Luxa soube trabalhar a cabeça do gringo. O importante é que o Grêmio siga vencendo e levante as taças que a Nação Gremista espera. A hora é de apoiar o time e seu treinador. Se “der liga” agora, poderemos sonhar…

Tchüss, fussballteigers!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.