7 de setembro!

Aos amigos e amigas, doctor a todos os BRASILEIROS, vcialis 40mg um feliz dia da independência! 

CANÇÃO DO EXPEDICIONÁRIO – trecho

Letra: Guilherme de Almeida
Música: Spartaco Rossi

Você sabe de onde eu venho?
Venho do morro, do Engenho,
Das selvas, dos cafezais,
Da boa terra do coco,
Da choupana onde um é pouco,
Dois é bom, três é demais,
Venho das praias sedosas,
Das montanhas alterosas,
Dos pampas, do seringal,
Das margens crespas dos rios,
Dos verdes mares bravios
Da minha terra natal.

Por mais terras que eu percorra,
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá;
Sem que leve por divisa
Esse “V” que simboliza
A vitória que virá:
Nossa vitória final,
Que é a mira do meu fuzil,
A ração do meu bornal,
A água do meu cantil,
As asas do meu ideal,
A glória do meu Brasi…

A Gerência

 

Participe da discussão

5 comentários

  1. Bem. Entramos a Semana da Pátria “marchando” lá em Goiás.
    Mas, pensando bem, tô com peninha do “grupo” do Renato que está cansado, “tadinhos deles”.
    Ora, bolas! Estão brincando com a inteligência e a paciência do torcedor.
    O futebol atual paga muito bem os profissionais dos grandes clubes e isso inclui uma série de compromissos de parte dos atletas.
    Seria o mesmo que um barbeiro reclamar por trabalhar o dia todo de pé ou um motorista reclamar da monotonia de diariamente ter que percorrer durante horas o mesmo percurso. Será que esse pessoal não fica cansado também? E o salário…ó!!!
    Não vamos ganhar todas as partidas, isso todos nós sabemos.
    Agora, não me venham com as velhas desculpas para justificar o injustificável: o mau futebol apresentado, apesar das vitórias.
    A solidariedade dos jogadores ao Dida já era esperada. Estranho seria o contrário. Com todo respeito ao treinador, alguém aqui acredita numa cobrança interna?
    Dida deveria se desculpar com o torcedor. Se errar é humano e reconhecer o erro é prova de humildade, a retratação, a quem de direito, é obrigação.
    Espero que os dirigentes, Renato e os jogadores, não transformem o Naútico num “Barcelona” da vida prevendo mais uma dura “Batalha dos Aflitos”, desta vez, na Arena Pernambucana.
    Mas, antes, teremos a “Barcelusa”. Prevejo um jogo dificílimo, uma vez que o plantel está desgastado pelo “grande esforço”(sic) dispendido na derrota em Goiás.
    O jogo é em casa, o Grêmio tem um grupo mais qualificado, tem mais tradição e uma vitória depende apenas da forma como os jogadores vão encarar o adversário e do que pretendem no campeonato.

  2. Esse “V” que simboliza
    A vitória que virá:
    Nossa vitória final,
    Que é a mira do meu fuzil,
    A ração do meu bornal,
    A água do meu cantil,
    As asas do meu ideal,
    A glória do nosso GRÊMIO.

    Valeu Gerência!

  3. Começou a ladainha do “desgaste”.
    Já vi esse filme no início do ano, no gauchão e Libertadores.

    Será que o Cruzeiro não tem desgaste também?
    Estão repetindo o discurso fraco pré derrota em Goiânia…

  4. Caro Darcílio, quando 40% do time do Grêmio é formado por Dida, Pará e Juventude, qualquer adversário será dificílimo de enfrentar. Então, espero 2 “clássicos” nos 2 próximos jogos, pois há equilíbrio em termos “qualitativos”! Infelizmente essa é a realidade que se apresenta! Para mim, pelo menos, um “crítico contumaz”. É que me acostumei com grandes, “nem um pouco caros”, times do Grêmio! Saudações!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.